Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Variações do diâmetro do caule como um indicador do status de água na espécie Hymanea stignocarpa (jatobá) da Baixada Cuiabana
NELSON MÁRIO BANGA, FRANCISCO DE ALMEIDA LOBO, CARMEN EUGÉNIA ORTÍZ, MAGDIEL JOSIAS PRADO

Última alteração: 23-10-18

Resumo


As árvores são caraterizadas pelas variações diárias no diâmetro do caule. Essas variações combinadas com medições fisiológicas tem sido usada para aferir sobre o status diário de água dentro da planta. Porém, desconhece-se a dinâmica do uso da água pela espécie de Hymenaea stigonocarpa (Jatobá) do cerrado da baixada cuiabana que experimenta ao longo do ano dois tipos de estresse hídrico a saber: (i) o estresse provocado pela seca, (ii) o estresse provocado pelo excedente da água das chuvas. O objetivo deste trabalho foi relacionar a variação do diâmetro do caule com o crescimento e o status da água dentro da planta a fim de identificar quanto da variação do diâmetro se deve ao crescimento e quanto se deve ao armazenamento de água. Medidas da variação do diâmetro foram realizadas usando dendrômetros pontuais instalados na base de duas árvores, as medições iniciaram em dezembro de 2017 e decorrem até o presente momento. Separamos as flutuações do diâmetro do caule (D) em expansão irreversível induzida pelo crescimento (GRO) e contração reversível induzido pela falta de água (TWD). Além disso, foram considerados duas abordagens fisiológicas: O crescimento linear (LG) entre dois picos máximos e o crescimento zero (ZG) durante o período de contração/encolhimento do caule. As medidas de diâmetro de caule mostraram um crescimento em ambas árvores, porém foi observado que a taxa de LG da árvore com menor diâmetro foi relativamente superior ao de maior diâmetro, durante o período de janeiro a finais de fevereiro. Além disso, foi observado uma contração substancial entre as árvores ao longo do período de janeiro a maio de 2018. O TWD diário entre as árvores foi moderado com valores que variam de 0.5 a 1h-1 observados de janeiro a finais de junho. Todavia, maiores valores de TWD foram observados no início da estação seca (de junho) tendo atingido valores máximos em meados de julho. Concluímos que a maior parte da variação do diâmetro do caule do jatobá do cerrado da baixada cuiabana não é atribuível ao crescimento (isto é, divisão celular e alongamento celular) no câmbio, mas sim atribuíveis a períodos de TWD.


Palavras-chave


variação do diâmetro do caule, crescimento do caule, déficit hídrico.

Referências


DIETRICH, L., ZWEIFEL, R., & KAHMEN, A. (2018). Daily stem diameter variations can predict the canopy water status of mature temperate trees. Tree Physiology38(7), 941-952. doi:10.1093/treephys/tpy023

ZWEIFEL, R., ZIMMERMANN, L., & NEWBERY, D. M. (2005). Modeling tree water deficit from microclimate: an approach to quantifying drought stress. Tree Physiology25(2), 147-156. doi:10.1093/treephys/25.2.147

ZWEIFEL, R., HAENI, M., BUCHMANN, N., & EUGSTER, W. (2016). Are trees able to grow in periods of stem shrinkage? New Phytologist211(3), 839-849. doi:10.1111/nph.13995