Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
SISTEMA DE COMERCIALIZAÇÃO SOLIDÁRIA: estratégias e valores agenciados pelas famílias produtoras do assentamento 12 de Outubro
PAULO CÉSAR SILVA COSTA JUNIOR

Última alteração: 22-10-18

Resumo


O estudo desenvolvido foi realizado junto ao Sistema de Comercialização Sociossolidária (Cantasol) que trata-se de um coletivo informal do ponto de vista jurídico, porém institucionalizado como projeto de extensão na UNEMAT. Enquanto cooperativa o Cantasol é um espaço de fomento a produção e a comercialização dos excedentes produzidos pelas famílias que vivem no assentamento 12 de Outubro que fica cerca de 70 km de distância de Sinop/MT, fazendo parte territorialmente do município de Cláudia/MT. Formado em 2012 é resultado da articulação entre os assentados, Universidade, Instituto Ouro Verde e consumidores que, engajados em sua construção buscaram estabelecer relações por meio de projetos de extensão que estimularam debates em torno do desenvolvimento de uma forma de organização e participação popular em que “as pessoas são consideradas na sua integralidade como sujeitos e finalidade da atividade econômica”. Como objetivo central, realizei uma etnografia no assentamento 12 de Outubro para verificar as estratégias e valores que são agenciados por um grupo de famílias produtoras que desenvolvem a produção agroecológica e a comercialização sociossolidária. A pesquisa foi operacionalizada da seguinte forma: 1° apresentação da proposta para a comunidade e solicitação de aprovação por eles (agosto, 2017), 2° Imersão e vivência no assentamento para levantamento de material e informações (setembro 2017 a fevereiro 2018). Os procedimentos metodológicos utilizados foram: a observação participante, o caderno de campo, registro de relatos dos assentados e a fotografia. A inserção no campo me permitiu observar que as relações estabelecidas entre os agentes que participam do Cantasol vão além da troca mercantil, isto é, demonstram agenciamentos individuais e coletivos perceptíveis nas estratégias e valores como a articulação de parcerias com a Universidade, o estímulo a cooperação e o cuidado com a natureza que conformam um jeito de estar no mundo que se coloca como um contraponto ao sistema capitalista e neste caso específico ao modelo de produção do agronegócio, mas também como uma alternativa não somente de permanência na terra, mas de transformação social diante da ausência do Estado e de políticas públicas de desenvolvimento rural. Para além da produção, comercialização e consumo de alimentos, o Cantasol se configura como um espaço social pelo qual os agentes desenvolvem suas narrativas e práticas, que revelam concepções de mundo, que se aproximam dos discursos da agroecologia e da economia solidária como a produção de alimentos sem veneno, o trabalho associado e o comércio justo com exclusão do “atravessador” nas trocas mercantis criando uma relação direta entre produtores e consumidores.

Palavras-chave


ASSENTAMENTO, ECONOMIA SOLIDÁRIA, MOVIMENTOS SOCIAIS

Referências


ALMEIDA, R. A. Classe camponesa e habitus específico: identidade e distinção no campo. In AVEPALAVRA: Revista de Letras. Alto Araguaia, nº5, 2001/2004 pp. 22-63. Disponível em: <http://www2.unemat.br/avepalavra/EDICOES/05/artigos/ALMEIDA.pdf>. Acesso em: ago./2018.

 

ARRUDA, M. Redes, educação e Economia Solidária: novas formas de pensar a Educação de Jovens e Adultos. In: KRUPPA, S. M. P. (Org.). Economia Solidária e Educação de Jovens e Adultos. Brasília: Inep, 2005. P. 31-40.

 

BERGAMASCO,S.,NORDER,L.C.Oquesãoassentamentosrurais?SãoPaulo:Brasiliense,1996.

 

BOGO, A. O MST e a Cultura. Caderno de Formação nº 36. São Paulo: MST, 2006.

 

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1989.

 

______.Razões Práticas: sobre a teoria da ação, Campinas, Papirus, 1996.

 

______. Coisas Ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004.

FRANÇA FILHO, G. C. LAVILLE, J.-L. Economia solidária: uma abordagem internacional. Porto Alegre: EDUFRGS/EDUFBA, 2004

 

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

 

GADOTTI, M. Economia solidária como práxis pedagógica. São Paulo, Instituto Paulo Freire, 2009.

 

GAIGER, L. I. A economia solidária diante do modo de produção capitalista. In:Caderno CRH, Salvador, n. 39, p. 181-211, jul./dez. 2003. Disponível em <https://portalseer.ufba.br/index.php/crh/article/view/18642 >. Acesso em ago/2018.

 

______.A economia solidária e a revitalização do paradigma cooperativo.Rev. bras. Ciências Sociais, São Paulo, v. 28,n. 82,p. 211-228, jun.2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010269092013000200013&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: ago./2018.

 

GRUPO DE INTERCÂMBIO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL DE MATO GROSSO (GIAS). Carta convocatória do V encontro estadual de agroecologia e feira de roças e quintais do GIAS: encontro dos saberes e dos alimentos, da vida saudável e solidária, Cuiabá-MT, 2008. Disponível em: <www.ispn.org.br/arquivos/gias2.doc>. Acesso em ago./2018.

