Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Prevalência e fatores associados à infecção pelo HIV em privados de liberdade no Norte de Mato Grosso
SUZIELY CRISTINA FERREIRA NASCIMENTO SONALIO, Gisele Facholi Bomfim, VANESSA DE ALMEIDA RAIA

Última alteração: 04-10-18

Resumo


Os privados de liberdade são considerados um grupo de maior vulnerabilidade à infecção pelo HIV, com taxas de prevalência superiores a população em geral. Contribuem para isso, comportamentos de riscos, associados ao ambiente insalubre e dificuldades de acesso aos serviços de saúde. O objetivo desta pesquisa foi descrever o perfil epidemiológico  do HIV e analisar os fatores associados à infecção em privados de liberdade da Penitenciária Dr. Osvaldo Florentino Leite Ferreira “Ferrugem”, em Sinop – MT. Trata-se de um estudo transversal, realizado no período de outubro de 2017 a março de 2018, com 662 privados de liberdade, os quais foram submetidos a uma entrevista por meio de um questionário padrão e coleta de amostra sanguínea para testagem sorológica anti HIV. O diagnóstico foi realizado com o emprego de Testes Rápidos em sequência, com diferentes princípios metodológicos, seguindo Fluxograma 01 estabelecido pelo Ministério da Saúde. A associação entre as variáveis categóricas e o resultado para HIV foi testada pelo Qui-Quadrado de independência através do Programa SPSS (Statistical Package for the Social Sciences). O teste de Monte-Carlo foi associado ao Qui-quadrado para as variáveis em que a frequência esperada foi menor que cinco em alguma das células da tabela de contingência. Foi empregado valor de p < 0,05 para atribuir significância estatística. Os resultados apontaram uma prevalência do HIV de 1,35%, o que evidencia que a prevalência neste segmento populacional continua maior do que a encontrada na população em geral. As variáveis que mostraram associadas à infecção foram uso de preservativos, relação sexual prévia com pessoa vivendo com o vírus da imunodeficiência humana (PVHIV), história prévia de infecção sexualmente transmissível (IST), histórico de IST assintomática e tratamento de IST em presídios. Foi observado entre os participantes a não adesão ao uso de preservativos nas relações sexuais, elevado relato de uso de drogas e de ausência de testagem sorológica anterior. Diante disso, faz-se necessária a implementação de ações estratégias de promoção e prevenção à saúde sexual tanto dos privados de liberdade quanto de suas parcerias sexuais, com vistas a contribuir para o controle do HIV/IST dentro e inclusive fora destes espaços.


Palavras-chave


saúde; penitenciária masculina; infecção pelo HIV; prevalência; Mato Grosso

Referências


AILY, D. C. G., et al. Tuberculose, HIV e coinfecção por TB/HIV no Sistema Prisional de Itirapina, SãoPaulo, Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz. v. 72. n. 4. p. 288 – 294. São Paulo, 2013.

BARSAGLINI, A.R. Relatório de Pesquisa. Saúde Penitenciária: experiência de profissionais atuantes na atenção em unidades prisionais localizadas em Cuiabá-MT e na gestão das ações no nível central. Cuiabá, 2016.

BRASIL. Lei de Execução Penal. Brasília, 1984

________. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde no Sistema Penitenciário. Plano Nacional de Saúde do Sistema Penitenciário. Brasília, 2004.

________. MINISTÉRIO DA SAÚDE. BRASIL. Política Nacional de Saúde Integral à População Privada de Liberdade. Brasília, 2014.

________. MINISTÉRIO DA SAÚDE. BRASIL. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Manejo da Infecção pelo HIV em Adulto. Brasília, 2015.

________. MINISTÉRIO DA SAÚDE. BRASIL.  Manual Técnico para o Diagnóstico da Infecção pelo HIV. 3 ed. Brasília, 2016a.

________.MINISTÉRIO DA SAÚDE - TELELAB. Diagnóstico do HIV: Testes rápidos, 2017. Disponível em: <http://telelab.aids.gov.br/index.php/component/k2/item/111>. Acessado em: 02 de maio de 2018.

________.MINISTÉRIO DA SAÚDE. BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico HIV-AIDS. Ano V - nº 1 - 27ª a 53ª - semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2016. Ano V - nº 1 - 01ª a 26ª - semanas epidemiológicas - janeiro a junho de 2017. Brasília, 2017a.

________. MINISTÉRIO DA SAÚDE. BRASIL. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Manejo da Infecção pelo HIV em Adulto. Brasília, 2017b.

________. MINISTÉRIO DA SÁUDE. TELELAB. Infecções Sexualmente Transmissíveis: cuidados na execução de testes rápidos. UFSC, 2017.

BERRA, J. A. P., BACETTI L, B., BUZO, A. A.  Soroprevalência de HIV, sífilis, hepatite B e C em mulheres do Centro de Ressocialização Feminino,  Rio  Claro,  São  Paulo. Rev Inst Adolfo Lutz. v. 65, n. 2, p. 133-6, 2006.

