Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Desenvolvimento de ELISA para detecção de anticorpos anti-chikungunya utilizando peptídeos sintéticos
David José Ferreira da Silva, Janaína Rigotti Kubiszeski, Carla Júlia das Silva Pessoa Vieira, Lilian Hernandez Alvarez, Fátima Pereira de Souza, Eduardo Maffud Cilli, Joaquim Manoel da Silva, Roberta Vieira de Morais Bronzoni

Última alteração: 18-10-18

Resumo


As infecções pelo vírus chikungunya (CHIKV) podem produzir artrite crônica intensa e incapacitante, o que resulta na perda da qualidade de vida e do rendimento no trabalho, além do retorno do paciente aos serviços de saúde. Porém, os sinais clínicos, especialmente na fase febril aguda, são frequentemente confundidos com a infecção por outros arbovirus, como as febres do dengue, de Zika e Mayaro. Desta forma, em áreas de transmissão estabelecida de outros arbovírus, a confirmação laboratorial da infecção por CHIKV é indispensável. O padrão-ouro para a detecção do CHIKV é o isolamento viral, entretanto sua execução requer laboratórios equipados e pessoal qualificado. Assim, diversos testes moleculares (RT-PCR) com alta sensibilidade e especificidade têm sido padronizados, mas os reagentes e equipamentos são caros para uso em larga escala. Logo, esta pesquisa buscou produzir um ensaio imunoenzimáticos (ELISA) indireto com a utilização de peptídeos sintéticos para o diagnóstico laboratorial da infecção pelo CHIKV. Para tanto, dois peptídeos do CHIKV foram desenhados e sintetizados através da predição in silico de epítopos imunodominantes. Neste contexto, amostras clínicas de pacientes de Sinop (Mato Grosso) com doença febril aguda e sintomas compatíveis com infecções por arbovírus foram incluídas nesta pesquisa. As amostras coletadas na fase convalescente serão utilizadas para a posterior validação do ELISA. A infecção por vírus dos gêneros Alphavirus e Flavivirus foi realizada através de RT-PCR. Genomas de arbovírus puderam ser detectados em 10,6% (20/189) das amostras testadas. Os testes de padronização do ensaio de ELISA indireto para detecção de IgG anti-CHIKV foram iniciados e mostraram sinais de interação específica para ambos os peptídeos. No entanto, ajustes na metodologia serão avaliados a fim de reduzir ou eliminar a reatividade inespecífica.

 


Palavras-chave


diagnóstico, arbovírus, sorologia