Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
AULA DE CAMPO COMO ESTRATÉGIA INTERDISCIPLINAR ABORDANDO A TEMÁTICA ÁGUA NO ENSINO DE QUÍMICA
MARIA ARAUJO SOFTOV

Última alteração: 05-10-18

Resumo


RESUMO

O presente trabalho relata a trajetória vivenciada com os alunos do 2ºano do Ensino Médio da Escola Estadual Major Otávio Pitaluga, em Rondonópolis-MT, durante uma intervenção didática de forma interdisciplinar por meio da aula de campo. Como objetivo principal, buscamos investigar se o trabalho baseado em aulas de campo envolvendo os conhecimentos Físicos, Químicos e Biológicos do tema “água” propicia a aprendizagem dos processos químicos envolvidos no tratamento da água que servem as cidades. Utilizou-se o método da pesquisa-ação com a perspectiva de promover uma análise crítica das atividades e dos problemas concernentes à temática pelos atores envolvidos. A intervenção se deu por meio de uma unidade didática planejada em três etapas, com base em aulas contextualizadas interdisciplinares, privilegiando estratégias de discussões em grupos, pesquisas, aulas de campo com atividades experimentais e socialização dos resultados. Foram trabalhadas questões como: a distribuição da água no planeta, pH, ciclo da água e as doenças veiculadas pela água não tratada, a importância do tratamento da água com enfoque da Química, da Biologia, da Física e da Geografia. As inter-relações de conteúdos e de conhecimentos científicos vão contribuir bastante para o desenvolvimento de ações e enfrentamento de situações do cotidiano do aluno. Destacamos que o professor pode proporcionar diferentes momentos de aprendizagem capazes de despertar o interesse dos alunos a refletirem sobre temas do seu dia-a-dia. Por fim, foi possível identificar resultados bastante significativos, pois ficou evidenciado que esse tipo de ação em que o aluno deixa de ser um mero expectador e passa a ser executor das atividades, contribui para que haja a aquisição dos conceitos científicos. Podemos afirmar que mais que favorecer o aprendizado desses processos químicos, a aula de campo na perspectiva interdisciplinar favoreceu a aquisição de atitudes investigativas, de forma ativa e reflexiva, que possibilitam aos cidadãos a tomada de decisões conscientes. Quanto à interdisciplinaridade, a proposta vem sendo amadurecida, com os professores fazendo exercícios de saírem de suas disciplinas rígidas para interagir com as outras áreas e construírem conhecimentos para além da fragmentação dos conteúdos. Ao buscar a integração com áreas diversas, a construção de conhecimentos desfragmentados trouxe um significado real a conteúdos tão vitais quanto à própria manutenção de sua vida. E essa prática foi enfatizada em várias ocasiões, principalmente nos materiais produzidos e socializados pelos estudantes. O relato dessa experiência foi sintetizado em um livreto para que possa orientar outros professores a planejar intervenções didáticas tendo como base a aula de campo.


Palavras-chave


Aula de campo, Interdisciplinaridade, Água, Ensino de Química