Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
A COPA DO MUNDO DE FUTEBOL DE 2014 E SUA AFETAÇÃO NOS MORADORES EM SITUAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE CUIABÁ - MT
Emiliano Peggion de Carvalho, Francisco Rodrigues Xavier Freire

Última alteração: 02-10-18

Resumo


Nessa pesquisa se procura vislumbrar como um megaevento como a Copa do Mundo de Futebol que ocorreu em diversas cidades do Brasil, e aqui mais especificamente na cidade de Cuiabá – Mato Grosso influenciou e assim permanece sobre a vida daqueles que são esquecidos.

Pretende-se fazer um remonte histórico brasileiro, buscando observar de que forma as desigualdades sociais foram-se construindo e formando a nação brasileira, adentrando as formas de governo e sistema econômico capitalista, para posteriormente se chegar a uma análise do que é e estar em situação de rua, para então mais tarde compreender como o megaevento da Copa do Mundo afetou esses moradores em situação de rua.

Àqueles que vivem em situação de rua, passam por dificuldades em níveis elevados, se tornando o lado mais periférico dos locais, criando para o senso comum marginalidade e usuários de drogas. Os investimentos na Copa do Mundo foram astronômicos, e a questão que se põe é relativo ao que poderia ser realizado com políticas públicas injetadas por essa verba, melhorando assim a vida de uma quantidade grande de pessoas que não possuem o mínimo de condições para a vida.

A situação de moradores em situação de rua não é recente, remontando aos primórdios do sistema econômico capitalista e necessariamente às revoluções liberais na França e na Inglaterra, com a consequente industrialização e urbanização, criando-se grandes centros e, por conseguinte, grandes periferias. Com o findar de um sistema, que tinha como base a servidão, parte desse indivíduos se dirige as ruas em busca de seu sustento, não havendo trabalho para todos, passaram a viver e trabalhar no meio da rua de forma literal.

No sistema econômico que surge, é inerente a exploração da força de trabalho daquele que não possui os meios de produção, e sendo a massa de trabalhadores superior as vagas que são disponibilizadas se cria um exercito de reserva que irá ficar ocioso e em determinados momentos e situações se encontrará em meio às ruas, tentando sobreviver e não somente viver.

Nessa perspectiva, as desigualdades são tidas como necessárias para que o sistema econômico se desenvolva, ou seja, há necessidade de que uma grande massa esteja à disposição para ocupar a vaga que fique ociosa, ocasionando também a desagregação dos trabalhadores como pares, assim como exposto por Marx, pois o salário é essencial para a vida desses trabalhadores.  De acordo com Marx (2009, p. 25) “o trabalhador não tem apenas de lutar pelos seus meios de vida físicos, ele tem de lutar pela aquisição de trabalho, isto é, pela possibilidade, pelos meios de poder efetivar sua atividade”, assim o trabalhador por diversas vezes se vê abandonado e acaba por procurar abrigo nas ruas, na qual tentará sobreviver e se sustentar.

A pesquisa pretender observar de que forma a Copa do Mundo de 2014 no município de Cuiabá – MT afetou e ainda afeta os moradores em situação de rua em seu âmbito social, econômico e espacial com possíveis resultados do aumento da desigualdade na cidade.


Palavras-chave


Desigualdade; Megaevento; Capitalismo

Referências


DE OLIVEIRA, Sávio Assis. ESCOLA E ESPORTE: CAMPOS PARA OCUPAR, RESISTIR E PRODUZIR. Pensar a Prática, [S.l.], v. 3, p. 19-35, nov. 2006. ISSN 1980-6183. Disponível em: <https://www.revistas.ufg.br/fef/article/view/26/2655>. Acesso em: 19 out. 2017. doi:https://doi.org/10.5216/rpp.v3i0.26.

 

DRUMOND, Maurício. Vargas, Perón e o esporte: propaganda política e a imagem da nação. Revista Estudos Históricos, v. 22, n. 44, p. 398-421, 2009.

 

FISCHER, R. M. B. O dispositivo pedagógico da mídia: modos de educar na (e pela) TV. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 151-162, jan./abr. 2002.

 

GASTALDO, Édison. “O país do futebol” mediatizado: mídia e Copa do Mundo no Brasil. Revista Sociologias, Porto Alegre, RS, ano 11, nº 22, julho/dezembro 2009.  ISSN on-line: 1807-0337. Disponível em: <http://www.seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/9651/5522>. Acesso em: 02 Out. 2017

 

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1999. _. A Identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva, Guacira Lopes Louro. 11ª. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

 

LIPPI, Bruno Gonçalves; SOUZA, Dirley Adriano de; NEIRA, Marcos Garcia. MÍDIA E FUTEBOL: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA PEDAGOGIA CRÍTICA. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, SC, v. 30, n. 1, set. 2008. ISSN 2179-3255. Disponível em: <http://www.oldarchive.rbceonline.org.br/index.php/RBCE/article/view/193/200>. Acesso em: 03 Out. 2017.

 

MARX, Karl. Trabalho estranhado e propriedade privada. Manuscritos Econômico-filosóficos. Jesus Ranieri (Trad.). São Paulo: Boitempo Editorial, 2009.

 

NOGUEIRA, Quéfren Weld Cardozo. ESPORTE, DESIGUALDADE, JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, SC, v. 33, n. 1, jul. 2011. ISSN 2179-3255. Disponível em: <http://www.oldarchive.rbceonline.org.br/index.php/RBCE/article/view/627/627>. Acesso em: 01 Out. 2017.

 

SIGOLI, Mário A.; JUNIOR, Dante de R. A história do uso político do esporte. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 12, n. 2, p. 111-120, 2008.