Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
CONTEXTUALIZAÇÃO DA MATEMÁTICA: CONCEPÇÕES DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO
Leandro Henrique Ferreira, GLADYS DENISE WIELEWSKI

Última alteração: 07-10-18

Resumo


Este trabalho pretende analisar o que dizem professores do ensino médio sobre a contextualização no ensino de matemática. Para a concretização desse objetivo, a pesquisa buscou produzir dados, que permitam reconhecer as falas dos professores sobre contextualização da matemática. Surgiram como objetivos específicos: Caracterizar as concepções que professores do Ensino Médio expressam sobre contextualização no Ensino de Matemática; Identificar as relações referentes às concepções de contextualização presentes nos documentos oficiais, no Projeto Político Pedagógico Escolar e nos planejamentos dos professores; Identificar os desafios, dificuldades e facilidades que os professores do ensino médio apontam ao trabalhar a contextualização no ensino de matemática. A pergunta que permeou esse estudo foi: O que dizem professores do ensino médio sobre a contextualização no ensino de matemática? Buscou-se explicitar o que os professores do ensino médio dizem sobre contextualização, bem como embasar as compreensões sobre contextualização em Machado (2010), Maioli (2012), Macedo (2005), Spinelli (2011), nos documentos oficiais do MEC e artigos, dissertações de mestrado e teses de doutorado que envolvem a temática da contextualização da matemática no ensino médio. A metodologia utilizada foi de abordagem qualitativa, do tipo exploratória, de acordo com Gil (2002), Bogdan e Biklen (1994) e Fiorentini; Lorenzato (2012), em que buscou-se identificar nas falas de dois professores de matemática do ensino médio, um de uma escola pública estadual e o outro de um Campus do Instituto Federal do Estado de Mato Grosso, o que dizem sobre a contextualização do ensino de matemática. Como instrumentos de produção de dados foram utilizados questionários e entrevistas semiestruturadas, e análise de documentos, tais como planos de ensino, planos de aula e lista de exercícios utilizados pelos professores. Esses instrumentos foram essenciais para a compreensão das falas dos professores sobre contextualização. A análise dos dados foi organizada em três eixos temáticos: o primeiro eixo - as concepções dos professores sobre contextualização no ensino de matemática; o segundo eixo - as concepções de contextualização presentes no projeto político pedagógico e nos planejamentos dos professores; e o terceiro eixo - desafios, dificuldades e facilidades que os professores explicitaram sobre contextualização. A partir das informações obtidas podemos concluir, parcialmente, que a contextualização pode vir a ser um instrumento eficaz no ensino-aprendizagem de matemática e que há uma busca constante dos professores, por ações que levem seus alunos a uma melhor compreensão da matemática, não somente se referindo a aplicações cotidianas, mas também no aprendizado da matemática como ciência, partindo de situações mais simples as mais elaboradas, levando o aluno a se apropriar dos conhecimentos de modo a utiliza-los em diversas situações, tanto teóricas quanto práticas.