Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Desenvolvimento de cultivares de trigo sob estresse hídrico
DENISE CÉSAR SOARES, EDNA MARIA BONFIM-SILVA, TONNY JOSÉ ARAÚJO DA SILVA

Última alteração: 26-10-18

Resumo


O trigo (Triticum aestivum L.) é um dos cereais mais consumidos no Brasil, sendo uma das principais matérias-primas da indústria alimentícia no país. Tradicionalmente é cultivado na região Sul do país devido às condições edafoclimáticas favoráveis, no entanto, a produção de trigo no Brasil não é autossuficiente. Com o melhoramento genético e técnicas de manejo e irrigação, é possível o cultivo do trigo na região do Cerrado do Brasil Central, com significativo aumento no potencial da produção. Considerando o exposto, objetivou-se testar os efeitos das tensões de água no solo no desenvolvimento e produção de cultivares de trigo cultivado em Latossolo Vermelho distrófico do Cerrado mato-grossense. O experimento foi realizado na Universidade Federal do Mato Grosso, Campus de Rondonópolis, em casa de vegetação. Foi utilizado o delineamento experimental de blocos ao acaso, em esquema fatorial 3x5, com três cultivares de trigo (BRS 254, BRS 294 e BRS 264), e cinco disponibilidades hídricas (5, 15, 25, 35, 45 kPa), com quatro repetições, totalizando 60 unidades experimentais. A unidade experimental foi composta por vasos de polietileno com capacidade de 5 dm3. O manejo de irrigação foi realizado com auxílio de um tensímetro digital. Foram analisados o número de espigas por vaso aos 45 e 60 dias após emergência (DAE) e o Índice SPAD aos 30 e 60 (DAE). Os dados foram submetidos a análise de variância, a 5% de probabilidade, e quando significativo submetidos ao teste de Tukey e regressão utilizando o software SISVAR. O número de espigas foi influenciado de forma isolada pelas tensões de água no solo e pelas cultivares. As tensões de água no solo ajustaram-se ao modelo de regressão linear decrescente, havendo redução no número de espigas de 40,51% quando comparado os tratamentos 5KPa e 45KPa. A cultivares BRS 394 aos 45 (DAE) e BRS 264 aos 60 (DAE) proporcionaram o maior número de espigas 7,9 e 18,35 respectivamente. A cultivar BRS 254 apresentou o menor número de espigas (5,2 e 13,15), em ambas avaliações. Para o índice SPAD das plantas de trigo houve influência das tensões de água no solo e das cultivares isoladamente, onde as tensões demonstraram um comportamento linear crescente, havendo um incremento de 16,6 e 22,84% quando comparado a tensão de 5 KPa e a 45 KPa, respectivamente. Em relação às cultivares estudadas, houve significância apenas aos 30 DAE, na qual a cultivar BRS 264 destacou-se com o maior índice SPAD (54,04), contudo não se diferenciou estatisticamente da cultivar BRS 254. A cultivar BRS 394 apresentou o menor índice SPAD (52,02) semelhante, estatisticamente, a cultivar BRS 254. As disponibilidades hídricas e as cultivares influenciam isoladamente o desenvolvimento do trigo.


Palavras-chave


Triticum aestivum L., déficit hídrico, cultivares de trigo