Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
O Coeficiente de Correlação de Spearman em um Ciclo Anual da Qualidade do Ar e dos Parâmetros Meteorológicos na Cidade de Cuiabá - MT
Levi Pires Andrade, Marta Cristina de Jesus Albuquerque Nogueira

Última alteração: 23-10-18

Resumo


O município de Cuiabá teve um processo de urbanização acentuado nas últimas décadas e com isto a decorrência de vários problemas ambientais, dentre eles a redução na qualidade do ar. A urbanização acarretou um aumento acentuado no número de habitantes e no número de veículos e os níveis de concentração de material particulado têm ultrapassado os limites toleráveis recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), cujo máximo recomendado é PAR = 25 μg.m-3. Este estudo utiliza dados meteorológicos e dados referentes às concentrações de poluentes atmosféricos, material particulado MP 2,5 (Material Particulado de diâmetro menor que ) e monóxido de carbono, obtidos em um ciclo anual,no período de 01/08/2017 à 31/07/2018, para descrever estatisticamente as variáveis meteorológicas: Temperatura do Ar, Umidade Relativa do Ar, Radiação Solar, Velocidade do Vento, e as variáveis referentes às concentrações de material particulado e monóxido de carbono. A aplicação da Estatística Descritiva, a Análise de Correlação não paramétrica e os testes de comparação de postos médios, entre os meses do período quente e seco e os meses do período quente e úmido, mostram que há uma correlação entre a concentração de material particulado, e a velocidade do vento, uma relação inversa, com R = - 0,391,e uma correlação entre as concentrações de material particulado e monóxido de carbono, uma relação direta com R = 0,493. E também, uma correlação entre a concentração de monóxido de carbono e velocidade do vento, uma relação inversa com R= -0,194. A comparação do conjunto de dados, por estatística não paramétrica, com o conjunto de dados separados segundo as características meteorológicas, período seco e período úmido, são diferentes no que se refere à concentração do material particulado (PAR) e não apresentam diferença estatisticamente significativa no que se a concentração de monóxido de carbono (CO). No período quente e seco PAR = 107,06 μg.m-3 e período quente e úmido PAR = 92,70 μg.m-3,  quanto a concentração de monóxido de carbono (CO): período quente e seco CO = 0,37838 ppm e período quente e úmido CO = 0,36768 ppm. Assim o estudo mostra que a qualidade do ar em Cuiabá é inadequada apresentando concentrações de material particulado acima dos limites indicados pela OMS, sendo as concentrações mais acentuadas no período quente e seco e que há uma correlação entre as variáveis meteorológicas e a qualidade do ar, em especial com a velocidade do vento que atua como fator de dispersão de poluentes a nível local.

Palavras-chave


Urbanização, Qualidade do Ar, Poluentes Atmosféricos, Variáveis Meteorológicas, Correlação de Spearman

Referências


 

 

 

 

DERÍSIO, J. C. (2012) Introdução ao Controle de Poluição Ambiental. São Paulo: Ed. Oficina de Textos.

 

GALINDO, N., VAREA, M., GIL-MOLTÓ, J., YUBERO, E., NICOLÁS, J. (2011) The Influence of Meteorology on Particulate Matter Concentrations at an Urban Mediterranean Location. Water Air Soil Pollution.

 

GOTELLI, NICHOLAS J.; ELLISON, AARON M. (2011) Princípios de estatística em ecologia em estatística. Porto Alegre: Artmed.

 

HAIR, J. F. et al. (2009) Análise Multivariada de Dados. 6ª. ed. Porto Alegre.

 

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Site: www.ibge.gov.br, Consulta feita em Dezembro de 2017.

 

INMET, Instituto Nacional de Meteorologia, Consulta feita em Dezembro de 2017.

 

LEAL, L. (2012) A influência da vegetação no clima urbano da cidade de Curitiba – PR. 172 p. Tese (Doutorado em Ciências Agrárias), Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

 

LUVSAN, M-E., SHIE, R-H., PUREVDORJ, T., BADARCH, L., BALDORJ, B., CHAN, C-C. (2012) The Influence of Emission Sources and Meteorological Conditions on SO2 Pollution in Mongolia. Atmospheric Environment.

 

MEDONÇA, F. A., CASTELHANO, F. J. (2016) O Clima e a Poluição por PTS em Curitiba - PR. Revista do Departamento de Geografia da USP.

 

MINISTÉRIO DAS CIDADES, Departamento Nacional de Trânsito – DENATRAN. Site:  www.cidades.gov.br, Consulta feita em Julho de 2017.

 

NOVAIS, J. W. Z., SANCHES, L., SILVA, L. B., MACHADO, N. G., AQUINO, A. M., PINTO JUNIOR, O. B. (2016) Albedo do solo em área inundável de Vochysia divergensPohl no Norte do Pantanal. Revista Brasileira de Meteorologia. Aceito para Publicação. 2016.

 

PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ – MT. Anuário Estatístico de Cuiabá, Volume IV, 2012.

 

SEMA – MT, Secretaria de Meio Ambiente do Estado de Mato Grosso. Site : www.sema.mt.gov.br. Consultas em Outubro, Novembro e Dezembro de 2017.

 

UEDA, A. C. EDSON, T. (2011) Inventário de Emissão de Fontes Veiculares da Região Metropolitana de Campinas, São Paulo. Campinas – SP. Revista Química Nova.

 

WHO, Organización Mundial de La Salud. Reglamento Sanitario Internacional, Segunda Edición, 2005.

 

WHO, World Health Organizacion. Air Quality Guidelines, 2005.