Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
MIGRAÇÃO INTERNA DE TRABALHADORES NO ESTADO DE MATOGROSSO: UMA ANÁLISE DA MOBILIDADE INTERMUNICIPAL (2000 e 2017)
Emilene Martins Rodrigues

Última alteração: 25-10-18

Resumo


Este trabalho trata do estudo da migração interna de trabalhadores formais do estado de Mato Grosso compreendendo o intervalo de: 2000 a 2017. O objetivo principal é identificar os municípios que apresentam mobilidade espacial de trabalhadores formais no estado. Para isso utiliza-se o Índice de Eficácia Migratória (IEM) com base nos dados da RAIS-Migra. Estes dados são disponibilizados pelo Ministério do Emprego e Trabalho (MTE) e possibilitam o acompanhamento longitudinal dos trabalhadores formalmente empregados. Em seguida, a análise de correlação empreendida no estudo busca investigar as principais características das cidades que apresentam movimentação de mão de obra migrante, e ainda, através do uso de análise espacial buscou-se caracterizar as interações espaciais em relação a migração de trabalhadores. Serão usadas as técnicas de Índice de Eficácia Migratória, Análise de Correlação, Análise Exploratória de Dados Espaciais, Autocorrelação Espacial Global, Diagrama de Dispersão de Moran, Indicador Local de Associação Espacial, Matriz de Pesos Espaciais. A hipótese é que os municípios que apresentam maior dinamismo em seu crescimento econômico atraem mao de obra migrante, sengo que estes municípios vizinhos também sobrem interferência dos municípios vizinhos, isto é, um município de maior dinamismo econômico atrai mão de obra migrante também para o município vizinho.


Palavras-chave


Migração; Mobilidade Espacial; Eficácia Migratória; Mato Grosso.

Referências


[1] BAENINGER, R. Região, metrópole e interior: espaços ganhadores e espaços perdedores nas migrações recentes: Brasil. 1980-1996. [sn], 1999.

[2] RAVENSTEIN, E. G. As leis da migração. Migração interna: textos selecionados. Fortaleza: BNB, ETENE, p. 22–88, 1980.

[3] MINCER, J. Family migration decisions. Journal of political Economy, The University of Chicago Press, v. 86, n. 5, p. 749–773, 1978.

[4] TODARO, M. P. A migração da mão-de-obra e o desemprego urbano em países subdesenvolvidos. Migração interna, textos selecionados, p. 145–172, 1980.

[5] VIEIRA, E. A. MASSEY, Douglas S et al. Theories of international migration: A review and appraisal. Population and development review, JSTOR, p. 431–466, 1993.