Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
POLÍTICAS PÚBLICAS E RACISMO: O MOVIMENTO NEGRO E O PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RONDONÓPOLIS-MT
FRANCYSLENE PEREIRA NEVES

Última alteração: 20-10-18

Resumo


A presente pesquisa analisa a contribuição do Movimento Negro de Rondonópolis -MT na luta por políticas educacionais para a superação do racismo por meio de uma Educação Étnico Racial. O processo de investigação orienta-se por uma perspectiva metodológica qualitativa, fundamentada no materialismo histórico e dialético, que utiliza como instrumento de coleta de dados entrevistas, narrativas e análise documental. A pesquisa tem por objetivo analisar a contribuição do Movimento Negro na luta por políticas educacionais para a superação do racismo através da formulação do Plano Municipal de Educação de Rondonópolis.  Os caminhos dos referenciais fundamentam-se nos campos de estudos da perspectiva histórica do Movimento Negro Brasileiro, suas lutas e conquistas para uma Educação Étnico Racial, da Ideologia da Democracia Racial e nas políticas públicas educacionais. O movimento negro de Rondonópolis existe há mais de duas décadas, sua proposta inicial era atuar na formação dos professores da rede pública municipal e estadual, numa perspectiva anti-racista, buscando combater e desconstruir a educação etnocêntrica e eurocêntrica presentes na formação e na vida em sociedade. A análise deste trabalho aponta que a contribuição do Movimento Negro tem relevante papel sobre as Políticas Educacionais implementadas de superação do racismo na educação e revela um mito de democracia racial existente na educação brasileira, pois esta não é um campo neutro. Por isso, a pesquisa mostra-se importante para a reflexão acerca dessas contradições que ainda hoje fazem parte do  contexto educacional por conta de teorias racistas do final do século XIX e início do século XX, legitimando o racismo no imaginário social e nas práticas sociais. Nesse sentido, o Movimento Negro de Rondonópolis tem assumido práticas significativas que contribuem para a inclusão dos negros na sociedade, como: o cursinho pré-vestibular gratuito para pessoas carentes, o Jornal Quilombos, Semana Zumbi dos Palmares, Semana da Abolição e Domingo Negro. Com essas ações na educação, o movimento citado está em luta por uma educação antirracista, combatendo o mito da democracia racial.


Palavras-chave


Movimento Negro; Educação Étnico Racial; Políticas Educacionais.

Referências


ABRAHÃO ,Maria Helena Menna Barreto. A Aventura (auto)biográfica: teoria e empiria.EdiPUCRS, 2004.

ANDERY, Maria Amália Pie Abib ET AL. Para Compreender a Ciência: uma Perspectiva Histórica. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, São Paulo: EDUC, 2002.

 

BRASIL. Lei nª 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Diário Oficial da União de 10 de janeiro de 2003.

 

CAVALLEIRO, Eliane dos Santos. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceito e discriminação na educação infantil. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2011.

 

FERNANDES, Florestan. Significado do Protesto Negro. São Paulo: Expressão Popular co-edição Fundação Perseu Abramo, 2017.

 

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e a crise do capitalismo real. 4.ed. São Paulo: Cortez, 2000.

GIL, Antonio Carlos.Métodos e técnicas de pesquisa social.  6. ed. - São Paulo : Atlas, 2008.

 

GOMES, Nilma Lino. Diversidade étnico-racial, inclusão e equidade na educação brasileira: desafios, políticas e práticas. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação - Periódico científico editado pela ANPA, v. 27, n. 1, abr. 2011.p.109-121

 

______. O movimento negro no Brasil: ausências, emergências e a produção dos saberes. Revista Política & Sociedade, Revista do Programa de Pós-graduação em Sociologia política, Universidade do Sul de Santa Catarina (UFSC).  Florianópolis - SC: 2011, v10, n18, p133. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/rbpae/article/view/19971. Acesso em: 07 jul. 2017.

________. A contribuição dos negros para o pensamento educacional brasileiro. In: Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva; Lúcia Maria de Assunção Barbosa. (Org.). O pensamento negro em educação no Brasil. São Carlos: EDUFSCAR, 1997, v. , p. 12-16.

 

 

GORENDER, Jacob. A escravidão reabilitada. São Paulo: Expressão Popular, Fundação Perseu Abramo.2016.

 

KRAMER, Sonia. Linguagem e História: o papel da narrativa e da escrita na constituição de sujeitos sociais. In: Teoria e educação no labirinto do capital. Gaudêncio Frigotto e Maria Ciavatta (org.). 4. Ed.São Paulo: Expressão Popular, 2016.

 

LEITÃO, Leonardo Rafael Santos; SILVA, Marcelo Kunrath.   Institucionalização e contestação: as lutas do Movimento Negro no Brasil (1970-1990). Política & Sociedade - Florianópolis - Vol. 16 - Nº 37 - Set./Dez. de 2017. p. 315-347.

 

LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

 

MENDONÇA, Ana Paula Fernandes de. Pedagogias antirracistas: tensões e possibilidades de caminhos em construção. Dissertação – Universidade Federal de Viçosa (UFV), Viçosa: 2011.

 

MINAYO, Maria Cecília de Souza. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

 

MOURA, Clóvis. Dialética Radical do Brasil Negro. São Paulo: Fundação Maurício Grabois Co-edição com Anita Garibaldi, 2014.

 

MUNANGA, Kabengele. Superando o racismo na escola. 2ª edição revisada. Brasília: Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade – Brasília: MEC/SECAD, 2005.

 

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia: : teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre a educação política. 19.ª ed. Vol. 5. Campinas, São Paulo: Autores Associados: Cortez,1987. 96 p. (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo).

 

SILVA, Inayá Bittencourt e. O racismo silencioso na escola pública. São Paulo: Junqueira & Marin/UNIARA, 2009.

 

SODRÉ, Nelson Werneck . Capitalismo e Revolução Burguesa no Brasil. Belo Horizonte: Graphia, 1997.