Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Qualidade de pisos comerciais confeccionados com madeiras tropicais
Ana Carolina Costa, Aylson Costa Oliveira, Bárbara Luísa Corradi Pereira

Última alteração: 08-10-18

Resumo


Os pisos de madeira maciça são utilizados em ambientes residenciais, comerciais e industriais, tornando-se material demandado e muito apreciado. É necessário avaliar as características dos pisos, seu comportamento em uso e propor a sua utilização adequada. Isso pode significar um diferencial no mercado, tanto para agregar valor ao produto final como para garantir qualidade ao consumidor. Neste contexto, a realização de ensaios que simulem a utilização em serviço é uma forma de garantir a qualidade. O objetivo geral deste trabalho foi determinar o comportamento em serviço de pisos confeccionados com madeiras de cinco espécies tropicais: Dipterxy odorata – Cumaru, Tabebuia – Ipê, Hymenaea courbaril – Jatobá, Astronium lecointei – Muiracatiara e Bowdichia virgilioides – Sucupira-preta, e verificar se os pisos dessas espécies, que estão entre as mais comercializadas, possuem qualidade elevada. As amostras de pisos utilizadas para a realização deste estudo foram fornecidas pela empresa Brasil Tropical Pisos, localizada na cidade de Alta Floresta, Mato Grosso. Realizou-se a caracterização colorimétrica e determinou-se a densidade básica dos pisos. Para simular o comportamento de pisos em serviço, foram realizados os ensaios de: impacto da esfera de aço cadente, atrito estático e dinâmico, endentação causada por cargas aplicadas em pequenas áreas, carga rolante e abrasividade. O experimento foi instalado segundo um delineamento inteiramente casualizado, com cinco tratamentos (espécies), e 50 repetições (peças de pisos), totalizando 250 unidades amostrais. Os resultados foram submetidos à análise de variância e quando estabelecidas diferenças significativas entre eles, aplicou-se o teste de Tukey em nível de 5% de significância. As análises estatísticas foram realizadas com o auxílio do Software R-3.5.1. De acordo com os resultados colorimétricos obtidos, a madeira das espécies Cumaru e Sucupira-preta foram classificadas como marrom-claro, Muiracatiara foi caracterizada como rosa, Jatobá enquadrou-se em duas classes, rosa e amarelo-amarronzado e a cor da madeira de Ipê foi caracterizada como oliva. Quanto a densidade básica, as madeiras de Cumaru, Ipê e Jatobá foram classificadas como pesadas, e as madeiras de Muiracatiara e Sucupira-preta moderadamente pesadas. Para o ensaio de impacto da esfera de aço, os resultados médios variaram de 0,184 a 0,468 mm; no ensaio de atrito estático e dinâmico de 0,130 a 0,622; no ensaio de endentação causada por cargas aplicadas em pequenas áreas de 0,012 a 0,043 mm; no ensaio de carga rolante de 0,034 a 0,246 mm e no ensaio de abrasividade de 0,096 a 0,200 mm. De acordo com os resultados obtidos para os ensaios de simulação do comportamento de pisos em serviço, conclui-se que: Cumaru e Ipê enquadram-se na classe de qualidade alta, Jatobá e Sucupira-preta na classe de qualidade intermediária e Muiracatiara na classe de qualidade baixa.


Palavras-chave


pisos de madeira maciça; ensaios de simulação de uso

Referências


AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS - ASTM. ASTM – D 2394–05 Simulated service testing of wood and wood-base finish flooring, Annual book of  ASTM standards, 2011.

 

ANDRADE, A. de. A certificação como estratégia para a melhoria da qualidade de pisos de madeira. 2014. 127 f. Tese (Doutorado) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba – SP.

 

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MADEIRA PROCESSADA MECANICAMENTE - ABIMCI. Estudo setorial 2016 ano base 2015. Curitiba, 2016. 142 p.

 

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. NBR 15798: Pisos de Madeira – Terminologia. 10 p., Rio de Janeiro, 2010.

 

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PRODUTORES DE PISOS DE MADEIRA - ANPM. Guia básico para instalação de pisos de madeira. – 2 ed. Piracicaba: ANPM, 2015a. 104p.

 

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PRODUTORES DE PISOS DE MADEIRA - ANPM. Pisos de madeira: características de espécies brasileiras. Piracicaba: ANPM, 2015. 184p.

 

BARROS, S. V. dos S.; MUNIZ, G. I. B. de; MATOS, J. L. M. de. Caracterização colorimétrica das madeiras de três espécies da Amazônia. Cerne, v.20, n.3, p.337-342, 2014. doi: 10.1590/01047760201420031421.

 

BASSO, S.; ZINELLI, M. R.; JESUS, M. de; MARQUES, M. de C. P.; SCHONINGER, E. C. Análise do processo de secagem de Jatobá  (Hymenaea courbaril l.) e Muiracatiara (Astronium lecointei ducke)  para a produção de pisos em uma  empresa no município de Alta Floresta – MT. Cadernos de Cultura e Ciência, Crato – CE, v.16, n.1, Jun. 2017.

 

BLANCO-FLÓREZ, J.; SILVA, J. R. M.; BRAGA, P. P. de C.; LIMA, J. T.; TRUGILHO, P.F. Simulação em serviço de pisos de madeira jovem de Tectona grandis. Revista Matéria, v.20, n.4, p. 1048-1060, 2015.

 

CAMARGOS, J. A.; GONÇALEZ, J. C. A colorimetria aplicada como instrumento na elaboração de uma tabela de cores de madeira. Brasil Florestal, nº 71, Set. 2001.

