Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
SIMILARIDADE FLORÍSTICA DA MATA CILIAR DE QUATRO RIBEIRÕES NA BACIA HIDROGRAFICA DO ALTO-MÉDIO TELES PIRES, EM SINOP - MT
JOÃO BATISTA DOS SANTOS JÚNIOR

Última alteração: 15-10-18

Resumo


Resumo

As matas ciliares são formações florestais que se encontram associadas aos corpos hidrícos e podem apresentar variações significativas na composição florística em decorrência das mais diversas interações. Estudos sobre a composição florística e a ecologia das matas ciliares são fundamentais não apenas para investigações botânicas e ecológicas, mas também como instrumentos subsidiadores para desenvolvimento e implantação de estratégias de preservação e conservação desses ecossistemas. O presente trabalho avaliou a composição e similaridade florística entre a mata ciliar de quatro ribeirões da bacia hidrográfica do Alto – Médio Teles Pires, no município de Sinop - Mato Grosso. Foi realizado o levantamento florístico, utilizando adaptação do metódo de “Observação direta e procura”. Na composição florística da mata ciliar do ribeirão Roquete, foram observadas 16 espécies, distribuidas em 15 generos e  16 famílias,  sendo as famílias Chrysobalanaceae (três  espécies e dois gêneros) a mais representativas. No ribeirão Curupi foram encontradas sete espécies, pertencentes a cinco gêneros e cinco familias, onde a familia Fabaceae, com 2 gêneros e 3 espécies foi a mais expressiva. No ribeirão Caldeirão foram encontrados sete espécies, pertencentes a seis gêneros e distribuidos em sete familias, onde a família Melastomataceae com 2 gêneros e duas espécies foi a mais representativa. Por vez, na região do ribeirão Índio Possesso foram encontradas 10 espécies, pertencentes a 10 gêneros e distribuidos em 10 famílias, não havendo dominância de nenhum família botânica. Do total de 35 espécies amostradas, apenas Conarus ruber (Poepp.) Planch, foi comum ao ribeirões Roquete, Índio Possesso e Curupi; Ocotea aciphylla (Nees & Mart.), foi comum ao ribeirão Caldeirão e Roquete. O valor do índice de similaridade de Sorensen entre o ribeirão Roquete e Índio Possessso foi de 0,08%. Entre Roquete e Curupi, Índio Possesso e Curupi, o índice de similaridade de Sorensen foi de 0,11%. A similaridade entre Índio Posesso e caldeirão, Curupi e Caldeirão, foi de 0%. Os padrões de similaridade florística evidenciaram baixa similaridade entre as áreas avaliadas evidenciando existência de padrões fitogeográficos baseados n a distribuição das espécies.

 

 

 

Palavras-chave: Botânica; Floresta de Transição; Riacho.


Palavras-chave


Botânica; Floresta de Transição; Riacho.

Referências


Ab’Sáber, A. N. No domínio da Amazônia brasileira / Brazil: the Amazonian domain. In: Mello Filho, L. E.; Monteiro, S. (Coord.). Amazonia: flora e fauna. Rio de Janeiro: Alumbramento, 1993, p. 43-51/ p. 53-61. [Republicado em

AB’SÁBER, A. N. Domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

Felfili, J.M., Felfili, M.C. Diversidade Alfa e Beta no cerrado sensu stricto da
Chapada Pratinha, Brasil. Acta Botanica Brasilica 15(2): 243-254, 2001.


Martins, E. R.; Lima, L.R; Cordeiro, I. Phyllanthus (Phyllanthaceae) no estado do Rio de Janeiro.Rodriguésia.vol.65, n.2, pp.405-424, 2014.


Felfili, J. M.; Silva Junior, M. C. 2005. Diversidade alfa e beta no cerrado sensu stricto, Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais e Bahia. Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, p. 141-154.

Teixeira, L.; Rosendo, J. S. 2004. A expansão da fronteira agrícola no norte do Mato Grosso: impactos sócio-ambientais da exploração madeireira. Sociedade & Natureza, 16: 71-79.

Troppmair, H. Biogeografia e meio ambiente. 8a ed. Rio Claro, São Paulo: Divisa. 2008.

Brackmann, C. E.; Freitas, E. M. de. Florística arbórea e arbustiva de um fragmento de Mata Ciliar do arroio Boa Vista Teutônia, RS, Brasil. Hoehnea, São Paulo, v.40, n. 2, p. 365-372, 2013.


Martins, S. V. 2011. Recuperação de Matas Ciliares. 2ª Ed. Viçosa: Editora Aprenda Fácil, 255

Primack, R.B.; Rodrigues, E. Biologia da Conservação. Londrina: Editora Planta, 2005. 327p.

WILSON, E.O. (Org). Biodiversidade. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 657p. 1997.