Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Caminhos, trilhas e cartografias quilombolas de Chapada dos Guimarães-MT
Cassiana Oliveira da Silva

Última alteração: 22-10-18

Resumo


A pesquisa é uma etnografia das trilhas, caminhos e experiências narradas pelos sujeitos do quilombo Ribeirão Itambé. A experiência coletiva com o território de ocupação histórica e “tradicional” narrada pelos interlocutores, permite identificar a existência de uma rede de parentesco e de outras relações sociais que apontam para a existência de uma cartografia quilombola própria e para uma identidade política fundada na territorialidade negra. Pretendo analisar as relações que este sujeito coletivo estabelece com o território, entre o campo de disputas dos múltiplos agentes que vão definindo seus domínios, seus pertencimentos e suas reivindicações por direitos à terra de quilombo. Considerando o contexto de afirmação da identidade étnica como “comunidade remanescente de quilombos”, e quais os sinais diacríticos acionados para o processo de autoatribuição, a  etnografia das redes sociais da comunidade Ribeirão Itambé objetiva focalizar a perspectiva quilombola sobre os caminhos e trilhas que delineiam a cartografia de seu território.

Palavras-chave


Cartografia quilombola; Territorialidade; Comunidade quilombola; Ribeirão Itambé, Chapada dos Guimarães

Referências


ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de (org.). Nova Cartografia Social: Territórios quilombolas e conflitos. Manaus: Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia. UEA Edições, 2010.

_____. Terra de preto, terra de santo, terras de índios: uso comum e conflitos. In: Brasil. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável. Brasil rural em debate: coletânea de artigos/ coord. de Nelson Giordano Delgado. Brasília: CONDRAF/MDA, 2010. 363 p.

_____. Terra de quilombo, terras indígenas, “babaçuais livres”, “castanhais do povo”, faxinais e fundos de pasto: terras tradicionalmente ocupadas. 2.ª Ed., Manaus: PPGSCA-UFAM, 2008.p.192.

ARRUTI, José Maurício. A emergência dos remanescentes: notas para o diálogo entre indígenas e quilombolas. MANA 3(2): 7-38, 1997.

_____. A negação do Território: estratégias e táticas do processo de expropriação da Marambaia. In: Caderno de debates Nova Cartografia Social: Territórios quilombolas e conflitos. ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de (org.). Manaus: Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia/UEA Edições. Vol. 01, n°. 02, 2010. P. 110-116.

_____. Entre campo e cidade: quilombos, hibridismos conceituais e vetores de urbanização. In: Direitos Quilombolas e dever do Estado em 25 anos de Constituição Federal de 1988. Osvaldo Martins de Oliveira (org.). Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Antropologia, p.241-256.

_____. Mocambo: Antropologia e História do processo de formação quilombola. Bauru, SP: Edusc, 2006.

_____. Entre campo e cidade: quilombos, hibridismos conceituais e vetores de urbanização. In: Direitos Quilombolas e dever do Estado em 25 anos de Constituição Federal de 1988. Osvaldo Martins de Oliveira (org.). Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Antropologia, p.241-256.

BARTH, Frederick. Os grupos étnicos e suas fronteiras. In: O Guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Contra Capa Livraria. Rio de Janeiro: 2000. p.25-67.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Etnicidade: da cultura residual mas irredutível. In: CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Cultura com aspas e outros ensaios. Cosac Naify, 2009. p.235-244.

_____. “Cultura” e cultura: conhecimentos tradicionais e direitos intelectuais. In: CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Cultura com aspas e outros ensaios. Cosac Naify, 2009. 311-373p.

ENTRETtERRAS. Brasília, v.1, n.1, jun. 2017.

EVANS PRITCHARD, E. Os Nuer. São Paulo: Perspectiva, 2002.

