Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
INDICADORES EMOCIONAIS MATERNOS E INTERRUPÇÃO PRECOCE DO ALEITAMENTO
Alessandra Messias de Almeida, Rosangela Kátia Sanches Mazzorana Ribeiro

Última alteração: 02-10-18

Resumo


O leite materno é reconhecido pelo campo científico e pelas entidades governamentais como alimento com propriedades nutricionais mais adequadas e importantes ao desenvolvimento saudável do bebê. A OMS e o MS recomendam o aleitamento materno exclusivo (AME) até o sexto mês de vida da criança e consideram como desmame precoce, a interrupção do aleitamento materno exclusivo antes desse período. O puerpério é um período difícil para muitas mulheres, cercado por mudanças hormonais intensas, alteração de rotina e alterações fisiológicas. Os entraves desse período podem provocar sofrimento psíquico, que dificultam o processo da amamentação. Os manuais de saúde mental descrevem o puerpério como um período de maior vulnerabilidade para a mulher, sendo muitas vezes nesse período que se iniciam quadros psicopatológicos, como a depressão pós parto, disforia puerperal e psicose puerperal. Dados da FIOCRUZ revelam que a depressão pós parto acomete mais de 25% das mães no Brasil. Apesar dos intensos esforços das entidades governamentais, por meio de campanhas pró aleitamento, os índices de prevalência do AME, estão abaixo do esperado. Alguns estudos atribuem este dado a perspectiva biologicista das equipes de saúde que enfatizam exclusivamente os benefícios nutricionais e desconsideram a dimensão subjetiva da amamentação. O presente trabalho terá como objetivo avaliar a influência do estado emocional materno no processo do aleitamento materno exclusivo, comparar se o estado emocional materno interfere na interrupção precoce do aleitamento materno exclusivo, identificar as possíveis dificuldades no processo da amamentação exclusiva, reavaliar a influência do estado emocional materno num período de 120 a 180 dias para confirmar a adesão ou interrupção precoce ao aleitamento materno exclusivo, e rastrear sinais de depressão puerperal.  O estudo será realizado no Ambulatório de Amamentação, vinculado ao Banco de Leite do Hospital Júlio Muller, da cidade de Cuiabá-MT, no período de outubro a dezembro de 2018 (primeira etapa da coleta de dados) e no período de abril a junho de 2019 (segunda etapa da coleta de dados). A pesquisa será conduzida com uma amostra de conveniência, de 30 mães, maiores de 18 anos, participantes do Programa de orientação e incentivo ao aleitamento materno, do Ambulatório de Amamentação. Para a coleta de dados serão utilizados os seguintes instrumentos: entrevista semi dirigida, aplicação do questionário sociodemográfico, teste HTP e Escala PHQ-9. Os dados serão analisados por etapas, no período de maio a setembro de 2019. Após análise de dados, pretende-se apresentar os resultados por meio de dissertação de mestrado, artigo científico e eventos acadêmicos.  Espera-se que os resultados possam ainda subsidiar o planejamento de ações voltadas a saúde mental materna, de modo a contribuir para a adesão ao aleitamento materno exclusivo.


Palavras-chave


Desmame precoce; aleitamento materno exclusivo; avaliação psicológica

Referências


FIOCRUZ, Fundação Osvaldo Cruz. Comunicação e informações, 2016. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/noticia/depressao-pos-parto-acomete-mais-de-25-das-maes-no-brasil. Acesso em: 03 jun. 2018.

RODRIGUES, N. A.; GOMES, A. C. G. Aleitamento materno: fatores determinantes do desmame precoce, 2014. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/enfermagemrevista/article/viewFile/12791/10009. Acesso em: 31 jul. 2018.

BOSI, M. L. M.; MACHADO, M. T. Amamentação: um resgate histórico, 2005. Disponível em: http://www.aleitamento.com.br/upload%5Carquivos%5Carquivo1_1688.pdf. Acesso em: 23 jul. 2018.

BRASIL – Ministério da Saúde. Saúde da criança: Nutrição infantil – Aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_aleitamento_materno_cab23.pdf. Acesso em: 28 jul. 2018

NAKANO, A. M. S. As vivências da amamentação para um grupo de mulheres: nos limites de ser “o corpo para o filho” e de ser “o corpo para si, 2003. Disponível em: http://www.ibfan.org.br/documentos/outras/VivenciasAMAnaMarciaNakano2003.pdf. Acesso em: 31 jul. 2018.

MARQUES, D. M.; PEREIRA, A. L. Amamentar: sempre benefícios, nem sempre prazer, 2010. Disponível em:             . Acesso em: 30 jul. 2018.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Oportunidades para os Recém-nascidos em Africa, 2007. Disponível em: http://www.who.int/pmnch/media/publications/opportunidades_port.pdf. Acesso em: 07 ago. 2018.