Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Atos autobiográficos: o suplemento da coleção
Anaise Avila Severo

Última alteração: 18-10-18

Resumo


Este resumo, destinado a Mostra da Pós-Graduação, surge como recorte da pesquisa de mestrado Autobiografia Líquida, orientada pelo Prof. Dr. Henrique de Oliveira Lee. A substituição das metáforas conceituais de fronteiras estáticas por margens negociáveis ganha novas feições, ao passo que permite operar uma analise conceitual entre Jacques Derrida e Phillipp Blom. A partir da constituição de si, a pesquisa busca, por meio de oficinas de escritas autobiográficas, movimentar procedimentos de referências, afetos, singularidades e deslocamentos de textos autobiográficos. O ato autobiográfico é uma construção entre autor e leitor (LEJEUNE, 2008), no qual a intencionalidade de leitura e de escrita forma o gênero sem a necessidade de firmação de referencialidade. Logo, a afirmação de que tal espaço possa ser social, sugere a imagem do autor constantemente inserida em um ato autobiográfico de si. Quando a escrita autobiográfica ficcionaliza o autor, tornando-lhe também experenciável aos seus leitores, o eu autobiográfico pode revelar-se na qualidade de emoção compartilhada com o seu leitor, de maneira que a relação prestará-se afetiva. Assim, o leitor e o autor constituem-se no gesto autobiográfico. Também, atenta-se para os deslocamentos da realidade vivencial operarem uma desestruturação da autobiografia tradicional. Considerando a movimentação constante e em permanente mudança, opera a analise em que cabe a descentralização fluída à transição tanto individual quanto conjunta da elipse e da  espiral, permitindo se ler uma autobiografia enquanto coleção. Assim, o suplemento do signo tenta dar conta de tal aporia.


Palavras-chave


constituição de si; autobiografia; coleção; suplemento

Referências


BLOM, Philipp. Ter e manter: uma história íntima de colecionadores e coleções. (Trad. Berilo Vargas). Rio de Janeiro: Record, 2003.

DERRIDA, Jacques. Margens da filosofia. (Trad. Joaquim Torres Costa e Antônio M. Magalhães). Campinas: Papirus, 1991.

_____. A farmácia de Platão. (Trad. Rogério da Costa). São Paulo: Iluminuras, 2005.

LEJEUNE, Phillippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. (Trad. Jovita Noronha e Maria Ines Guedes). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008