Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
DA TERTÚLIA AO PORTAL: EXPERIÊNCIAS DE JORNALISTAS DE CUIABÁ-MT (1968-1997)
Laís Dias Souza da Costa

Última alteração: 22-11-18

Resumo


A aproximação do jornalismo ao cenário literário é uma das características da imprensa brasileira e foi reproduzida em várias cidades brasileiras, como Cuiabá, quando os jornais abrigavam quem tinha “dom” para a escrita. Mas a dicotomia do jornalismo político-literário foi modificada, a partir da década de 1950, com o aparecimento do jornalismo empresarial, que substituiu os periódicos financiados por partidos políticos e grêmios literários e trouxe mudanças, ainda, para a linguagem jornalística. A modernização do jornalismo brasileiro e do conceito de “notícia” trouxe ao vocabulário de quem fazia os periódicos e dos leitores palavras como objetividade, veracidade, imparcialidade, “espelho” da realidade e uma mudança na organização dos jornais e revistas que se tornaram empresas – e conglomerados jornalísticos – e exigiam a profissionalização da sua “mão de obra”.

Em 1969, dois jornais diários circulavam em Cuiabá-MT, o Diário de Cuiabá e O Estado de Mato Grosso, sendo que as redações eram formadas, em sua maioria, por jornalistas autodidatas ou colaboradores, sem formação acadêmica. A tertúlia é entendida aqui como uma reunião de pauta informal que eram fundamentais para a formação dos jornalistas.Justifica-se a realização desse trabalho pela inexistência de uma abordagem específica sobre a atuação profissional das mulheres no jornalismo de Cuiabá que relegou aos bastidores, expedientes e às memórias dos colegas da imprensa a participação das jornalistas em periódicos que circularam na capital, durante o século XX.

Partindo do período da tertúlia, onde a formação profissional era feita unicamente nas redações, percorre-se o caminho entre o fim da década de 1960, mais precisamente 1968, além das décadas de 1970, 1980, e finalizando em 1997, até o lançamento do primeiro “portal”, como era chamado o site, no fim do século XX. Em Cuiabá, a versão digital do jornal Diário de Cuiabá, fundado em 1968, período em que se inicia essa pesquisa, foi a primeira experiência de um periódico com circulação diária entre mídia impressa e digital, no ano de 1997 . A partir daí o jornalismo adquire outras características em sua “feitura”, por conta das alterações decorrentes do surgimento de novos veículos de comunicação, essencialmente eletrônicos, ou derivados de outros meios, como jornais e revistas.


Referências


CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

PORTELLI, Alessandro. O que faz a história oral diferente. In: Projeto História, número 14.

São Paulo: fevereiro de 1997.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. In: Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, jul./dez., 1995.