Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
MUSEU DO CERRADO: ESPAÇO DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE BOTÂNICA
Michele Eidt Tognon, Patrícia Carla Oliveira

Última alteração: 09-10-18

Resumo


Considerando a necessidade de superação do atual cenário do ensino de botânica e a sua relevada importância para a compreensão dos fenômenos naturais e atendendo a demanda de um ensino voltado para a alfabetização científica, esse projeto propõe despertar o pensamento científico nos estudantes a partir de uma problematização botânica contemplada numa Sequência de Ensino Investigativa (SEI). Esta sequência se configura como o produto deste trabalho, sendo composta por 9 aulas com base na abordagem investigativa, explora o uso da Área de Preservação Permanente “Museu do Cerrado” como espaço alternativo de aprendizagem e tem uma problemática ambiental, a vulnerabilidade das áreas de preservação em áreas urbanas, como elemento desencadeador da seguinte investigação: a biodiversidade do “Museu do Cerrado” está sendo ameaçada pela presença de espécies invasoras? A SEI propõe aproximar os estudantes do método científico na medida em que os suscita a responder essa pergunta utilizando procedimentos próprios da ciência. A fim de “medir” a familiaridade dos alunos com o método científico antes de terem passado pela SEI foi realizada uma atividade com os estudantes participantes do projeto, 15 alunos de 3º ano do Ensino Médio da Escola Estadual Dom Bosco, localizada no município de Lucas do Rio Verde, Mato Grosso, que divididos em grupos foram desafiados a responder uma pergunta. De posse de alguns materiais os estudantes discutem entre si e planejam como resolveriam o problema lançado. A gravação e posterior transcrição desta atividade fornece dados que são analisados a partir dos indicadores de alfabetização científica proposta em referencial teórico. Essa mesma dinâmica se repetirá ao término da aplicação da SEI. Esse conjunto de testes feitos antes (pré-teste) e depois (pós-teste) do processo serão utilizados para medir se houve avanço, ou não, no processo de alfabetização científica. A análise estatística afim de detalhar o comportamento do objeto será o teste de Wilcoxon pareado. Os indicadores observados na primeira aplicação da atividade (Pré-teste) foram: seriação de informação, organização das informações, classificação das informações, raciocínio lógico, levantamento de hipótese, teste de hipóteses e previsão. O número de evocações dos indicadores entre as falas dos estudantes variou de 0 a 17. O indicador mais evocado foi o “teste de hipóteses” compondo 49% das falas, seguido do indicador “levantamento de hipóteses” compondo 22% das falas.  O projeto encontra-se em fase de aplicação da Sequência de Ensino. Serão apresentados no evento a Sequência de Ensino Investigativa e os resultados do Pré-teste.


Palavras-chave


Ensino; Botânica; Sequência de ensino investigativa; Alfabetização científica