BURATTINI M. N., et al. Correlation between HIV and HCV in Brazilian prisoners: evidence for parenteral transmission inside prison. Rev Saude Publica. v. 34. n. 5. 2000.

CATALAN-SOARES, B.C., ALMEIDA, R.T., CARNEIRO-PROIETTI, A. B.  Prevalence  of  HIV-1/2,  HTLV-I/II,  hepatitis  B  virus  (HBV),  hepatitis  C  virus  (HCV),  Treponema  pallidum  and Trypanosoma cruzi among prison inmates at Manhuacu, Minas Gerais State, Brazil.  Rev. Soc Bras Med Trop. v. 33. n. 1. p. 27-30. jan/ fev. 2000.

COELHO, H. C., PERDONA, G. C., NEVES, F. R., PASSOS, A. D. HIV prevalence and risk factors in a Brazilian penitentiary. Cad Saude Publica. v. 23. n. 9. p. 197-204. set. 2007.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Cadastro Nacional de Inspeções em Estabelecimentos Penais – GEOPRESÍDIOS, 2017. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/inspecao_penal/mapa.php>. Acessado em:  01 de maio de 2017.

DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL (DEPEN). Ministério da Justiça. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias – INFOPEN, 2014.

DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL (DEPEN). Ministério da Justiça. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias – INFOPEN, 2016.

EL MAERRAWI, I., CARVALHO, H. B. Prevalence and risk factors associated with HIV infection,  hepatitis  and  syphilis  in  a state prison of  São Paulo. Int J. STD-AIDS. v. 26, n. 2. fev. 2015

FRANCISCO, R.  B. L. Infecção pelo vírus da  Imunodeficiência  Humana  (HIV)  na população prisional de Campo Grande, Mato grosso do Sul: caracterização Epidemiológica e Molecular. Campo Grande. UFMS: 2009.

FILHO, M.M.S. BUENO, P. M.M.G. Demografia, Vulnerabilidades e Direito à Saúde da População Prisional Brasileira. Ciência & Saúde Coletiva, v 21, n 7, p. 1999-2010, 2016.

 

FOLTRAN P. J. et al. As Ações de DST/ HIV/ AIDS no Sistema Penitenciário do Distrito Federal: o desafio da atuação profissional do assistente social frente aos ditames da segurança pública. Ser Social, v. 11, n 24, p. 82-105, jan-jun. 2009.

GABE C., LARA, G.M. Prevalência de anti-HCV, anti-HIV e co-infecção HCV/HIV em um presídio feminino do Estado do Rio Grande do Sul. RBAC, vol. 40. n. 2. p. 87-89. 2008

GALLO, R. C. The early years of HIV/AIDS. Science, v. 298, n. 5599, p. 1728-1730,Nov. 2002.

JESUS, L. O. et al. Desafios Profissionais no Campo de Saúde do Sistema Prisional: dilemas na interface de saúde e segurança. Aletheia, n. 41, p.39-52, maio-ago, 2013.

JESUS, L.CO. SCARPARO, K.H.B. O Trabalho em Saúde nas Prisões: produção de sujeitos e territórios. Rev. Interinstitucional de Psicologia, v 8, n 1, p 78-93, jan-jun, 2015

 

JOINT UNITED NATIONS PROGRAM ON HIV/AIDS. UNAIDS. HIV/ AIDS em ambientes prisionais: prevenção, atenção, tratamento e apoio. Nações Unidas. Nova York, 2007.

JOINT UNITED NATIONS PROGRAM ON HIV/AIDS. UNAIDS BRASIL. Relatório informativo. jul. 2017a. Disponível em <http://unaids.org.br/estatisticas/>. Acessado em 01 de agosto de 2018.

JOINT UNITED NATIONS PROGRAM ON HIV/AIDS.UNAIDS. Blind spot: reaching out to men and boys.  2017b.

JOINT UNITED NATIONS PROGRAM ON HIV/AIDS. UNAIDS. Miles to go. Closing gaps breaking barriers righting injustices. 2018a. Disponível em: <http://www.unaids.org/sites/default/files/media_asset/miles-to-go_en.pdf>. Acessado em 20 de julho de 2018.

JOINT UNITED NATIONS PROGRAM ON HIV/AIDS. UNAIDS BRASIL. Informações básicas. 2018b. Disponível em: < https://unaids.org.br/informacoes-basicas/>. Acessado em: 15 de julho de 2018.

KOLLING, et al. O Direito à Saúde nas Prisões. Rev. Tempus: Actas de Saúde Coletiva, v 7, n 1, p 281-297, 2013.