 

LECHAT, N. M. As raízes históricas da economia solidária no Brasil. Palestra proferida na UNICAMP, 2002. In: II Seminário de incubadoras tecnológicas de cooperativas populares dia 20/03/2002.Disponível em: <http://www.uff.br/incubadoraecosol/docs/ecosolv1.pdf>. Acesso em: ago./2018.

 

LEITE,S.Assentamentorural.InCALDART,RoseliSalete,etal.DicionáriodaEducaçãodoCampo.SãoPaulo:ExpressãoPopular,2012.

 

LIMA, M. R. Diagnóstico Socioeconômico do Assentamento 12 de Outubro aPartir da Implantação do CANTASOL. 2015, 70 f. Trabalho de Conclusão de Curso.Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA) - Bacharelado em Ciências Econômicas, Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), campus de Sinop.

 

MENEZES,M.A.;MALAGODI,E.MARQUES,F.R.Juventudeeeducaçãoemassentamentosdobrejoparaibano.In:FERRANTEV.L.S.B.;WHITAKER,D.C.A.(orgs.).ReformaAgráriaeDesenvolvimento:desafioserumosdapolíticadeassentamentosrurais.Brasília:MDA;sãoPaulo:Uniara[co-editor],2008.

 

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA (MST). Normas gerais e princípios organizativos do MST. São Paulo, SP: MST, 2016.

 

NETO, B. L. Sem-terra aprende e ensina: estudo sobre as práticas educativas do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Capinas (SP): Autores Associados, 1999. (Coleção polêmicas do nosso tempo; 67).

 

PEREIRA, D. J. R.; SOUZA, M. I. de. A Extensão Universitária em Foco. In.:Revista Cultura e Extensão UNEMAT, v. 1, n. 1, p. 102-117, 2016.

 

POLANYI, K. 2000. A Grande Transformação: as origens da nossa época. Rio de Janeiro:Campus.

 

RAZETO, Luis. Los Caminos de la Economía de Solidaridad. Santiago: Vivarium, 1993.

 

REIS, C. C. Ação pedagógica escolar e popular em um contexto de aprendizagem por projetos de economia sociossolidária. 2015, 53 f. Trabalho de Conclusão de Curso. Faculdade de Educação e Linguagem (FAEL) -Licenciatura Plena em Pedagogia do Campo Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), campus de Sinop.

 

SÁ, R. N. “As contribuições de Dilthey para uma fundamentação hermenêutica das ciências humanas”. Boletim Interfaces da Psicologia, v. 2, p. 38-43, 2009.

 

SABOURIN,E.CamponesesdoBrasil,entreatrocamercantileareciprocidade.RiodeJaneiro:EditoraGaramondUniversitaria,Col.TerraMater,2009

 

SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA (SENAES).Atlas Digital da Economia Solidária. 2014. Disponível em:<atlas.sies.org.br>. Acesso em: out. 2016.

 

SILVA, M. M. Horta mandala: trabalho pedagógico e formação camponesa. 2015, 61 f. Trabalho de Conclusão de Curso. Faculdade de Educação e Linguagem (FAEL) -Licenciatura Plena em Pedagogia do Campo Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), campus de Sinop.

 

SILVA, S. P.; CARNEIRO, L. M. Os novos dados do mapeamento de economia solidária no Brasil: nota metodológica e análise das dimensões socioestruturais dos empreendimentos. Relatório de Pesquisa, Ipea, 2016. Disponível em: <http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/7410/1/RP_Os%20Novos%20dados%20do%20mapeamento%20de%20economia%20solid%C3%A1ria%20no%20Brasil_2016.pdf >. Acesso em ago./2018.

 

SINGER, P. Introdução à Economia Solidária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2002

 

SOUZA,M.I.de.DodesbravaraoCuidar:interdependênciastrabalhoeducaçãono/docampoeaAmazôniaMato-Grossense.2014.253f.Tese(Doutorado)ProgramadePós-GraduaçãoemEducação,FaculdadedeEducação,Porto Alegre: UniversidadeFederal doRioGrandedoSul,2014.

 

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-Ação. 18ª ed. São Paulo: Cortez, 2011

 

TURATTI,M.C.M.Osfilhosdalonapreta:identidadeecotidianoemacampamentosdoMST.SãoPaulo,Alameda,2005.

 

ZART, L. L. Socioeconomia Solidária. v. 2 n. 1. Cáceres: UNEMAT, 2013.

 

WEBER, Florence. “A entrevista, a pesquisa e o íntimo, ou: por que censurar seu diário de campo?” Horizontes Antropológicos. 32:157-170, jul./dez. 2009.

 

WOLF, Eric Robert. Sociedades Camponesas. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

 

WOORTMANN, K. “Com Parente Não se Neguceia”. O Campesinato Como Ordem Moral. InAnuário Antropológico 87. Brasília: Editora UnB; Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1987.

 

______. O Modo de Produção Doméstico em Duas Perspectivas: Chayanov e Sahlins. In: Série Antropologia, n. 293, Brasília: UnB/DAN, 2001. Disponível em: <http://www.dan.unb.br/images/doc/Serie293empdf.pdf> Acesso em: ago. 2016.