Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
O ENCONTRO COM MULHERES EM TRATAMENTO DO CÂNCER DE MAMA: PERCURSOS METODOLÓGICOS FUNDAMENTADOS PELA ABORDAGEM CENTRADA NA PESSOA
Leihge Roselle Rondon Pereira, Ana Rafaela Pecora-Calhao

Última alteração: 05-10-18

Resumo


Neste trabalho apresentamos os caminhos metodológicos que estão sendo percorridos durante nossa pesquisa de mestrado realizada no Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Mato Grosso. Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa, com natureza exploratório-descritiva, que tem como objetivo identificar mediante as experiências obtidas junto às mulheres que vivenciam o câncer de mama, e que fazem tratamento oncológico em uma clínica especializada em oncologia na cidade de Cuiabá-MT. A pesquisa busca compreender as significações perceptivas construídas e vivenciadas pelas mulheres que, no momento do estudo, estavam fazendo o uso de quimioterapia para o tratamento do câncer de mama. A fundamentação teórica, as análises e assim como os métodos de coleta dos dados são fundamentados pelos pressupostos teóricos da Abordagem Centrada na Pessoa (ACP), uma abordagem com viés psicossocial e que foi proposta por Carl Rogers, psicólogo norte-americano de grande prestígio no campo da Psicologia. A coleta dos dados ocorreu durante o primeiro semestre de 2018, onde realizamos encontros com as mulheres que iniciavam a quimioterapia, propondo entrevistas experiênciais gravadas e individuais, nos moldes de um atendimento psicoterápico, facilitado pelas atitudes de consideração positiva incondicional, congruência e compreensão empática. Como buscávamos compreender as percepções de mulheres acometidas pelo câncer de mama, com vistas a identificar as significações sobre as relações interpessoais vivenciadas por elas, nós procuramos nas entrevistas fomentar um clima de confiança e apoio para fornecer acolhimento, de forma que as pessoas entrevistadas pudessem apresentar suas experiências imediata. Para isso associamos o método das entrevistas com os fundamentos da ACP, a fim de desenvolver uma relação que pudesse expressar o acento afetivo, emocional e subjetivo das experiências compartilhadas. Dessa forma, o processo das entrevistas experienciais são expressões de uma relação de encontro. A opção pela nomenclatura “entrevista experienciais” se justifica pelo fato dos atendimentos serem iniciados com a assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido, em que a pessoa é informada do tema e objetivos do estudo, podendo ter implicações para o atendimento, o que não aconteceria em um atendimento psicológico não associado a coleta de dados para pesquisa. A ACP auxiliou tanto no processo de coleta das significações das participantes do estudo, como ofereceu um caminho para registrar e analisar as afetações e os sentimentos experimentados durante os encontros pela pesquisadora, para isso foi utilizado como recurso o método da Versão de Sentido, um instrumento muito utilizado por Amatuzzi na supervisão de jovens psicoterapeutas, que possibilita a captura da fala expressiva da experiência imediata. Assim, após cada entrevista a pesquisadora realizou gravações em áudio sobre a percepção da experiência que acabara de ocorrer. Ambos os procedimentos foram transcritos e analisados a luz do referencial da ACP, em especial sobre o aporte teórico da Teoria das Relações Humanas. Observamos que o método escolhido para construir a pesquisa proporcionou liberdade na fala das participantes oportunizando compreender suas experiências imediatas, principalmente as relacionadas aos aspectos da adaptação às mudanças vivenciadas, onde se nota as potencialidades do organismo, mesmo diante de situações desfavoráveis.

Palavras-chave


Psicologia; Abordagem Centrada na Pessoa; Entrevistas.