GORAYEB, Adryane; MEIRELES, Jeovah. Cartografia social vem se consolidando como instrumento de defesa de direitos. Rede Mobilizadores, 10 fev. 2014. Disponível em: <http://www.mobilizadores.org.br/coep/Publico/consultarConteudoGrupo.aspx?TP=V&CODIGO=C20142610482831>.

INGOLD, Tim. Jornada ao Longo de um Caminho de Vida: Mapas, Descobridor-Caminho e Navegação. In: Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, 25(1):76-119,2005.

INSTITUTO CIÊNCIA HOJE. Projeto faz cartografia de comunidades tradicionais brasileiras, 27 jul. 2012. Disponível em: <http://www.palmares.gov.br/archives/21848>. Acessado em 06 outubro de 2017.

LEITE, Ilka B. Humanidades Insurgentes: conflitos e criminalização dos Quilombos. In: Caderno de debates Nova Cartografia Social: Territórios quilombolas e conflitos. ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de (org.). Manaus: Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia/UEA Edições. Vol. 01, n°. 02, 2010.p.18-37.

_____. O Legado do Testamento: a Comunidade de Casca em Perícia. Florianópolis: NUER/UFSC, 2002. 121

_____. Os Quilombos no Brasil: questões conceituais e normativas. Etnográfica, Vol. IV(2). 2000, pp.333-354. (Disponível em: <file:///C:/Users/Olivers/Downloads/Vol_iv_N2_333-354.pdf)

LOURENÇO, Sonia Regina. A emergência de identidades étnicas das comunidades quilombolas de Chapada dos Guimarães. In: Revista Afro-Ásia, nª49, 2015. p.9-40.

_____. Comunidades Quilombolas de Chapada dos Guimarães. In: Direitos Quilombolas e dever do Estado em 25 anos de Constituição Federal de 1988. Osvaldo Martins de Oliveira (org.). Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Antropologia, 2016. p.109-124.

MAFRA, Clara. Apresentação a um Artigo de Tim Ingold. In: Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, 25(1):72-75,2005.

O’DWYER, Eliane C. Os quilombos e as fronteiras da antropologia. Antropolítica (UFF). v.19, p.91-111, 2005.

_____. (Org.). Quilombos: identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro. Editora FGV, 2002 p.83-108.

_____. Terras de Quilombos no Brasil: direitos territoriais em construção. In: Caderno de debates Nova Cartografia Social: Territórios quilombolas e conflitos. ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de (org.). Manaus: Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia/UEA Edições. Vol. 01, n°. 02, 2010. p.41-49.

_____. Remanescentes de quilombos na fronteira amazônica: a etnicidade como instrumento de luta pela terra. ln: Reforma Agrária - Ensaios e Debates. Dez. De 1993.

OLIVEIRA, João Pacheco. Uma etnologia dos “índios misturados”? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana vol.4 n.1 Rio de Janeiro Apr. 1998.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso. O trabalho do antropólogo. Brasília: Paralelo 15; São Paulo: Editora UNESP, 2006.

PEIRANO, Mariza. Novos caminhos da antropologia. Debates epistemológicos em antropologia. VII Jornadas de Investigación em Antropologia Social, Buenos Aires, 27-29 de novembro de 2013.

PNCSA, Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia. Site institucional. Disponível em: <http://novacartografiasocial.com/>.

SANTOS, Milton. Metamorfose dos espaços habitados: fundamentos teóricos e metodológicos da geografia. São Paulo: Hucitec, 1988.

SILVA, Cassiana Oliveira. Etnografia do território quilombola Ribeirão Itambé: território e etnicidade em Chapada dos Guimarães, MT. Monografia de Graduação. Curso de Ciências Sociais. UFMT, 2017.

SILVA, Danielli K. Pascoal. Cosmologia quilombola: entre arrumações, benzeções e seres não-humanos. Monografia de Graduação. Curso de Ciências Sociais. UFMT, 2014.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O nativo relativo. Mana vol.8 n°.1 Rio de Janeiro Apr. 2002.