Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
SOCIODRAMA: UM NOVO PARADIGMA EM EDUCAÇÃO COMO PRÁTICA DE LIBERDADE.
YANDRA OLIVEIRA FIRMO, Maria da Anunciação Pinheiro Barros Neta

Última alteração: 07-10-18

Resumo


Grandes transformações econômicas, sociais, culturais, éticas e estéticas vêm marcando acentuadamente a sociedade provocando profundas contradições, sobretudo no tocante à educação que passa a ser um decodificador desses movimentos, dessas manifestações. Neste contexto, indicadores têm revelado que esta vive um processo intenso e rápido de mudanças. Desse modo, temas como democracia, justiça social, protagonismo e opressão se tornam necessários estar presentes em debates, desdobrando-se em propostas pedagógicas, que apostam no potencial transformador da aprendizagem. Este trabalho de tese vai nesta direção, pois a pesquisa tem por objetivo  compreender como o sociodrama pode contribuir para a formação e preeminência dos vínculos entre os sujeitos na práxis pedagógica e a ação educativa visando uma educação democrática, favorecendo a fruição do encontro, criatividade, interconectividade, consciência crítica e aprendizagem de alunos da Educação Básica. O núcleo da investigação está na Rede Estadual de Ensino do Estado de Mato Grosso, tendo como protagonistas aprendizes do primeiro ano do Ensino Médio de uma escola na cidade de Barra do Garças. Realizamos esta investigação, por meio da concepção de educação como prática da liberdade de Paulo Freire e o método do sociodrama criado por Jacob L. Moreno, lançando o olhar para a pesquisa interventiva. Este campo de interação realiza-se a partir da concepção de educação freiriana, que percebe o indivíduo com possibilidade e capacidade para ser autônomo, crítico reflexivo e livre, objetivando desenvolver uma ação cultural para a promoção de todos e todas. Freire propôs um processo cuja matriz é o dialogo respeitoso do saber, se distanciando das colonizações culturais, da opressão, aclamando a fraternidade, a liberdade e a amorosidade como  elementos fundamentais para suscitar a colaboração, união, e sintese cultural, entrelaçados  com o sociodrama, que tem em suas características a emancipação de seus participantes, nos contextos afetivos, sociais e políticos. Indagamos de que maneira pode se considerar o sociodrama, uma metodologia para pesquisa em Educação. Uma ação pedagógica intertranscultural que se fundamenta no ideário de uma educação crítica, igualitária e libertadora. Trazemos como hipótese, que o sociodrama pode ser utilizado no cotidiano escolar por ter como princípio a plenitude da experiência e a ação-reflexão-ação, vivenciadas nas práticas dialógicas e inventivas. O sociodrama é um método que se propõe compreender os grupos e as relações intergrupais, seus conflitos e sofrimentos. É um procedimento de pesquisa participante que objetiva entender os processos grupais e intervir em uma de suas situações-problema, por meio da expressão/ comunicação, tendo como ação principal a dramatização e o jogo de papéis sociais, buscando aflorar bem como amenizar .esses conflitos e os sistemas de contradição que existem nas relações entre indivíduos. Considerando o estudo preliminar já desenvolvido para esta tese, é possível ponderar que o sociodrama é um instrumento para levantamento de dados diagnósticos que apresenta possíveis soluções dos conflitos escolares e distanciam os jovens alunos de uma educação protagônica, catártica, emancipatória e equânime, podendo vir a ser um  instrumento de encorajamento para o discente como um ser protagonista na construção de conhecimento e reconhecimento de si e do mundo.


Palavras-chave


Educação Básica; Sociodrama; Educação Libertadora.

Referências


FREIRE, Paulo. Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994. ______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

______. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

______. Pedagogia da Esperança. . Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

GONÇALVES. Camila. Salles. Lições de psicodrama. São Paulo: Ágora, 1988.

PADILHA, Paulo.Roberto. Currículo Intertranscultural: novos itinerários para a educação. São Paulo: Cortez, 2004.

MORENO, Jacob. Levy. Psicodrama. 9. ed. São Paulo: Cultrix, 1975.

______. Fundamentos do Psicodrama. Campinas: Psy, 1984.