Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Panorama da formação inicial de professores de matemática no estado de Mato Grosso: conhecimento docente em foco
Raquel de Lima Silva, Gladys Denise Wielewski

Última alteração: 14-10-18

Resumo


No contexto histórico da formação de professores no Brasil, sabemos que a discussão sobre essa temática decorre desde o século XIX. No entanto, só em 1996, temos a institucionalização da Lei de Diretrizes e Bases para a Educação Nacional com a Lei n. 9.394/96, em que se pôde considerar um marco político-institucional na educação do país. Assim sendo, o principal objetivo dessa pesquisa é discutir o percurso formativo dos licenciados em matemática do estado Mato Grosso em relação ao conhecimento docente, em formato de panorama. Teoricamente, apoiamos-nos sobre o contexto histórico da formação docente no Brasil, o que dizem as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação docente e as Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de Licenciatura em Matemática, com a intencionalidade de poder apresentar considerações sobre a Formação de professores e as Licenciaturas em Matemática no estado. E, a respeito da discussão sobre o conhecimento docente e as suas relações de saberes, embasamos-nos na base de conhecimento para o ensino, estudado por Shulman (1986, 1987) e analisado por Mizukami (2004). Isto, com o objetivo de caracterizar o conhecimento de “o que” e “como” ensinar. Desta forma, a proposta de pesquisa caracteriza-se num modelo de estudo qualitativo, segundo Bogdan e Biklen (1994), por permitir um maior aprofundamento em entender os fenômenos que ocorrem dentro desse percurso formativo dos licenciados. Em conjunto a este modelo de estudo, conforme Ludke e André (2013), será desenvolvida em caráter de análises documentais, a análise do conjunto de documentos oficiais que compõe a pesquisa. Isto é, os PPC de todas as IES envolvidas no panorama e as Diretrizes Curriculares Nacionais. Portanto, temos a percepção que a discussão sobre a formação docente, em relação aos aspectos do conhecimento docente, é um tema ainda pertinente em meio acadêmico.


Palavras-chave


Formação inicial; Conhecimento docente; Base de conhecimento.

Referências


ALTET, Marguerite. As Competências do Professor Profissional: entre Conhecimentos, Esquemas de Ação e Adaptação, Saber Analisar. In: PERRENOUD, Philippe et al. (Orgs). Formando Professores Profissionais. 2.ed. ver. Porto Alegre: Artmed, 2001, p. 23-35.

ANDRÉ, M. E. D. A; M. LÜDKE. Pesquisa em educação: abordagem qualitativa. 2º ed. São Paulo: EPU, 2013.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação Qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação. Parecer 1.302/2001. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Matemática, Bacharelado e Licenciatura. Brasília: MEC/CNE/CES, 2001.

______.Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução 02/2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília: MEC/CNE/CP, 2015.

______. Lei de Diretrizes e Bases (LDB). Lei n.9.394 de 20 de dezembro de 1996. Brasília: Ministério da Educação e do Desporto, 1996.

GATTI, B. A. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Revista Educação & Sociedade, Campinas. n. 113, v. 31, 2010. p. 1355- 1379.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. 1. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2005.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Aprendizagem da Docência: Algumas Contribuições de L. S. Shulman. Revista Educação, Santa Maria. n.02, v. 29, 2004, p. 33-49.

RIBEIRO, Marcel Thiago Damasceno. Saberes Científicos e Pedagógicos de Conteúdo expressos pelos professores egressos do Programa de Bolsas de Iniciação à Docência em Química da UFMT. 2016. 161f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemática), REAMEC, Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá, 2016.

RIBEIRO, M. T. D; GONÇALVES, T. V. O. Os saberes Docentes na Dinâmica pela Profissionalização do Trabalho Docente. Revista Thema, Pelotas. n. 03, v. 15, 2018. p. 991- 1006.

TARDIF, Maurice. Saberes Docentes e Formação Profissional. 13ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

TARDIF, M., et al. Os professores em face do saber: esboço de uma problemática do saber docente. Teoria & Educação, v.1, n. 4, 1991, p. 215-233.

SAEB. Saeb 2017 revela que apenas 1,6% dos estudantes brasileiros do Ensino Médio demonstraram níveis de aprendizagem considerados adequados em Língua Portuguesa. INEP, 2018. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/saeb-2017-revela-que-apenas-1-6-dos-estudantes-brasileiros-do-ensino-medio-demonstraram-niveis-de-aprendizagem-considerados-adequados-em-lingua-portug/21206>. Acesso em: 07 set. 2018.

STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena Camara (Org.). Histórias e memórias da educação no Brasil: século XX. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.