Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
POLÍTICA ESTADUAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA INDÍGENAS DA REDE ESTADUAL DE BARRA DO GARÇAS: UM ESTUDO DE CASO
Gibran Dias Paes de Freitas, José Tarcísio Grunennvaldt

Última alteração: 08-10-18

Resumo


Na tentativa de contribuir para com o estado da arte, o projeto busca analisar as Políticas de Formação de Professores de Educação Física das Escolas Indígenas de incumbência da Assessoria Pedagógica de Barra do Garças. Estabelece-se então como questionamento inicial as seguintes questões: Como se da à Gestão Pedagógica dos projetos de formação dos educadores indígenas de educação física e qual a efetiva repercussão/legitimação na educação sobre esses povos? Os propósitos de formação profissional são adequados às necessidades de formação desses educadores considerando as suas realidades, as escolas situadas nas aldeias onde desenvolvem suas atividades, no que diz respeito ao ensino e a gestão escolar? Partindo dos questionamentos, propõe-se como objetivo da pesquisa verificar se a formação de professores indígenas de educação física, em termos pedagógicos, contribui para a atuação dos professores indígenas do município de Barra do Garças, possibilitando-lhes recursos pedagógicos e de conhecimentos específicos para atuarem nas escolas de suas aldeias. Para tanto, é preciso analisar a gestão das bases políticas e pedagógicas da referida formação a partir da legislação que normatiza a educação escolar indígena; identificar, por meio de entrevistas, qual a percepção dos professores em relação a Projeto de Formação inicial e permanente; obter subsídios na dimensão organizacional e pedagógica para fundamentar futuras propostas de formação de professores. Quanto à abordagem metodológica, a presente pesquisa pode ser classificada, segundo Silva e Menezes (2001, p. 20), como qualitativa, pois “há um vínculo indissociável entre o mundo objetivo e a subjetividade do sujeito que não pode ser traduzido em números” e, quanto à sua natureza, é um estudo de caso descritivo, pois objetiva a obtenção de conhecimento profundo e exaustivo de uma realidade delimitada (YIN apud GIL, 1999, p. 73), o qual tem sido cada vez mais utilizado nas pesquisas sociais (COSTA, 2006, p.73). Quanto aos procedimentos adotados para a coleta de dados, será utilizada a pesquisa bibliográfica, o grupo focal, a análise dos projetos de formação, inicial e continuada, planos de ensino e de currículos da Educação Física que são elaborados pelos próprios professores durante as aulas presenciais e dos professores formados pela formação, e por fim se realizará a observação da prática pedagógica e da rotina das escolas onde atuam os sujeitos da pesquisa, visando compreender os desdobramentos da formação inicial e continuada na prática pedagógica de tais professores e como são estabelecidas as relações no cotidiano da escola e da comunidade. O problema que se coloca para a pesquisa é se estarão os preceitos orientadores e a formação inicial e continuada consolidando atuações dos educadores no âmbito da diversidade e da interculturalidade, necessidades preeminentes das escolas das aldeias indígenas, ou apenas articulando a formação a partir do paradigma urbano? A formulação de políticas educativas e públicas, em geral, pensa na cidade e nos cidadãos urbanos como o protótipo de sujeitos de direitos. Há uma idealização da cidade como o espaço civilizatório por excelência, de convívio, sociabilidade e socialização, da expressão da dinâmica política, cultural e educativa (ARROYO 2007).

 


Palavras-chave


Formação de Professores; Educação Física Escolar; Educação Indígena

Referências


ARROYO, Miguel Gonzalez. Políticas de Formação de Educadores(as) Do Campo. *Cad. Cedes, Campinas, vol. 27, n. 72, p. 157-176, maio/ago. 2007. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 10/08/2018.

COSTA, A. Ciências e interação. 1. ed. Curitiba: Positivo, 2006. (Coleção ensino fundamental)

GIL, Antonio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5 ed. São Paulo: Atlas, 1999.

SILVA, Edna Lúcia da; MENEZES, Estera Muskat. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 3. ed.  rev. e atual. Florianópolis: Laboratório de Ensino à Distância da UFSC, 2001.