Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
MUDANÇAS E INTENSIFICAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO NOS MUNICÍPIOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DOS RIOS CUIABÁ E SÃO LOURENÇO E SEUS DETERMINANTES MACROECONÔMICOS
Karen Francielli Alves Pereira Sallo

Última alteração: 26-10-18

Resumo


A produção agropecuária brasileira em especial no estado de Mato Grosso, é voltada para o mercado de commodities e possui importância significativa para a economia. Porém, causa transformações nas paisagens, e seus usos e ocupações exercem impactos diretos e indiretos sobre o meio ambiente, especialmente sobre os recursos hídricos. Nesse contexto, presente trabalho tem como objetivo identificar fatores macroeconômicos e suas relativas importâncias em contribuírem para as mudanças e intensificação do uso e ocupação da terra (UOT) nos municípios que pertencem a bacia hidrográfica dos rios Cuiabá e São Lourenço. Visa-se, através da análise de séries históricas da produção agropecuária (de 1980 a 2017) indicadores macroeconômicos e alterações das padrões espaço-temporais do UOT elucidar os processos de transformação ocorridos na bacia, subsidiando desta forma o desenvolvimento de possíveis cenários futuros do UOT em função de drivers econômicos nacionais e internacionais. É necessário entender o nível de relacionamento entre os mercados estadual, nacional e internacional, para compreender em que ponto as mudanças que ocorreram nas Bacias Hidrográficas dos Rios Cuiabá e São Lourenço (BCSL) foram influenciadas pelos fatores macroeconômicos. A escolha das culturas de algodão, cana-de-açúcar, soja e milho para análise, foi resultado do entendimento de que elas estão hoje entre as principais commodities produzidas no Brasil e no estado de Mato Grosso em larga escala. Na produção animal, no caso bovina é devido a demanda por grandes extensões de áreas para pastagens, e na produção de aves e suínos por causa da quantidade de insumos utilizada para alimentação destes animais, principalmente o milho. Nos últimos a demanda por esses produtos aumentou em função do aumento da população mundial, do aumento dos produtos derivados desses alimentos, e também do aumento na produção animal. Cada vez mais as commodities são vistas como objetos ativos de aplicações financeiras, principalmente a partir do ano 2000 onde passaram a ter mais importância nos mercados financeiros, impulsionado pelas bolsas de mercadorias, sendo os preços determinados antes mesmo da colheita. Os resultados preliminares apontam que o aumento ou diminuição da produção está relacionado com a área, no sentido que quando há aumento de produção há também um aumento da área, ou seja, esse fato pode sugerir que não houve um aumento da produtividade. Também sinalizam uma relação direta entre a quantidade da produção com a questão dos preços de comercialização desses produtos. Estando Mato Grosso em um contexto onde o agronegócio apresenta-se como principal fonte de renda para o estado, entender o relacionamento mercadológico se mostra necessário, para assim, entender as dinâmicas que podem vir a ser alteradas, e consequentemente poder desenvolver ações que visem o bem-estar social, ambiental e econômico.

Palavras-chave


Macroeconomia; Produção Agropecuária; Atividades socioeconômicas, Uso e ocupação da terra; Bacia Hidrográfica

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA. O comitê de Bacias Hidrográficas: o que é e o que faz? Brasília: SAG, 2011.

ALBERGONI, Leide; PELAEZ, Victor. Da Revolução Verde à agro biotecnologia: rupturas ou continuidade de paradigmas? Revista de Economia, v.33, n.1, p. 31-53, jan/jun. 2007. Editora UFPR.

BACHA, Carlos José Caetano. Macroeconomia aplicada à análise da economia brasileira. São Paulo: Editora as Universidade de São Paulo, 2004.

BACHA, C. J. C. Economia e política agrícola no Brasil. São Paulo: Atlas, 2004.

BARROS, G. S. C.; SILVA, S. F. O saldo comercial do agronegócio e o crescimento da economia brasileira. CEPEA-ESALQ/USP, São Paulo, jan. 2004.

