Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
ANÁLISE ESPAÇO-TEMPORAL DA PAISAGEM AO LONGO DA BR-163 (CUIABÁ-SANTARÉM) E SUA IMPLICAÇÃO NA CONSERVAÇÃO AMBIENTAL
Cristiano Alves da Costa, Domingos de Jesus Rodrigues, Flavia Rodrigues Barbosa

Última alteração: 15-10-18

Resumo


A alteração da paisagem, através da conversão de florestas em áreas destinadas ao desenvolvimento agropecuário e humano marcou a ocupação da rodovia Cuiabá-Santarém, resultando em gradientes de fragmentos florestais residuais ao longo do trajeto. A modificação do ambiente resulta na redução de habitat, alteração da disponibilidade de recursos, variação dos gradientes ambientais como mudança de microclima, presença de ventos, excesso de radiação entre outras, o que afeta diretamente a biodiversidade. Assim, este trabalho objetiva analisar as mudanças na paisagem resultantes da conversão de áreas florestais para desenvolvimento de atividades antrópicas e a fragmentação florestal ao longo da BR-163 (trecho Cuiabá-Santarém) compreendida entre os anos de 1985 a 2017 e sua influência na conservação ambiental. A área a ser analisada, corresponde a aproximadamente 1.765 km, compreendendo o território de 109 municípios localizados nos biomas Amazônia, Cerrado e Pantanal, e sua transição. A fim de avaliar a área de influência indireta da rodovia, será observada uma faixa de 100 quilômetros de seu entorno (ambos os lados), totalizando 366.688,65 km². Visando a otimização do tempo de processamento de dados será criado um retângulo envolvente que engloba toda a área de estudo, este possui dimensões de 404,84 x 1.662,302 km (largura x comprimento), correspondendo a 669.902,16 km². Para o estudo, representando o ordenamento territorial serão utilizados dados vetoriais contendo os limites municipais, estaduais, áreas protegidas (unidades de conservação e terras indígenas), terras públicas e privadas e infraestrutura, sendo oriundas da Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais (INDE). Para o estudo, serão utilizadas 64 folhas da coleção do Projeto de Mapeamento Anual da Cobertura e Uso do Solo do Brasil (MapBiomas), distribuídas em seis classes (Floresta, Formação natural não-florestal, Agropecuária, Área não-vegetada, Corpos d’água e Não-observado) para o período de 1985 a 2017. O processamento dos dados será realizado no software livre de geoprocessamento Quantum GIS (QGIS), com auxílio do complemento Land cover Statistics (LecoS). O conjunto de métricas de paisagem a serem descritas compõem a quantidade de fragmentos florestais; estados graduais de alteração da paisagem (habitat intacto, variegado, fragmentado ou relictual) ao longo do período; sua classificação (manchas, corredores, pontos de ligação e matriz); área individual; distância entre o centro e borda; forma; distância entre fragmentos e correlação espacial entre os fragmentos. Após a análise das métricas de paisagem serão elaborados os mapas temáticos representando a alteração da paisagem. Como resultados espera-se: 1) quantificar a alteração na paisagem e sua influência na fragmentação florestal, 2) proporcionar métricas a fim de subsidiar estudos sobre fragmentação de habitats e sua influência na conservação de comunidades biológicas.


Palavras-chave


Conservação; Ecologia de paisagem; Gestão Territorial; Uso do solo