Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Variação temporal no esforço e na composição das capturas da pesca recreativa em um trecho da Bacia do Rio Cuiabá, Pantanal de Mato Grosso, Brasil
Brayan Allan Rosa Massaroli

Última alteração: 25-10-18

Resumo


Atualmente, o recurso pesqueiro do Pantanal é explorado por três modalidades de pesca: subsistência, profissional-artesanal e recreativa (Catella et al. 2008), sendo a pesca recreativa a modalidade mais expressiva (Catella, 2006; Neto & Mateus, 2009). A pesca recreativa é extremamente difícil de se quantificar, por ser utilizada muitas vezes apenas para a obtenção de alimento para os lares, e por ser praticada por um número menos expressivo que as demais categorias de pesca (FAO, 2018). Dessa forma, raramente existem dados disponíveis sobre as capturas, taxas de participação e esforço de pesca. Este trabalho teve como objetivos principais descrever a composição das capturas e estimar o esforço de pesca empregado pelos pescadores recreativos na Bacia do Rio Cuiabá. Para tal, foram utilizados questionários semiestruturados de cunho socioeconômicos e de rendimento pesqueiro em entrevistas realizadas entre outubro e novembro de 2013 e de maio a outubro de 2014. Foi registrado através das entrevistas a captura de 32.873 indivíduos de 21 espécies de peixes, de 9 famílias e 3 ordens taxonômicas, onde a espécie mais capturada foi o pacu-peva (30%). Foram entrevistados um total de 755 pescadores recreativos, destes 86% eram homens e 14% eram mulheres, a maioria tinham ensino médio completo (64%) ou superior (31%), oriundos de cidades do estado de Mato Grosso (94%), aproximadamente 30% eram autônomos ou servidores públicos e investiram em média R$ 539,70 com a pescaria. Dentre os meses amostrados, os que se diferenciaram significativamente dos demais em relação a captura e esforço de pesca, foram os meses de vazante (junho, julho e agosto). A captura por unidade de esforço (CPUE) foi maior nos meses do período da vazante, com média de 7 indivíduos capturados por cada unidade de esforço empregada. Em uma nova amostragem de 2018, foi levantado 48 pesqueiros ao longo da bacia do rio Cuiabá, que totalizaram 174 tablados. Onde foi estimado o rendimento econômico da pesca recreativa que está avaliada em R$ 427,08 (dia/pesqueiro), R$ 3.843,75 (mês/pesqueiro) e um rendimento total anual de R$ 1.476.000,00.


Palavras-chave


pesca; recreativa; pantanal; cuiabá.

Referências


 

CARDOSO, R. S., FREITAS, C. E. de C. Landing and fishing effort of commercial fishing fleet of Manicoré city (Medium Madeira River), Amazonas, Brazil. Acta Amazonica, v. 37, n. 4, p.  605-612, 2007.

ALVES DA SILVA, M. E. P.; CASTRO, P. M. G. de; MARUYAMA, L. S.; PAIVA, P. de. Fishery survey and socioeconomic profile of professional artisanal fishermen in billings reservoir. Boletim do Instituto de Pesca, v. 35, n. 4, p. 531-543, 2009.

FAO. Recreational fisheries. FAO Technical Guidelines for Responsible Fisheries, n. 13, p. 176, 2012.

CATELLA, A. C.; ALBUQUERQUE, S. P; CAMPOS, F.L. de R.; SANTOS, D.C. dos. Sistema de controle da pesca de Mato Grosso do Sul SCPESCA/MS 20 - 2013. Embrapa Pantanal, Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, v. 127, n. 20, p. 57, 2014.

PETRERE Jr. M; WALTER, T.; MINTE-VERA, C.V. Income evaluation of small scale fishers in two Brazilian urban reservoirs: Represa Billings (SP) and Lago Paranoá (DF). Brazilian Journal of Ecology, São Carlos, v. 66, n. 3, p. 817-828, 2006.

NETTO, S.L., & MATEUS, L.A.F. Comparação entre a pesca profissional- artesanal e pesca amadora no Pantanal de Cáceres, Mato Grosso, Brasil. B. Inst. Pesca, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 373-387, 2009.

PETRERE JR., M. Pesca e esforço de pesca no Estado do Amazonas. I. Esforço e captura por unidade de esforço. Acta Amazonica, v. 8, n. 3, p. 439-454, 1978.

BRITSKI, H.A.; SILIMON, K.Z.S.; LOPES, B.S. Peixes do Pantanal: Manual de Identificação. Embrapa, Brasília, DF. V. 2, p. 227, 2007.

MATEUS, L.A.F.; PENHA, J.M.; PETRERE, M. Fishing resources in the Cuiabá basin, Pantanal do Mato Grosso, Brasil. Neotropical Icthyology, Porto Alegre, RS. V. 2, n. 4, p. 217-227, 2004.