Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RELAÇÕES INTERCULTURAIS NA COMUNIDADE DE BARRANCO ALTO (MT)
Suzete Silva Galdino

Última alteração: 14-10-18

Resumo


Resumo: Esta dissertação está sendo desenvolvida no âmbito da linha de pesquisa Movimentos Sociais, Política e Educação Popular do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). O estudo tem por objetivo discutir a temática ambiental como âncora identitária mediadora das relações interculturais na comunidade de Barranco Alto, localizada no município de Santo Antônio de Leverger, Mato Grosso. A discussão proposta leva em conta os aspectos econômicos, as relações intracomunitárias, as condições ambientais e as peculiaridades da educação formal e informal lá desenvolvida. O estudo analisa a percepção dos diferentes segmentos sociais presentes na comunidade em relação aos temas ambientais, tidos como estratégicos para o desenvolvimento socioeconômico da comunidade. A dissertação está dividia em três seções. Na primeira, é realizada a revisão bibliográfica que discute o processo de colonização em Mato Grosso e o impacto sobre as comunidades ribeirinhas. A segunda, retrata o processo de formação da comunidade ribeirinha de Barranco Alto, identificando os principais mecanismos de interação social, alianças e cooperações, bem como as tensões e conflitos na atualidade. A terceira seção trata dos resultados obtidos na pesquisa de campo, com cinco diferentes atores sociais que formam a comunidade: antigos moradores (ribeirinhos tradicionais); proprietários de chácaras de lazer (moradores de finais de semana); famílias de agricultores assentados (sem-terra); operadores locais de turismo (donos de pousadas, de pesqueiros etc.) e os representantes institucionais do poder público (Sema, Ibama, Polícia Ambiental, vereadores etc.).  O método utilizado foi de natureza etnográfica e diagnóstica, por possibilitar uma abordagem qualitativa baseada na interpretação da realidade local. Os dados de campo foram obtidos por meio de entrevistas semiestruturadas, rodas de conversas, relatos, histórias de vida e observações diretas.  Os resultados reunidos apontam que, com o passar do tempo vem se intensificando os problemas socioambientais e interferindo na vida dos ribeirinhos. O poder público tem pouco diálogo com as comunidades tradicionais e com os demais segmentos sociais. Isso inibe a proposição de políticas públicas e de iniciativas relacionadas à preservação ambiental. De outra parte, a própria comunidade tem dificuldade de perceber que os conflitos de interesses e a desarticulação entre os segmentos sociais impede o afloramento das identidades locais e a busca conjunta de soluções que atendam a toda a comunidade.

Palavras-Chave: Colonialidade. Comunidade Ribeirinha de Barranco Alto. Modernidade. Educação Ambiental.