Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
EVOLUÇÃO HUMANA NO ENSINO MÉDIO: a mediação de uma sequência didática
LOURIZELMA DOS SANTOS SILVA

Última alteração: 09-10-18

Resumo


Este trabalho tem como objetivo o ensino de conceitos que sustentam a ideia da evolução humana para estudantes do 1º ano do Ensino Médio de uma escola pública de Várzea Grande – MT. Houve o interesse pela elaboração de uma sequência didática que contribua como ferramenta no processo de ensino e aprendizagem, visto a complexidade e os obstáculos cognitivos e culturais trazidos pelos alunos e professores, pouco material didático disponível, e ainda espaço limitado no currículo escolar do Ensino Médio dedicados, tanto a evolução, como seus desdobramentos e significados na compreensão do mundo vivo. Para sistematizar o acesso às concepções prévias sobre a origem humana de 34 estudantes matriculados no 1º ano do Ensino Médio, foi aplicado no início do segundo semestre letivo, um questionário, composto por uma única questão aberta, “De onde viemos?” para que respondessem no formato de um relato como eles explicam a origem do homem. Os resultados encontrados apontam que a maioria, descreve a origem humana sob uma perspectiva fundamentalista (N=25), fazendo uso de citações bíblicas, ou afirmações de cunho religioso para justificar seu posicionamento, considerando Deus como criador da espécie humana e refutam a ideia de evolução biológica, fundamentados pelo argumento de que não “viemos do macaco”. Observou-se um pequeno grupo que respondeu a partir de perspectivas criacionistas, em conjunto com termos científicos (N=2) para explicar a origem da espécie humana (ainda que de forma bem superficial e/ou distorcida), porém não manifestaram crédito em nenhuma delas, de maneira geral, os estudantes pareceram indecisos entre explicações culturais e científicas para a própria origem. Outro grupo, representado por estudantes que manifestaram conhecimento um pouco maior sobre a evolução biológica (N=4), citaram termos como: mutação, genética, macromoléculas, células, mas sem definições ou apropriação dos conceitos. Observou-se ainda, outro grupo que descreve a origem do ser humano sob uma perspectiva do design inteligente (N=3). Diante do posicionamento religioso demonstrado pela maioria dos estudantes em detrimento ao conhecimento científico, julgou-se necessário oportunizar espaços de discussão sobre o assunto.  Essa primeira etapa será pautada à partir da valorização dos pressupostos culturais dos estudantes, e sobretudo, demonstrar que ciência e religião não estão de lados opostos, como acredita a maioria das pessoas, mas tratam-se de empreendimentos humanos que precisam ser reconhecidos e valorizados nos seus devidos contextos. A sequência didática está sendo estruturada em dois eixos principais: (1) apresentação dos conceitos-chaves da teoria evolutiva e a compreensão da dinâmica do mundo vivo; (2) principais eventos históricos do ser humano na Terra. Para o desenvolvimento das atividades em sala de aula, estão sendo associadas várias estratégias didáticas que favoreçam a aprendizagem significativa dos temas propostos. Os resultados da aprendizagem serão coletados e avaliados ao longo da sequência didática, favorecendo a reflexão-ação docente, bem como as tomadas de decisões acerca do ensino e aprendizagem dos temas evolutivos. No final da sequência didática, os estudantes deverão elaborar um mapa conceitual, o qual servirá para avaliar a aprendizagem dos conceitos pelos mesmos, permitindo verificar os esquemas conceituais construídos.


Palavras-chave


evolução humana, sequência didática , aprendizagem significativa