Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Artrópodes edáficos (Araneae, Opiliones e Myriapoda) associados a fragmentos florestais no perímetro urbano de Sinop, Mato Grosso
Genefer Elecianne Raíza dos Santos, Kleber Solera, Ana Lucia Tourinho, Leandro Dênis Battirola

Última alteração: 15-10-18

Resumo


Uma consequência direta e inevitável do desmatamento é a fragmentação florestal, que ocorre à medida que uma grande extensão de floresta é subdividida e diminui de tamanho, principalmente, em função da expansão das áreas urbanas e agrícolas. Assim, é necessária a avaliação da biodiversidade contida nesses remanescentes, afim de compreender a organização espacial dessas comunidades e a direção das mudanças nos processos ecológicos. Esse procedimento permitirá, em longo prazo, avaliar as potenciais perdas e a conservação dos recursos naturais. Estudos sobre a diversidade de artrópodes podem contribuir com o avanço, tanto do conhecimento básico sobre o funcionamento dos ecossistemas, quanto para o monitoramento e planejamento de programas de conservação e uso sustentável dessas áreas. Assim, avaliou-se a comunidade de artrópodes edáficos, especificamente Araneae, Opiliones e Myriapodea, em sete fragmentos florestais urbanos de Sinop-MT. As amostragens foram realizadas com Extrator mini-Winkler e armadilhas pitfall nos meses de julho (seca) e novembro (chuva) de 2017. Em cada fragmento foram definidos seis quadrantes amostrais de 10x10m, em três desses quadrantes foram coletadas cinco amostras de 1m2 de serapilheira e solo superficial (15m² por fragmento florestal) utilizando o Extrator mini-Winkler, e nos outros três quadrantes foram instaladas cinco armadilhas pitfall. O material obtido com os extratores permaneceu suspenso em laboratório por 72 horas para a extração dos miriápodes, e as armadilhas pitfall permaneceram em campo por 48h. Ao todo foram coletados 1.748 indivíduos, com maior abundância de Araneae (1.044 ind.), distribuídos em 27 famílias, 63 gêneros e 14 espécies. Theridiidae (211 ind.; 20,2%), Salticidae (165 ind.; 15,8%), Linyphiidae (108 ind.; 10,35%) e Oonopidae (88 ind.; 8,4%) foram as famílias predominantes, correspondendo a 54,7% do total de Araneae amostrado. Os miriápodes foram representados por 524 indivíduos, distribuídos entre Diplopoda, Chilopoda e Symphyla. Polyxenida foi predominante (447 ind.; 85,3%), seguida por Geophilomorpha (25 ind.; 4,8%), Polydesmida (24 ind.; 4,5%), Scolopendromorpha (10 ind.; 1,9%) e Spirostreptida (2 ind.; 0,38%). Os Symphyla (3 ind.; 0,6%) corresponderam a Hanseniella sp. Dentre os opiliões foram coletados 180 indivíduos, distribuídos em oito famílias e cinco gêneros, com predominância de Samoidae (118 ind.; 65,56%), Zalmoxidae (42 ind.; 23,3%) e Fissiphalliidae (7 ind.; 3,8%). Os fragmentos evidenciaram uma considerável variedade dentre os táxons avaliados, sendo necessários estudos mais aprofundados sobre sua ecologia e distribuição nessas áreas, contribuindo para a conservação das mesmas.


Palavras-chave


Amazônia Meridional, Biodiversidade, Fauna edáfica.