Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
NOÇÕES DE CURRÍCULO NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO (IFMT) CAMPUS VÁRZEA GRANDE E, SUAS IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES
Silvana Alencar Silva

Última alteração: 07-10-18

Resumo


Neste trabalho, tivemos por objetivo compreender as noções de currículo e suas implicações para a formação de professores sob a perspectiva de discentes do curso de especialização em Formação Docente para a Educação Profissional Integrada com a Educação Básica, na Modalidade Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) do Instituto Federal de Educação de Mato Grosso (IFMT) Campus Várzea Grande. Enviesada pela perspectiva pós-estruturalista compreendemos o currículo, como arena de produção cultural, artefato cultural e construção social. Então, as diversas formas de conhecimento corporificadas, fixadas, legitimadas contingencialmente e provisoriamente no currículo, são produzidas, tramadas num processo de significação implicado em relações conflituosas de poder. Em termos metodológicos a investigação orientou-se pela abordagem de pesquisa qualitativa e, teve como instrumento de coleta de dados questionário semiestruturado elaborado e enviado por meio da ferramenta google formulários. O questionário foi aplicado para cento e cinquenta discentes, destes obtivemos respostas de sessenta e dois alunos. Do universo dos respondentes, 82% são formados em cursos de licenciatura e 18% são egressos dos cursos de bacharelado, engenharia e de tecnologia em nível superior. Em relação ao vínculo profissional 33,9% são profissionais da rede Estadual de Educação de Mato Grosso (SEDUC-MT), 29% pertencem as escolas privadas, 11,3% são servidores do IFMT, 11,3% não são vinculados a instituições educacionais, 8,1% não exercem trabalho remunerado e 6,4% são das redes municipais de educação de MT. Dos investigados, 59,7% atuam como docentes, desses 68,4% no ensino fundamental e 21% na Educação de Jovens e Adultos (EJA). Em relação a noção de currículo, indagamos: o que você entende por currículo? As análises apontaram para três situações. A primeira noção, o concebe como grade, matéria/disciplina a ser transmitida pelo professor ao aluno. A segunda o entende semelhante ao currículo vitae, sendo instrumento de transmissão de conhecimentos valorizados pelo mercado de trabalho. A terceira traz vestígios de uma compreensão de currículo para além da grade curricular, dos conteúdos a serem mediados pelo professor, contudo, sem discutir as relações conflituosas que atravessam a definição de currículo. Consideramos então, que a primeira e a segunda noção, refletem características que remontam ao currículo tradicional, acrítico, desvinculado de relações conflituosas de poder e dos significados hegemônicos temporariamente e constituintes do currículo, enquanto, que a terceira traz uma mescla entre as noções de currículo tradicional e crítico. Portanto, a formação de professores e, em específico para as singularidades da Educação de Jovens e Adultos deve promover o entendimento de que o currículo é permeado de significados forjados em relações de poder, de classe, gênero, raça, etnia, sexualidade, religião, visão de mundo e identidades, pois o discurso sobre currículo traz implicações para o desenvolvimento do professor.



Palavras-chave


Currículo. Formação de professores. Educação de Jovens e Adultos.

Referências


APPLE, M. W. Educação e poder. Trad. de Maria Cristina Monteiro. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

______. Professores e textos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

CELLARD, A. et.al. A análise documental. In: A Pesquisa Qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis RJ: Vozes, 2008. p. 295-316.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1995.

GOODSON, I. F. Currículo: teoria e história. 7º ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 1995.

_____. A crise da mudança curricular: algumas advertências sobre iniciativas de reestruturação. In: SILVA, L. H. da (Org.). Século XXI–Qual conhecimento? Qual currículo? Petrópolis: Vozes, 1999.

LAPERRIÈRE, A. Os critérios de cientificidade dos métodos qualitativos. In: V.V.AA. A pesquisa qualitativa. Enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis-RJ: Vozes, 2008. p. 410-435.

MOREIRA, A. F. B. O processo curricular do ensino superior no contexto atual. In: VEIGA, I. P. A.; NAVES, M. L. P. (Orgs.). Currículo e Avaliação na Educação Superior. Araraquara-SP: Junqueira e Marin, 2005. p.1-24.

______; SILVA, T. T.. (Org.). Currículo, cultura e sociedade. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1997

NÓVOA, A. Os Professores e a sua Formação. (Coord.). Lisboa: Publicações Dom Quixote Instituto de Inovação Educacional, 1995.

______. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (Org.) Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote/IIE, 1997.

_____. O Professor Pesquisador e Reflexivo. Entrevista concedida em 13 de setembro de 2001. Disponível em: <http://www.tvebrasil.com.br/salto/entrevistas/antonio_novoa.htm.> Acessado em: 22 nov. 2007.

NÓVOA, A. Os Professores e a sua Formação. (Coord.). Lisboa: Publicações Dom Quixote Instituto de Inovação Educacional, 1995.

MACEDO, E. Currículo: Política, Cultura e poder. Currículo sem fronteiras, v. 6, n. 2, p 98-113. Jul/dez de 2006. Disponível em: <http://www.curriculosemfronteiras.org/vol6iss2articles/macedo.pdf> Acessado em: 20 jun. 2015.

_____. Currículo; identidade e diferença: articulações em torno das novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. (Projeto de pesquisa 2011-2014). Disponível em: <http://www.curriculo-uerj.pro.br/imagens/pdfProj/curriculo__14.pdf.> Acessado em: 08 jun. 2015.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis, Vozes, 2007.

SACRISTAN, J. G. Reformas educacionais: utopias, retórica e prática. In: SILVA, T. T. da; GENTILI, P. Escola S. A.– quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasília: CNTE, 1996.

______. O Currículo, uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Editora Artmed, 2000.

SILVA, T. T. da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3º ed. Belo Horizonte - MG: Editora Autêntica, 2011.

SAUL, A. M. Considerações a respeito do conceito de currículo. Anais 1984: Seminário Tendências e prioridades de currículo na realidade brasileira. São Paulo: EDUC, 1985.