Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
O ANIMAL NO TURISMO MATO-GROSSENSE: IDEIA, MATERIALIZAÇÃO E VIDA NA INTERFACE DAS RELAÇÕES ENTRE HOMEM E NATUREZA
Eveline Baptistella, Juliana Abonizio

Última alteração: 11-10-18

Resumo


A atual crise ecológica se integra a um panorama que provoca o questionamento dos modelos predatórios, marcadamente eurocêntricos e coloniais, que regem as formas de conviver com a natureza.  Catástrofes climáticas, especialmente, deslocam o ser humano do lugar de senhor da natureza para um posto mais desconfortável, como criatura suscetível de sofrer com os eventos extremos como qualquer outra. Mais do que isso, a humanidade é levada a reconhecer a falência do projeto de dominação sobre a fauna e flora no momento em que sua sobrevida também fica ameaçada por problemas derivados de ações antrópicas. Neste cenário, este trabalho pretende investigar as diversas maneiras como o animal silvestre se faz presente no ecoturismo mato-grossense e a partir desta investigação pensar as novas epistemes acerca da relação homem e natureza.

Tendo como campo o Pantanal Mato-grossense e os atrativos turísticos da rodovia transpantaneira, este estudo reflete sobre a representação dos animais na mídia e na publicidade a partir da metodologia de análise de conteúdo, as relações entre animais humanos e não humanos no turismo tendo como metodologia a etnografia multiespécies e, por fim, reelaboração deste contato a partir das memórias de viagem representadas pelas fotos postadas no instagram, para o qual utilizaremos a metodologia de análise de redes sociais.

O embasamento teórico desta pesquisa é interdisciplinar acionando teorias da comunicação, filosofia, sociologia do cotidiano, ecologia, turismo e dos estudos animais.

 


Palavras-chave


estudos animais; comunicação e cultura contemporânea;

Referências


AMARAL, Adriana; NATAL, Geórgia; VIANA, Luciana. Netnografia como aporte metodológico da pesquisa em comunicação digital. In: CASTRO, Gisela; BACCEGA, Maria Aparecida. Comunicação e consumo nas culturas locais e global. São Paulo: Espm, 2009. Cap. 1. p. 1-19.

BEKOFF, Mark. A vida emocional dos animais: alegria, tristeza e empatia nos animais: um estudo científico capaz de transformar a maneira como os vemos e tratamos. São Paulo: Cultrix, 2010.

BRASIL. MINISTÉRIO DO TURISMO.  Ecoturismo: orientações básicas. Brasília: Ministério do Turismo, 2008. 60 p.

CHUAHY, Rafaella. Manifesto pelos direitos dos animais. São Paulo: Record, 2009.

DECLARAÇÃO DE Cambridge sobre a consciência em animais humanos e não-humanos. Documento disponível em <http://www.ihu.unisinos.br/noticias/511936-declaracao-de-cambridge-sobre-a-consciencia-em-animais-humanos-e-nao-humanos >. Acesso em: 20 out 2012.

ESCOBAR, Arturo. O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pós-desenvolvimento? In: LANDER, Edgardo (ORG.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 63-79.

FERRY, Luc. A nova ordem ecológica: a árvore, o animal e o homem. Rio de Janeiro: Difel, 2009.

FRASER, Márcia; GONDIM, Sônia. Da fala do outro ao texto negociado: discussões sobre a entrevista na pesquisa qualitativa. Paidéia, Ribeirão Preto, v.14, n. 18, p. 139 – 152,  2004.

GROPP, Beatrice. Introdução à pesquisa etnográfica. In: PERDIGÃO, Dulce; HERLINGER, Maximiliano; WHITE, Oriana.Teoria e prática da pesquisa aplicada. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012. Cap. 9. p. 90-99.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL (São Paulo). Almanaque Brasil Socioambiental. São Paulo: Isa, 2008. 552 p.

JOY, Melanie. Porque amamos cachorros, comemos porcos e vestimos vacas: uma  introdução ao carnismo: o sistema de crenças que nos faz comer alguns animais e outros não.  São Paulo: Cultrix, 2014.

LAGO, Cláudia; BENETTI, Marcia. Metodologia da pesquisa em jornalismo. Petrópolis: Vozes, 2010.

MITSCH, William J.; GOSSELINK, James G.. Wetlands. 5. ed. New Jersey: John Wiley & Sons, 2015.

PAIS, José Machado. Nos rastos da solidão: deambulações sociológicas. Lisboa: Ambar, 2006.

PAIS, José Machado. Sociologia da vida cotidiana. Teorias, métodos e estudos de caso.  Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2002.

PINKER, Steven.  Os anjos bons da nossa natureza – porque a violência diminuiu.  São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SEGATA, Jean. Os cães com depressão e seus humanos de estimação.  Anuário Antropológico, Brasília, v.2, p.177-204, 2012.

SEGATA, Jean. Nós e os outros humanos, os animais de estimação. 2012. 200 f. Tese (Doutorado) - Curso de Antropologia Social, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/96413>. Acesso em: 07 jul. 2015.

SERRES, Michel.  O contrato natural. Lisboa: Instituto Piaget, 1990.

SIMPÓSIO SOBRE RECURSOS NATURAIS E SÓCIO-ECONÔMICOS DO PANTANAL, 4., 2004, Corumbá. Turismo de contemplação de mamíferos do Pantanal: alternativa para o uso sustentável da fauna. Corumbá: Simpam, 2004. 9 p. Disponível em: <http://www.cpap.embrapa.br/agencia/simpan/sumario/artigos/asperctos/pdf/socio/333SC-Mamede-1-OKVisto.pdf>. Acesso em: 07 jul. 2015.

STUMPF, Ida Regina C. Pesquisa bibliográfica. In: DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio (org.). Métodos e técnicas de pesquisa em Comunicação. São Paulo: Atlas, 2005.

WWW BRASIL. Relatório Planeta Vivo 2014. São Paulo, 2015.  Disponível em: <http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/especiais/relatorio_planeta_vivo/> . Acesso em:  10 jan. 2015.

WILSON, E. O. A criação – Como salvar a vida na Terra. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.