Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
“NO PAIN, NO GAIN” – O CORPO E A CULTURA FITNESS: REFLEXÕES SOBRE UM NOVO ESTILO DE VIDA
neuza costa, Juliana Abonizio

Última alteração: 23-10-18

Resumo


Proponho uma reflexão sociológica sobre o corpo modificado por técnicas esportivas, em específico, pela musculação e o crossfit dentro o que vem se convencionando chamar de cultura fitness, um  universo com valores específicos de belo e de saudável. Para atingir esse objetivo, realizei observação participante durante um ano em uma academia de musculação e em um Box de crossfit, entrevistei  praticantes de ambas as modalidades a fim de compreender  as motivações da prática física e das mudanças nos hábitos  referentes à rotina de vida e à alimentação, bem como a utilização de drogas, como os anabolizantes, para a conquista da forma corporal desejada .O corpo magro e musculoso vem sendo idealizado por um grupo de pessoas que buscam a noção de fitness como um marcador de um estilo de vida saudável e de valoração positiva através do transformação corporal por práticas físicas e esportivas. O fitness vem se consolidando como um campo de lutas que envolve várias instituições e agentes sociais, tais como  academias,  indústria dos suplementos alimentares, indústria farmacêutica e desenvolvimento de novas especialidades médicas, como a esportiva, bem como a valorização do nutricionista e do médico nutrólogo como difusores de novos discursos de saber e poder sobre o comportamento humano. Como resultado parcial, é possível perceber como os praticantes das modalidades estudadas passam a compartilhar crenças e valores sobre um determinado formato corporal e as práticas que possibilitarão atingir tal formato, especialmente no referente ao consumo alimentar, além dos exercícios físicos e consumo cirúrgico e medicamentoso.. A racionalização em termos dos alimentos supera a emoção, a vontade, o desejo e o potencial socializador da refeição. O comprometimento e foco do exercício físico, o controle da alimentação e a necessidade da ingestão de suplementos ou anabolizantes passam a conformar características das pessoas desse grupo, produzindo e reproduzindo novos símbolos, imaginário e representações do social. Assim, podemos falar de cultura fitness como um  estilo de vida pautado na dedicação do exercício físico voltado para modificação corporal, cujo formato obtido é considerado belo e também sinônimo de saúde. Estilo de vida este que requer novas práticas ascéticas e de gestão de si que evidenciam o contexto contemporâneo cada vez mais individualista e voltado mais para o consumo próprio e menos para práticas voltadas para o bem-comum e a política. Por tais características, esse estilo dee vida também leva a críticas que passam pelo discurso do exagero, futilidade, exibicionismo ou narcisismo. Por um lado, critica-se o fato de pessoas venerarem o corpo e aparência, mas, para além disso, tal estilo também pode  evidenciar a busca existencial do indivíduo pós-moderno, que, frustrado numa sociedade de consumo, encontra uma possibilidade de sentir controle, ao menos do próprio corpo, além de sucesso, auto-estima e estar bem no mundo.