Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Caracterização Metalogenética do Depósito de Pb-Zn Ranchão, Zona interna da Faixa Paraguai, Mato Grosso, Brasil
Hugo Silva Souza

Última alteração: 26-10-18

Resumo


A área de estudo está inserida na zona interna da Faixa Paraguai, ao lado do granito São Vicente, está localizado aproximadamente 100 km da capital do estado de Mato Grosso Cuiabá, em direção à Rondonópolis. A área está inserida na fazenda Ranchão, na região entorno da Serra de São Vicente, Mato Grosso.

O trabalho abordará o mapeamento dos litotipos, gênese e o controle lito-estrutural das mineralizações com enfoque na análise dos veios mineralizados com maiores teores em Chumbo (Pb), Zinco (Zn) e outros minerais-minério associados.

Na área existem estudos iniciados por alguns técnicos e associados ao empreendimento, como furos de sondagem que dão uma maior noção e estrutura para trabalhar no mapeamento desses litotipos.

Na Faixa de Dobramentos Paraguai, foram individualizados por Almeida, 1984; Alvarenga, 1990; Alvarenga e Trompette, 1993, três domínios tectônicos dispostos lateralmente ao antepaís, denominados por Ruiz et al. (1999) como Domínio Tectônico das Coberturas de Antepaís, Domínio Tectônico Externo e Domínio Tectônico Interno.

O setor norte da Província Granítica, que aflora no estado de Mato Grosso, é constituído pelo Batólito São Vicente. Único que apresenta dados geocronológicos (HASUI e ALMEIDA, 1970), além de dados geoquímicos por Pinho et al. (1993) que, estudando amostras deste corpo, o caracterizaram como granito do tipo I, de mesozona, com colocação passiva, de composição variando de monzo a sienogranito, apresentando conteúdo de elementos traços compatível com ambiente intraplaca.

O chumbo é um metal cinzento, azulado brilhante, não elástico, mole, dúctil, maleável, trabalhável a frio, razoável condutor de calor e eletricidade, possui condutibilidade térmica, coeficiente de expansão térmica linear de 29x10-6/1°C, e aumento em volume de 6,1%. Peso específico 11,37, baixo ponto de fusão (327°C), peso atômico 207,2 e ponto de ebulição a 1.717°C, emitindo, antes desta temperatura, vapores tóxicos. Exibe retração linear na solidificação de 1 a 2,5% e alongamento de 31%.

O objetivo dessa dissertação é ter um maior entendimento das mineralizações de metais na baixada Cuiabana, tais como gênese e controle lito-estrutural do fluído mineralizante, controle estrutural, mapeamento lito-estrutural e comparação com outros depósitos espalhados pelo mundo, a fim de enquadrar nossa área de pesquisa em um modelo geológico conhecido.

Para dar início ao projeto, foi feito um levantamento de toda a bibliografia existente sobre o assunto, adotadas técnicas de mapeamento geológico, parâmetros para a identificação dos minerais.

Para Lâminas petrográficas delgadas, serão confeccionadas no Laboratório de Laminação da Fageo-UFMT.

Para a análise em microssonda eletrônica, será executado no laboratório da Universidade Federal de Goiás (UFG), entre os dias 22 ao dia 26 de outubro de 2018 em uma missão de aquisição de dados.

Para o tratamento dos dados e demais atividades será utilizada a estrutura da Fageo-UFMT

O conhecimento de novas jazidas de Pb e Zn, elevará o potencial econômico da região, assim como principalmente a contribuição científica que contribuirá para o conhecimento técnico do subsolo do estado de Mato Grosso.


Palavras-chave


Chumbo; depósito; Faixa Paraguai

Referências


Almeida, F. F. M., 1984. Província Tocantins, Setor Sudoeste. In.: ALMEIDA, Fernando Flávio Marques de & HASUI, Y. O Pré-cambriano do Brasil. São Paulo: Edgard Blucher, p.265-281.

Alvarenga, C. J. S. de, Trompette, R. (1993). Evolução Tectônica brasiliana da Faixa Paraguai: A estruturação da região de Cuiabá. Rev. Bras. Geoc., 32(4), 18-30.

Godoy, A. M., Ruiz, A. S., Manzano, J. C., Araújo-Ruiz, L. M. B. de, Souza, M. Z. A., Matos, J. B. (2005a). Padrão Geoquímico dos Granitóides Brasilianos da Faixa Paraguai no Estado de Mato Grosso. Congr. Bras. Geoq., 10 e Simp. Geoq. Países Mercosul, 2 , Bol., CD-Rom. Porto de Galinhas: SBGq.

Godoy, A. M., Ruiz, A. S., Manzano, J. C., Araújo-Ruiz, L. M. B. de, Souza, M. Z. A., Matos, J. B. (2005b). Litogeoquímica dos Granitóides Brasilianos Pós-Tectônicos do Mato Grosso Sul. Congr. Bras. Geoq., 10 e Simp. Geoq. Países Mercosul, 2, Bol., CD-Rom. SBGq.

Ruiz, A. S., Sousa, M. Z. A., Ruiz, L. M. B. A. (1999). A faixa de dobramentos Paraguai e os granitóides tardi-cinemáticos: uma caracterização preliminar dos granitóides Lajinha e Araguaiana no leste matogrossense. Simp. Geol. Amaz., 6, Anais, 307-10.SBG.

PINHO, F. E. C., 1990. Estudo das rochas encaixantes e veios mineralizados a ouro do Grupo Cuiabá, na região denominada “Garimpo dos Araés” Nova Xavantina, estado de Mato Grosso. Dissertação de Mestrado, Centro de Pesquisas em Geociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 114p.