Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
A PEREGRINAÇÃO INVENTIVA DA VIOLA DE COCHO: O LIMIAR ENTRE A TRADIÇÃO E O CONTEMPORÂNEO
Sidnei Moura Duarte, Patrícia Silva Osório

Última alteração: 04-10-18

Resumo


Usada em folguedos populares tradicionais (siriri e cururu), bem como em festas religiosas (festas de São Gonçalo e ladainhas), a viola de cocho, um instrumento de sonoridade e forma sui generis nativa da região da bacia do rio Paraguai, vem com o passar dos anos se adaptando às novas tecnologias – madeiras não usuais, encordoamentos industrializados, captadores eletromagnéticos – e estilos musicais diferentes, como por exemplo: a viola rock, tocada com a guitarra de cocho elétrica inventada pelo músico Caio Espíndola; a viola de concerto, executada pelo naipe de violas de cocho da Orquestra do Estado de Mato Grosso, que tocam clássicos do repertório mundial adaptadas para esse instrumento. Hoje podemos ouvir trilhas de filmes e gravações de cd com a viola de cocho de clássicos da música popular brasileira, choros e standard de jazz, como também, ao vivo em locais que vai além das festas tradicionais: teatros e palcos com enormes equipamentos de áudio. Há sem dúvida, uma nova prática, novos fazeres que lhe conferem novos sentidos. Diante deste quadro, vejo uma certa urgência em trazer para a nossa compreensão uma abordagem que englobe os diferentes fazeres, que traduza, que revele esses novos sentidos, que proponha uma noção do novo que a sintonize com a estética híbrida. Faz-se necessário uma pesquisa que leve em conta os fazeres tradicionais e os novos fazeres vertentes. O objetivo é ouvir as novas vozes, a dos tocadores e cantadores, tanto da tradição, quanto os contemporâneos, dar continuidade às valiosas pesquisas feitas anteriormente pelos estudiosos Julieta de Andrade (1981), Abel Santos Anjos Filho (1993), Roberto Corrêa (1988). Por fim, pretendo analisar as obras de alguns artistas que adotaram esse instrumento, músicos que a reinventaram esteticamente e no imaginário social: a Sinfonia Pantaneira de Abel Anjos; Sinfonia nativa do rio Paraguai de Guapo;  a nova forma de fazer a viola, como faz o luthier Braz da viola; as gravação de viola no cd da cantora Vera Capilé; ouvir os membros dos novos grupos de siriri e cururu, os herdeiros da técnica de fazer a viola de cocho, os cururueiros tradicionais da baixada cuiabana; descrever a minha experiência de percorrer todos os estado brasileiros no circuito Sesc Sonora Brasil com a viola de cocho; catalogar os concertos e as gravações feitas pela Orquestra do Estado de Mato Grosso – os solos e acompanhamento com  Yamandú Costa, Vittor Santos, Carlos Corrales, Marcos César, Renato Teixeira, Ivan Vilela e Roberto Corrêa.


Palavras-chave


viola de cocho; modos de fazer artísticos; hibridismo cultural.

Referências


ABEL FILHO, A. S. VIOLA-DE-COCHO - Novas Perspectivas. 1a. ed. Cuiabá/MT: EdUFMT, 1993. v. 01. 99p.

ABEL FILHO, A. S. Uma Melodia Histórica. 1a. ed. Cuiabá/MT: Edição do autor, 2002. v. 01. 172p .

ANDRADE, Julieta de. Cocho mato-grossense: um alaúde brasileiro. São Paulo: Escola de folclore - Editorial Livramento, 1981

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: EDUSP, 1997.

CORRÊA, Roberto. Viola caipira: das práticas populares à escritura da arte. São Paulo: USP, 2014. Tese (Doutorado em musicologia), Escola de comunicação e artes, Universidade de São Paulo, 2014.

DUARTE, Sidnei Moura. Percursos da música: múltiplos conceitos de educação / Cássia Virgínia Coelho de Souza (org.). Cuiabá, p. 131-163, 2013.