Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Negro Drama: Reflexões sobre o Racismo Ambiental em Rondonópolis
FELIPE BARBOSA TEIXEIRA

Última alteração: 20-10-18

Resumo


RESUMO: O presente projeto de pesquisa tem a pretensão de trazer uma reflexão prévia e introdutoriamente o Racismo Ambiental contra a população negra da periferia de Rondonópolis-MT, convindo o Racismo Ambiental como ferramenta de dominação epistemológica por parte dos descendentes europeus dentro do sistema-mundo possuindo uma série de facetas, práticas segregativas espaciais, sociais baseadas na raça/cor/renda. A pesquisa ainda em seu inicio, busca a relação causa-efeito da relação Educação e Racismo Ambiental e os desdobramentos na vida e bem estar da população jovem periférica, utilizando da oralidade e narrativas desses jovens pretende-se uma análise de dados nos relatos que expliquem sobre a constituição étnica declarada pessoas visitadas nos bairros pesquisados, renda familiar e escolaridade dos jovens desses bairros, dialogando com autores fora do eixo europeu de domínio do conhecimento e trazendo definições e discussões pela via decolonial. Hipoteticamente busca-se nesse trabalho uma possível relação entre os processos de fracasso escolar e desescolarização com a depauperação de mão de obra e remuneração, com resultante desemprego e uma ligação muito íntima entre esses fatores mencionados e o genocídio de jovens negros (idade de 15 a 29 anos) sendo esse genocídio considerado tanto pela morte literal como pelo aprisionamento, problemas que provavelmente afetam em maior profusão a juventude negra de Rondonópolis-MT. Delineando desse modo o chamado Epistemicídio que resulta do Racismo Ambiental que desestrutura e procede ao Genocídio da Juventude Negra na periferia da cidade de Rondonópolis-MT.


Palavras-chave


Genocídio, Juventude Negra, Racismo Ambiental, Educação

Referências


ANI, M. Yurugu: an african-centered critique of European cultural thought and beavior. Fist Printing. Africa Wolrd Press, Inc. Indianapolis, 1994.

ARAÚJO, J. Z. A Força de um desejo – a persistência da Branquitude como padrão estético audiovisual. Revista USP, nº 69, páginas 72-79, São Paulo, março/maio de 2006.

BENTO, M. A. S.; BEGHIN, N. Juventude Negra e Exclusão. Disponível em: http://ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/politicas_sociais/ENSAIO4_Maria11.pdf. Consultado em 25/07/2018, as 03h26min.

BERTH, J. Quem quer ser uma pessoa negra? Disponível em: http://justificando.cartacapital.com.br/2017/03/29/quem-quer-ser-uma-pessoa-negra/. Consultado em 25/07/2018, as 01h02min.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FRANKENBERG, R. White women, race masters: the social construction of whiteness. USA: University of Minnesota, 1999.

FINCH, C. S. Cheikh Anta Diop Confirmado. In: NASCIMENTO, E. L. Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. Selo Negro, São Paulo – SP, 2009.

GROSFOGUEL, R. Racismo/Sexismo Epistêmico, Universidades Occidentalizadas y los cuatro genocidios/espistemicidios ao largo siglo XVI. Tabula Rasa, nº 19, pag. 31-58, Jul. a Dez. Bogotá – Colômbia, 2013.

NASCIMENTO, A. do. O Genocídio do Negro Brasileiro: Processo de um Racismo Mascarado. 3ª Ed. São Paulo: Perspectivas, 2016A.

SANTOS, G. Relações Raciais e Desigualdade no Brasil. Ed. Selo Negro, São Paulo: 2009.