Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
FLORA ARBÓREA DE RONDONÓPOLIS: UM ESTUDO ECOLÓGICO URBANO
LEANDRO LEITE

Última alteração: 31-10-18

Resumo


Os seres humanos são uma força ambiental global, que altera os processos biogeoquímicos através de distintas escalas espaciais e em taxas sem precedentes. Dentre os impactos, as cidades são umas das modificações mais profundas na paisagem realizada pelo homem. A maioria dos seres humanos hoje vive em cidades e depende da gestão ambiental adequada para a manutenção de uma qualidade de vida aceitável. No entanto, apesar dessa influência esmagadora, existem poucos estudos sobre a ecologia dos sistemas ecológicos urbanos principalmente nos países subdesenvolvidos. Logo, é fundamental compreender os padrões e processos ecológicos urbanos. Vários estudos epidemiológicos têm ligado positivamente a longevidade humana ao acesso a espaços verdes, pois áreas densamente vegetadas têm maior capacidade para reduzir a poluição do ar e ilhas de calor urbanas, além de estimular a prática de exercícios físicos. Sabemos também que a maioria da população mundial atualmente vive em cidades de pequeno e médio porte, gerando um crescimento acelerado e geralmente desordenado do perímetro urbano. A cidade de Rondonópolis-MT, está localizada estrategicamente no entroncamento das Rodovias BR-163 e BR-364, sendo esta última a única ligação entre as regiões norte e sul do país. A cidade conta com uma população estimada em 218.000 habitantes, e sua economia é responsável pelo segundo maior PIB do estado de Mato Grosso. Rondonópolis é conhecida nacionalmente pelo seu excelente desempenho agropecuário, e lidera as exportações de soja, milho e carne no Mato Grosso. Esse alto giro econômico se reflete em bairros de status sócioeconomico bastante distintos.  Com o auxílio das Geotecnologias o presente trabalho avalia se há a existência de uma situação de injustiça socioambiental na arborização viária de Rondonópolis-MT associada à baixa diversidade e abundância de espécies arbóreas viárias, estabelecendo correlações entre as variáveis ambientais: abundância e a diversidade de árvores dos bairros, com as variáveis sociais: renda familiar e densidade demográfica e variáveis urbanísticas: largura de rua e largura de calçada

Palavras-chave


arborização viária; injustiça ambiental; geotecnologias

Referências


ANGEOILETTO, F. Pelos Quintais de Sarandi: Ecologia Urbana e Planejamento Ambiental. Editora da Universidade Estadual de Maringá. 2008.

ANGEOLETTO, F. MORENO, M. Tendencias Socio-ambientales de Ciudades Brasileñas. In: Mendes, C.M.; Töws , R.L. (org.). Geografia Urbana e Temas Transversais. Editora da Universidade Estadual de Maringá. Maringá, Brasil. 2009.

COLLINS, J.P.; KINSIG, A.; GRIMM, N.B.; (et al). A new urban ecology: Modeling human communities as integral parts of ecosystems poses special problems for the development and testing of ecological theory. American. Scientist , 2000. p. 416–425.

GRIMM, N.B. (et al). Global change and the ecology of cities. Science , 2008. p. 756-760.

HOPE, D.; C. Gries, C.; Zhu, W. (et al). Socioeconomics drive urban plant diversity. Proceedings of National Academy of Sciences, 2003.

MOTA, S. Urbanização e Meio Ambiente. Rio de Janeiro: ABES, 1999. p. 353

NUCCI, J. C. Metodologia para Determinação da Qualidade Ambiental Urbana. In: Revista do Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas FFLCH-USP, n. 12. São Paulo: Humanitas, 1998. p. 209-224

STRAUSS, A.; CORBIN, J. Basics of qualitative research: techniques and procedures for developing. Grounded Theory. 2 nd. Thounsand Oaks: Sage Publications, 1998.