 

ESTUQUI FILHO, C. A. A durabilidade da madeira na arquitetura sob os fatores naturais: estudo de casos em Brasília. 2006. 148 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Programa de Pós-Graduação da FAU, Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

 

FREDONIA GROUP. Wood & competitive decking. Disponível em: <http://www.freedoniagroup.com/industry-study/2959/ wood-and-competitivedecking.htm>. Acesso em 6 maio. 2018.

 

JANKOWSKY, I. P.; LUIZ, M. G.; ANDRADE, A. de. Pisos de madeira maciça: agregando valor e qualidade ao produto. In: ENCONTRO BRASILEIRO EM MADEIRAS E EM ESTRUTURAS DE MADEIRA, 9., 2004, Cuiabá. Anais... Cuiabá: UFMT, 2004. CR-ROM.

 

JOHANSSON, D. Heat treatment of solid wood – Effects on absorption, stregth, and colour. Ph.D Dissertation (Divisions of Wood Physics) Lulea University of Technology, Sweden, 2008.

 

MARTINS, M. Ensaios de simulação de uso em pisos de Eucalyptus clöeziana F. Muell, Eucalyptus microcorys F. Muell e  Corymbia maculata Hook. 2008. 48 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Lavras, Lavras – MG.

 

MARTINS, M.; SILVA, J. R. M. da; LIMA, J. T.; GONÇALVES, M. T. T. FILIPE, A. P. Simulação em uso dos pisos de madeira de Eucalyptus sp e Corymbia maculata. Cerne, Lavras - MG, v. 19, n. 1, p. 151-156, Jan./Mar. 2013.

 

MARTINS, M. da F.; BELTRAME, R.; DELUCIS, R. de A.; GATTO, D. A.; CADEMARTORI, P. H. G. de; SANTOS, G. A. dos. Colorimetria como ferramenta de agrupamento de madeira de clones de eucalipto. Pesquisa Florestal Brasileira, v.35, n.84, p.443-449, Dez. 2015. doi: 10.4336/2015.pfb.35.84.929.

 

MORI, C. L. S. de O.; MORI, F. A.; LIMA, J. T.; TRUGILHO, P. F.; OLIVEIRA, A. C. Influência das características tecnológicas na cor da madeira de Eucaliptos. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 123-132, Jun. 2004.

 

NATIONAL WOOD FLOORING ASSOCIATION, 2018. Which type of wood floor is right for me, solid or engineered? Disponível em: <http://woodfloors.org/top-ten.aspx#type>. Acesso em 15 maio. 2018.

 

PADILHA, C. Avaliação da qualidade da madeira de Eucalyptus sp para utilização em pisos. 2005. 71 f. Dissertação (Mestrado Ciência e Tecnologia da Madeira) – Universidade Federal de Lavras, Lavras – MG.

 

PADILHA, C.; LIMA, J. T.; SILVA, J. R. M. da; TRUGILHO, P. F.; ANDRADE, H. B. Avaliação da qualidade da madeira de Eucalyptus urophylla para utilização em pisos. Scientia Forestalis, n. 71, p. 141-147, Ago. 2006.

 

PINCELLI, A. L. P. S. M.; MOURA, L. F.; BRITO, J. O. Effect of thermal rectification on colors of Eucalyptus saligna and Pinus caribaea woods. Maderas, Ciencia y tecnologia, Concepción, v.14, n.2, p.239-248, Maio/Ago. 2012.

 

ROCHA, L. T. C.; PEREIRA, S. de J.; GUIMARÃES, K. de L. M.; VALPORTO, M. S.; VIEGAS, V. A. Madeiras tropicais quanto à densidade e cor para uso em pavimentação. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM DESIGN, 2014, Gramado – RS. v. 1, n. 4, p. 1-10, Nov. 2014.

 

SANTOS, I. S.; LIMA, J. T.; SILVA, J. R. M. Avaliação dos pisos produzidos a partir de toras de clones de Eucalyptus sp. com pequenos diâmetros. Cerne, Lavras, v. 16, n. 4, p. 473-478, Out./Dez. 2010.

 

SILVA, F. A. V. da; SILVA, J. R. M. da; MOULIN, J. C.; NOBRE, J. R. C.; ANDRADE, A. C. de A.; CASTRO, J. P. Qualidade da superfície usinada em pisos de madeira de Corymbia e Eucalyptus. Floresta, Curitiba - PR, v. 46, n. 3, p. 397 – 403, Jul./Set. 2016. DOI: 10.5380/rf.v46i3.43936.

 

SILVA, F. D.; BITTENCOURT, R. M. Estudo do desgaste à abrasão do eucalipto, madeira laminada e bambu gigante laminado utilizados como elemento de piso. In: ENCONTRO BRASILEIRO EM MADEIRAS E EM ESTRUTURAS DE MADEIRA, 8., 2002, Uberlândia. Anais... Uberlândia: UFU, 2002. p. 289-298.

 

SILVA, R. A. F. da; SETTER, C.; MAZETTE, S. S.; MELO, R. R. de; STANGERLIN, D. M. Colorimetria da madeira de trinta espécies tropicais. Ciência da Madeira, v.8, n.1, p.36-41, Abr. 2017. doi: 10.12953/2177-6830/rcm.v8n1p36-41.

 

STANGERLIN, D. M.; COSTA, A. F. da; GONÇALEZ, J. C.; PASTORE, T. C. M.; GARLET, A. Monitoramento da biodeterioração da madeira de três espécies amazônicas pela técnica da colorimetria. Acta Amazonica, v.43, n.4, p.429-438, Dez. 2013. doi: 10.1590/S0044-59672013000400004

 

TAKESHITA, S.; ANDRADE, A. de; JANKOWSKY, I. P. Planejamento Estratégico para o Setor de Pisos de Madeira. Floresta e Ambiente. v. 18, n. 3, p. 237-242, Jul./Set. 2011. DOI 10.4322/floram.2011.043.