Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
POLÍTICA DE AVALIAÇÃO: O SAEM DE RONDONÓPOLIS-MT
Erliete da Silva Santos, Ivanete Rodrigues dos Santos

Última alteração: 20-10-18

Resumo


A questão da avaliação da educação tem se tornado objeto de nossas preocupações, principalmente ao que tange à continuidade de práticas avaliativas tradicionais e excludentes em um contexto de reformas educacionais e de redefinição do papel do Estado. Sob a égide das políticas neoliberais e a forma de regulação dos serviços educacionais, a avaliação adquire centralidade nas discussões, constituindo-se em um dos eixos da LDBEN n.º 9.394/96. Partindo dessas considerações, o estudo reside na seguinte indagação: Qual a lógica subjacente ao Sistema de Avaliação do Ensino Municipal – SAEM? Assim sendo, a presente pesquisa tem por objetivo analisar a política de avaliação da educação do município de Rondonópolis, a partir da concepção de avaliação subjacente ao Sistema de Avaliação do Ensino Municipal – SAEM. Buscamos, com a pesquisa Identificar os sentidos atribuídos à avaliação pelo SAEM; Analisar a concepção de avaliação subjacente ao SAEM e Discutir o uso dos resultados da avaliação por parte da Secretaria Municipal de Educação-SEMED. Trata-se de um estudo de cunho qualitativo, fundamentado nos pressupostos teórico-metodológicos do materialismo histórico dialético, desenvolvido por meio da análise documental e da entrevista semiestruturada. A perspectiva do método materialista histórico dialético nos permite ir além do que vemos, do aparente, dentro da totalidade, das contradições e mediações que utilizamos no decorrer da pesquisa, na tentativa de compreendermos a questão da avaliação educacional em um cenário marcado pelo ideário neoliberal. O estudo aponta para a necessidade de superação da concepção de avaliação baseada em mecanismos de controle e de mensuração de resultados por parte do estado avaliador, pois uma educação emancipadora requer políticas públicas educacionais que considerem as múltiplas interferências do contexto socioeconômico e cultural no processo educativo. O estudo vem apontando, ainda que parcialmente, que a proposta do SAEM foi pensada para o município de Rondonópolis-MT, a partir da concepção de uma educação humanizadora, buscando revelar por meio de suas práticas avaliativas o resgate da inclusão e a valorização do processo ensino aprendizagem dos estudantes, lógica esta adversa ao ideário neoliberal. Tal proposta, visando incluir a todos os sujeitos na ação educativa, busca valorizar suas necessidades formativas e promover a práxis humana, em um processo de ação-reflexão-ação. Ou seja, a política de avaliação revelada pelo SAEM se constitui em uma estratégia de acompanhamento do desenvolvimento permanente do educando, rompendo com a lógica classificatória e excludente, uma vez que assume um caráter investigativo, diagnóstico, contínuo e processual. Sendo assim, a avaliação é realizada em diferentes momentos, assumindo três principais funções: diagnóstica (inicial), formativa (medial) e somativa (final). A política do SAEM propõe ainda estratégias e instrumentos de acompanhamento das aprendizagens dos estudantes, como: observação diária do professor, registros no caderno de campo, testes escritos e trabalhos desafiadores, auto avaliação, relatórios descritivos, portfólio como ferramenta para o planejamento do professor, dentre outros.


Palavras-chave


Política Educacional; Avaliação Educacional; SAEM.

Referências


AFONSO, Almerindo Janela. Avaliação educacional: regulação e emancipação: para uma sociologia das políticas avaliativas contemporâneas. 4. Ed. – São Paulo: Cortez, 2009.

BALL, S, J. Diretrizes Políticas Globais e Relações Políticas Locais em Educação. Currículo sem Fronteiras, v. 1, n. 2, pp. 99 – 116 jul / dez 2001.

BALL, S, J. Profissionalismo, Gerencialismo e Performatividade, Cadernos de Pesquisa, v.35, n. 126, p. 539 – 564. set/dez. 2005.

BARBIER, J – M. La evaluación em los processos de formación. Barcelona: Paidós, 1993. IN: FREITAS, Luiz Carlos de. A avaliação e as reformas dos anos de 1990: novas formas de exclusão, velhas formas de subordinação, 2004. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br

BRASIL. Lei de diretrizes e bases nº 9.394, dez 1996. Diário Oficial da União. Brasília. V. 134, 248. 1996.

FERNANDES, D. Avaliação das aprendizagens: desafios às teorias, práticas e políticas. Lisboa/Portugal: Texto Editores, 2005.

FREITAS, Luiz Carlos de. A avaliação e as reformas dos anos de 1990: novas formas de exclusão, velhas formas de subordinação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 86, p. 137 – 170, out. 2004.

HOFLING, Eloisa de Mattos. Estado e Políticas (Públicas) Sociais. Cadernos Cedes, ano XXI, nº 55, novembro / 2001.

KONDER, Leandro. O que é dialética. São Paulo: Brasiliense, 2008.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. 3. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. 3 ed. V. I Civilização Brasileira, 1975.

PERRENOUD, Phillippe. A avaliação entre duas lógicas. IN: Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens entre duas lógicas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999, p. 09 – 23.

VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Avaliação: concepção dialética – libertadora do processo de avaliação escolar 11. Ed. São Paulo: Libertad, 2000.