Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
PROFISSIONALIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE: O NOVO PLANO DE CARGOS, CARREIRA E VENCIMENTOS DA EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE RONDONÓPOLIS-MT
ISABEL CAVALCANTE FERREIRA

Última alteração: 20-10-18

Resumo


O presente estudo em andamento [...] trata das transformações profundas ocorridas no mundo do trabalho contemporâneo, a partir da reestruturação produtiva sob a lógica da acumulação flexível do capital, das mudanças tecnológicas, culturais, sociais, políticas e econômicas que têm afetado a vida profissional e pessoal do trabalhador docente. Essas transformações e mudanças têm se constituído numa das nossas maiores preocupações, especificamente ao que tange à carreira docente. Sabe-se que o conceito de mundo do trabalho na contemporaneidade se traduz mediante os termos flexibilização, desregulamentação, precarização e proletarização. Estes, delineados globalmente, pelo modelo toyotista de organização do processo produtivo, que mantem o padrão de produção, exploração e controle da força de trabalho, exigindo dos trabalhadores a busca desenfreada pela qualificação e requalificação profissional, como condição para competir no mercado de trabalho. O que, de certo modo explicita, as reformas das políticas que estão sendo implementadas no Brasil para a profissionalização do trabalho docente. Resultantes das influências sofridas por questões econômicas, políticas e culturais, sob a ótica do neoliberalismo e da globalização. Elementos gerencialistas estão presentes nessas políticas e impõem novas performances profissionais ao trabalho/trabalhador docente, redimensionam e alteram os objetivos, funcionamentos e organização no campo da educação e, consequentemente, no campo da profissão docente. Neste estudo, partimos da questão norteadora: Quais contribuições e implicações do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos para profissionalização do trabalho docente da rede municipal de ensino de Rondonópolis-MT? Questão posta porque a profissionalização do trabalho docente é uma intenção da sociedade global capitalista; apresenta-se, em discussão constante nas políticas públicas e econômicas da América latina por intermédio dos organismos internacionais [OIT, UNESCO]; a ideia de carreira como indicador de profissionalização para valorização profissional, atratividade e profissionalismo do trabalhador docente, no atual contexto do mundo do trabalho contemporâneo está ligado aos fatores formação inicial na academia, cursos profissionalizantes para conquista de uma profissão e posição ocupacional no mercado de trabalho. Assim sendo, este estudo utiliza-se da pesquisa de cunho qualitativo fundamentada nos pressupostos metodológicos do materialismo histórico dialético. Pois, o todo dialético esclarece ser o trabalho docente na sua constituição um trabalho vivo, cheio de subjetividade, amplamente social. O objetivo deste estudo é discutir o processo de profissionalização do trabalhador docente da rede municipal de ensino, a partir da análise do Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos da Educação do Município de Rondonópolis-MT – PCCV – Lei 228 de 28 de março de 2016, e as contribuições e implicações da profissionalização do trabalho docente na teia das relações de classes, de reprodução, das relações sociais e reinvenção do capitalismo nos seus períodos de crises. Neste sentido, observamos as resistências e contestações, dominação e opressão no processo de disputa para reestruturação do anterior Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Educação. Análises parciais indicam que a profissão docente no PCCV, comparece nas formações acadêmicas exigidas para ingresso na carreira docente, nas formações permanentes e pós-graduações no intuito de profissionalização.


Palavras-chave


Política Educacional. Profissionalização Docente. Plano de Carreira

Referências


 

BALL, Stephen J. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, v. 35, nº 126, P 539-564, set/dez. 2005.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto - Portugal 1994.

CELLARD, André. A análise documental. In: POUPART, Jean et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008 (Coleção Sociologia).

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e a crise do capitalismo real. 4ª ed. – São Paulo, Cortez, 2000.

GATTI, B. A., BARRETTO, E.S.S. Professores: aspectos de sua profissionalização, formação e valorização social. Relatório de Pesquisa, DF: UNESCO, 2009.

HARVEY, DAVID. O capital vai ao trabalho. In:____. O Enigma do Capital: e as crises do capitalismo. São Paulo,- SP, 2011.

HARVEY, David. Condição pós moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 9ª ed. São Paulo: Edições Loyola, 2000.

IANNI, Octávio, Globalização e Neoliberalismo. São Paulo em Perspectiva 12(2), 1998. Disponível em:  http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v12n02/v12n02_03.pdf. Acesso em 09/08/2018.

LIBÂNEO, José Carlos; OLIVEIRA, João Ferreira; Toschi, Mirza Seabra. Educação escolar: políticas, estruturas e organizações. Ed.10. São Paulo: Cortez, 2010.

RONDONÓPOLIS. Lei nº 228 de 28 de março de 2016. Dispões sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos da Educação.

SEVERINO, Joaquim Antônio. Metodologia do trabalho científico. 23ª ed. São Paulo: Cortez, 2007.