Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Crescimento inicial de plantas soja com aplicação de bioestimulantes via sulco de semeadura
Josilaine Gonçalves da Silva, Milton Ferreira de Moraes

Última alteração: 23-10-18

Resumo


Este trabalho teve como objetivo avaliar aplicação de fertilizantes e bioestimulantes na forma líquida, no sulco de semeadura, sobre o desenvolvimento inicial da soja. A pesquisa foi realizada em campo no município de Campo Verde-MT, com a cultivar NS 7490, em delineamento em blocos ao acaso, 4 repetições.  O tratamento de sementes (TS) foi realizado com inoculante+fungicida+inseticida recomendado para a soja. Foram avaliados sete tratamentos: (1) Testemunha (TS); (2) Magnésio (Mg) na dose 0,25 L ha-1; (3) Extrato de algas (Ascoplyllum nodosum) dose 3 L ha-1; (4) Hormônios vegetais sintéticos: cinetina + ácido indol-butírico + ácido giberélico dose 0,75 L ha-1; (5) Molibdênio + extrato de algas (Ecklonia máxima) + Mg + Cálcio (Ca) dose 0,25 + 0,40 + 0,8 L ha-1, respectivamente; (6) Mg + Ca dose 0,25 + 0,80 L ha-1, respectivamente; (7) Substâncias húmicas e fúlvicas, dose 3 L ha-1. Foram avaliados no estádio V5 a altura de plantas, massa da matéria seca da parte aérea, massa da matéria seca de raiz, e no estádio de florescimento pleno (R2) foi determinando a condutância estomática (Gs). Os dados foram submetidos à análise de variância e as médias dos tratamentos foram comparadas pelo teste de Scott-Knott (p<0,05). A aplicação Ca+Mg via sulco se destacou em relação aos demais tratamentos, apresentando valores de 18,50 cm, 3,20 g planta-1 e 1,76 g planta-1, respectivamente para as características de altura, massa da matéria seca da parte aérea e massa da matéria seca da raiz. Os menores valores de massa da matéria seca da raiz foram obtidos no tratamento com aplicação do regulador de crescimento (T4), sendo este valor (1,02 g planta-1) inferior aos demais pelo teste de Scott-Knott (p<0,05). Observou-se que para o tratamento onde não houve aplicação de fertilizante (T1), o valor de Gs foi baixo (207,22 mmol m-2 s-1), sendo este 55% inferior ao T6 (Ca+Mg), que apresentou o maior valor (379,91 mmol m-2 s-1). A média geral dos tratamentos para esse parâmetro foi de 297,49 mmol m-2 s-1. A aplicação de fertilizantes com Ca + Mg via sulco influenciou positivamente o desenvolvimento inicial das plantas de soja

Palavras-chave


Ascophyllum nodosum, ambiente radicular, substâncias húmicas

Referências


CASTRO, P.R.C.; VIEIRA, E.L. Aplicações de reguladores vegetais na agricultura tropical. Guaíba: Agropecuária, 2001. 132p.

DU JARDIN, P. Plant biostimulants: defnition, concept, main categories and regulation. SciHort 196:3–14. 201

SANTOS, V. M. dos; MELO, A. V. de; CARDOSO, D. P.; GONCALVES, A. H.; VARANDA, M. A. F.; TAUBINGER, M. Uso de bioestimulantes no crescimento de plantas de Zea mays L. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, Sete Lagoas, v. 12, n. 3, p. 307-318, 2014.