Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Hipsometria e Clinografia como Processos de Auxilio na Compartimentação do Relevo da Bacia Hidrográfica do Córrego Ibó - MT
Gracielle Patricia Moraes, IVANIZA DE LOURDES LAZZAROTTO CABRAL

Última alteração: 26-10-18

Resumo


A compartimentação geomorfológica, permite uma análise mais acurada das particularidades, possibilitando uma melhor compreensão do todo. Para o entendimento dos elementos que compões a paisagem da Bacia Hidrográfica do córrego Ibó (BHCI), área em estudo, o contexto teórico metodológico se estruturou no método de análise sistêmico, adotando a compartimentação hierarquizada proposta por esse método. Os parâmetros hipsométricos e clinográficos, dentre outros elementos (relevo, curva de nível, solo, hidrografia, etc.) permitiram o reconhecimento de duas unidades de relevo na área, que são: Planalto dos Guimarães e Depressão Interplanáltica de Rondonópolis. A proposta tem como objetivo gerar mapa Hipsométrico e Clinográfico, para auxiliar na compartimentação geomorfológica da BHCI que integra os municípios mato-grossenses de Juscimeira e Santo Antônio de Leverger, possibilitando a análise e compreensão das unidades de paisagem que individualizam a Depressão Interplanáltica de Rondonópolis e Planalto dos Guimarães na referida bacia. Os procedimentos metodológicos pautaram-se nos levantamentos bibliográficos, trabalhos a campo, e para realização do mapeamento utilizou-se de dados obtidos por Sensoriamento Remoto como o Modelo Digital de Elevação - MDE do Programa SRTM/ NASA resolução 90m, sobrepostos aos dados da SEPLAN (2002). Esses dados foram tratados, utilizando o software livre ArcGis 9.3, e através desse, gerou mapas Clinográfico, Hipsométrico, Curva de Nível e Relevo Sombreado (produtos auxiliares para caracterização e mapeamento). A representação cartográfica, juntamente com o levantamento geológico e estrutural, motivaram inferir que, as formações geológicas, predominantemente arenosa, fortemente rebaixada por falhamentos, possibilitou uma maior diversidade de formas na unidade da Depressão Interplanáltica de Rondonópolis, e condiz com a dinâmica dessa morfoescultura que promovem em muitos casos, o arrasamento da superfície do Planalto, são regiões onde concomitantemente atuam os processos de deposição e erosão, prevalecendo este último.

Palavras-chave


Geomorfologia. Hipsometria. Clinografia. Compartimentação