Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
O FRACASSO ESCOLAR E OS CICLOS DE FORMAÇÃO: DESAFIOS, LIMITES E POSSIBILIDADES
Flávia Bento Farias

Última alteração: 20-10-18

Resumo


A presente pesquisa tem como objetivo geral compreender de que maneira a política educacional e escolar dos ciclos de formação, conforme foi teorizada e construída, está se efetivando na prática, investigando seus desafios, limites e possibilidades, e como contribui para a superação do fracasso escolar na escola pública de Rondonópolis/MT. A fim de alcançar este objetivo geral propõem-se outros específicos: 1. Conhecer os desafios, limites e possibilidades da política educacional de ciclos por meio de observações e entrevistas com professores; 2. Analisar a eficácia dos instrumentos e recursos disponibilizados nas legislações vigentes para o acompanhamento pedagógico e a sua aplicabilidade no dia a dia da escola; 3. Refletir, à luz da teoria crítica, as implicações dos ciclos de formação na superação do fracasso escolar e as possibilidades de uma educação contra a barbárie e para a resistência. Quanto ao método, propõe-se uma pesquisa de estratégia qualitativa por meio do uso de entrevista semidirigida como instrumento de coleta de dados. Este estudo será realizado na escola Municipal José Antônio da Silva em Rondonópolis/MT. Os dados coletados serão analisados com base na teoria crítica a partir da obra de Theodor W. Adorno. Os estudos sobre o fracasso escolar e sobre os ciclos de formação estão amparados nas obras de autores da Educação e da Psicologia Escolar. A pesquisa visa contribuir com as reflexões a respeito do fracasso escolar e dos Ciclos de Formação humana no município de Rondonópolis/MT.


Palavras-chave


Educação; Resistência; Fracasso escolar; Ciclos de Formação; Teoria crítica;

Referências


ADORNO; Theodor. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995. (Tradução de Wolfgang Leo Maar)

ADORNO; Theodor. Minima moralia. São Paulo: Ática, 1993.

BARRETTO Siqueira de Sá, Elba; SOUSA Zákia, Sandra. Reflexões sobre as políticas de ciclos no Brasil. Cadernos de Pesquisa, vol. 35, núm. 126, set.-dez., 2005, pp. 659-688. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v35n126/a07n126. pdf. Acesso em: 28 de maio 2018.

CRESWELL; Jonh W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2010. (Tradução de Magda Lopes)

CUNHA; Érika Virgílio Rodrigues da. Política curricular de ciclos com o nome da democracia: o caso de Rondonópolis (MT). Tese (Doutorado). Universidade Federal do Rio de Janeiro. Faculdade de Educação, 2015.

FREITAS; Luiz Carlos de. Eliminação adiada: o ocaso das classes populares no interior da escola e a ocultação da (má) qualidade do ensino. Educação & Sociedade, vol. 28, núm. 100, out. 2007. pp965 – 987.

JAY; Martin. As ideias de Adorno. São Paulo: Cultrix, 1988. (Tradução de Adail Ubirajara Sobral)

KRUG; Andréa. Ciclos de Formação: uma proposta político-pedagógica transformadora. Porto Alegre: Mediação, 2011.

MAINARDES; Jefferson. Escola em ciclos: fundamentos e debates. São Paulo: Cortez, 2009.

MAINARDES; Jefferson. Reinterpretando os ciclos de aprendizagem. São Paulo: Cortez, 2007.

MATO GROSSO. Secretaria de Estado de Educação. Gabinete do Secretário. Portaria Nº 032/SEDUC-MT/98, de 15 de julho de 1998ª. 4p.

MINAYO, M. C. S.; GOMES, S. F. D. R. (Orgs.) Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

NOBRE; Marcos. A teoria crítica. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

PATTO, Maria Helena Souza. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2013.

PATTO, Maria Helena Souza (Org.). Introdução à psicologia escolar. São Paulo: T. A. Queiroz, 1983.

PUCCI; B., ABREU; C.B.M. Revista “Educação e Sociedade”, nº 56, ano XVI, dezembro de 1996. ADORNO; Theodor W. Teoria da Semicultura. Pág. 388 a 411. (Tradução revista por Verlaine Freitas, inédita)

PUCCI; B., OLIVEIRA; N., ZUIN; A. Adorno: o poder educativo do pensamento crítico. Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

PUCCI; Bruno. Teoria Crítica e Educação: A questão da formação cultural na Escola de Frankfurt. Petrópolis, RJ: Vozes; São Carlos, SP: Edufiscar, 1994.

Portal QEddu.Org. Disponível em: http://www.qedu.org.br/cidade/1033-rondonopolis/ideb/ideb-por-escolas. Acesso em 03 de julho de 2017.

RONDONÓPOLIS. Secretaria Municipal de Educação. Instrução Normativa Nº 16/SMED/2000. 17p.

SOTELO; Daniel. Educação e Teoria Crítica. Revista Científica FacMais, Volume. II, Número 1. Ano 2012/2º Semestre. ISSN 2238-8427.