LOPES, F. et al. Prevalência de HIV, papilomavírus humano e sífilis na Penitenciária Feminina da Capital,São Paulo, 1997-1998. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro. v. 17. n. 6. p. 1473 – 1480. nov-dez. 2001

MARANGONI, D. V.; SCHECHTER, M. Doenças Infecciosas: conduta diagnóstica e terapêutica. Ed. Guanabara Koogan, 1998.

MARINS, J. R., et al.  Seroprevalence and Risk Factors for HIV infection  among  incarcerated  Men  in  Sorocaba,  Brazil. Rev. AIDS and behavior, vol. 4. n. 1, 2000.

MARCIS, F.L. A Impossível Governança da Saúde nas Prisões: reflexos a partir da MACA. Ciência & Saúde Coletiva, v 21, n 7, p. 2011-2019, 2016.

MARINHO, et al. Epidemiologia. São Paulo: Editora Atheneu, 2006.

MARTINS, F. C. Vulnerabilidade à Infecção pelo Vírus HIV dos Privados de Liberdade do Sistema Penitenciário Goiano. Goiânia.2005.

MARTINS, H. S.; SIMÕES, R. S.; CAVALCANTE0 I. Principais Temas em Doenças Infecciosas para Residência Médica. Ed. Medcel. 2006

MINAYO, M.C.S. RIBEIRO, P.A. Condições de Saúde dos Presos do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v 21, n7, p. 2031-2040, 2016.

MIRANDA, A. E., VARGAS, P. M. S. T., LOUIS, M. E., VIANA, M. C. Sexually transmitted diseases among female prisoners in Brazil: prevalence and risk factors. Sex Trans Dis. v. 27. p.491-495. 2000.

NASCIMENTO, M. G. Perfil epidemiológico da Infecção pelo HIV na população carcerária do Complexo Priisional de Aparecida de Goiânia. Goiânia, 2012.

OSTI N. M.; CASTRO A. F. P.; RICCI, L.C. Human Immunodeficiency Virus Seroprevalence among Inmates of the Penitentiary Complex of the Region of Campinas, State of São Paulo, Brazil. Mem Inst. Oswaldo Cruz. vol. 94. p. 479-483, jul. /ag. 1999.

PEREIRA, A. M.; NASCIMENTO, F. R. F. Prevalência do HIV entre doadores de sangue do Maranhão. DST – J. Bras. Doenças Sex. Transm. v. 16. n. 4. p. 11-13, 2004.

QUEIROZ, C.A. et al. Riscos para Vírus da Imunodeficiência Humana e Hepatites dos privados de liberdade. Rev. enferm UFPE on line. Recife. v. 8. p. 2375- 2381. jul. 2014

SANTOS, N. BERMUDEZ, X.P. (Org.). Guia sobre Gênero, HIV/AIDS, Coinfecções no Sistema Prisional. Brasília, 2012.

SANTOS, N. S. O. ROMANOS, M. T. V. WIGG, M.D. Virologia Humana. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2015.

SANTOS, J.O. DIEL, A.F.S. O direito à saúde no cárcere: a efetividade das políticas públicas de saúde no sistema prisional brasileiro. XII Seminário Nacional de Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea. II Mostra Nacional de Trabalhos Científicos. Rio Grande do Sul, 2016.

SECRETARIA DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS. Relatório de Gestão de Saúde do Sistema Penitenciário de Mato Grosso - 2013. Cuiabá, 2014. Disponível em: <http://www.sejudh.mt.gov.br/contratos1>. Acessado em: 26 de setembro de 2016.

SGARB, R. V. E. HIV na população privada de liberdade em Mato Grosso do Sul. Dourados, 2015.

SGARB, R. V. et al. A Cross-Sectional Survey of HIV Testing and Prevalence in Twelve Brazilian Correctional Facilities. PLoS ONE. v. 10. n. 10. out. 2015.

STRAZZA, L. et al. Estudo de comportamento associado à infecção pelo HIV e HCV em detentas de um presídio de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro. v. 23. n. 1. p. 197-205. jan. 2007

SOUZA, T.S.S. et al. Educação em Saúde para Prevenção das Doenças Sexualmente Transmissíveis/AIDS no Sistema Penitenciário. Rev. Interdisciplinar. v.6, n.4, p.142-152, 2013.

TAFESSE, T. B. et al. Seroprevalence and diagnosis of HIV, HBV, HCV and syphilis infections among blood donors. Human Antibodies. v. 25. p. 39-55, 2017

VALE, E. P. CARVALHO, L. S., PEREIRA, F. C. S. Soroprevalência do HIV na população privada de liberdade do Amapá. Rev. Epidemiol Control. Infec. Santa Cruz do Sul. v. 6. n. 3. p. 114-117. 2016.

VERONESI, R. FOCACCIA, R. Tratado de Infectologia. 4 ed. rev. 2009.

WALDMAN, E.A. Principais Delineamentos aplicados em Estudos Epidemiológicos. In:­­­______. Saúde e Cidadania: Vigilância em saúde pública. São Paulo, 1998. Anexo 3.