BUAINAIN, A. M.; RELLO, F. Políticas agrícolas e políticas macroeconômicas: manual didático. Tradução livre, revisada e ampliada, do documento Food and Agriculture Organization of the United Nations – FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura). Políticas agrícolas e políticas macroeconômicas na América Latina, Estudio FAO de Desarrollo Económico y Social 108, Roma, 1992. Campinas, 1998.

CASTRO, J. R. As commodities e seu impacto na economia do Brasil. Jornal Nexo, 2016. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/explicado/2016/03/31/As-commodities-e-seu-impacto-na-economia-do-Brasil. Acesso em 02 Fev. 2018.

COELHO NETO, A. L. Hidrologia da encosta na interface com a Geomorfologia. In: GUERRA, A. T. Dicionário Geológico - Geomorfológico. Rio de Janeiro: Tex Editora, 1999.

COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS. Disponível em: <http://www.cbh.gov.br/DataGrid/GridMatoGrosso.aspx>. Acesso em Ago. 2018.

GASQUES, J. G. ; REZENDE, G. C. ; VERDE, C. M. V. ; SALERMO, M. S. ; CONCEIÇÃO, J. C. P. R.; CARVALHO, J. C. S. Desempenho e crescimento do agronegócio no Brasil. IPEA, Brasília, fevereiro de 2004. (Texto para Discussão nº 1009).

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo agropecuário 2017. Disponível em: <https://censos.ibge.gov.br/agro/2017/templates/censo_agro/resultadosagro/agricultura.html?localidade=0&tema=76510>. Acesso em 10 Set. 2018.

LOBATO, A. S; CARVALHO, D. R; SILVA, M. A; BRITO, M. S. S. A formação histórico territorial do Mato Grosso, as transformações e impactos decorrentes da expansão da soja. Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Geografia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, v. 4, 2010.

MATO GROSSO. Economia. 2015. Disponível em: http://www.mt.gov.br/economia. Acesso em 11 Set. 2018.

NETO, Mario Diniz de Araújo; LEITE, Cristina Maria Costa. Mato Grosso e a região Centro-Oeste. In: MORENO, Gislaine; HIGA, Tereza Cristina Souza; MAITELLI, Gilda Tomasini. Geografia de Mato Grosso: Seleção de conteúdo para Concurso Público do governo de Mato Grosso. Cuiabá: Entrelinhas, 2009.

PENTEADO, M. M. Fundamentos de Geomorfologia. 3 ed. Rio de Janeiro, IBGE, 1980.

REBOUÇAS tá no livro águas do brasil

SERIGATI, FELIPPE. A macroeconomia da agricultura. Agroanalysis, Janeiro, 2013. 15-16 p.

SIQUEIRA, E. M. História de Mato Grosso: Seleção de conteúdo para o Concurso Público do governo de Mato Grosso. Cuiabá: Entrelinhas, 2009.

TUNDISI, J. G; TUNDIDI, T. M; TUNDISI, J. E. M. Bacias hidrográficas como unidades de conservação e gerenciamento: bacias-reserva. In: BARBOSA, F. (org.). Ângulos da água: desafios da integração. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2008.

TURETTA, A. P. D. Mudanças de uso em bacias hidrográficas. Embrapa Solos, 1ª ed.  Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: <http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/ item/87953/1/DOC-139-Mudancas-Uso-Terra-BH.pdf>.

VIEIRA JUNIOR, P. A.; FIGUEIREDO, E. V. C.; REIS, J. C. dos. Alcance e limites da agricultura para o desenvolvimento regional: o caso de Mato Grosso. In: BUAINAIN, A. M.; ALVES, E.; SILVEIRA, J. M. da; NAVARRO, Z. (Ed.). O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília, DF: Embrapa, 2014.

YASSUDA, E. R. Gestão de recursos hídricos: fundamentos e aspectos institucionais. Rev. Adm. Púb., v.27, n.2, p.5-18, 1993. Disponível em: < http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/viewFile/8663/7394>.