Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
ECOLOGIA DO CARANGUEJO Dilocarcinus pagei Stimpson, 1861 (Brachyura, Trichodactylidae): DA ISCA AO INDIVÍDUO
Luiza Moura Peluso

Última alteração: 25-10-18

Resumo


População é um conjunto de organismos da mesma espécie, que vivem juntos e se reproduzem. Nascimentos, mortes e migração são processos que determinam o aumento e a diminuição do número de indivíduos na população. Esses processos podem ser influenciados por características ambientais e pelas interações ecológicas que envolvem a espécie alvo. A espécie Dilocarcinus pagei (Decapoda: Brachyura, Trichodactylidae), é uma espécie de caranguejo dulcícola, todo ciclo de vida se dá em ecossistemas aquáticos de água doce. No Pantanal, geralmente, vive nas margens dos rios e de outros corpos d’água permanente. Na época da cheia, ocupa a planície de inundação em busca de novos habitats para crescimento, reprodução ou forrageamento de indivíduos. Como as demais espécies da infraordem Brachyura, D. pagei é fundamental na transferência de energia entre o ambiente aquático e terrestre por atuar em diferentes níveis tróficos e ser presas para diversos grupos como peixes, aves, quelônios e mamíferos aquáticos. Além disso, D. pagei têm importância econômica por ser utilizada como isca na prática da pesca principalmente na região do Pantanal. Nesse contexto, queremos entender como o número de indivíduos da população de caranguejos Dilocarcinus pagei varia ao longo do tempo em resposta a diferentes fatores. Os objetivos desse estudo são: (i) caracterizar as capturas e descrever a estrutura dos estoques de caranguejo Dilocarcinus pagei. Considerando a pergunta: Qual o atual estado de explotação da espécie D. pagei na bacia do rio Cuiabá? (ii) avaliar o efeito da predação por aves de rapina sob população de caranguejo Dilocarcinus pagei diferentes habitats; (iii) estudar a dinâmica populacional de Dilocarcinus pagei com indivíduos marcados em áreas temporariamente inundadas estimando parâmetros da população como tamanho da população, sobrevivência aparente, taxa de recrutamento e área de vida. A coleta de dados será realizada na bacia no rio Cuiabá e em áreas temporariamente inundadas no Pantanal Norte.


Palavras-chave


dinâmica de população; explotação; predação

Referências


DAVANSO, T. M.; TADDEI, F. G.; SIMÕES, S. M.; FRANSOZO, A; COSTA, R. C. 2013. Population dynamics of the freshwater crab Dilocarcinus pagei in tropical waters in southeastern Brazil. Journal of Crustacean Biology, 33 (2): 235-243.

GOTELLI, N. J. 2009. Ecologia.4ª.ed. Planta Editora.

JUNK, W. J.; NUNES DA CUNHA, C. 2005. Pantanal: a large South American wetland at a crossroads. Ecological Engineering. 24: 391-401.

JUNK, W.J. 2005. Flood Pulse and the linkages between terrestrial, aquatic, and wetland systems. International Association for Theoretical and Applied Limnology. 29:11-38.

MAGALHÃES, C. 2000. Diversity and abundance of decapod crustaceans in the Rio Negro basin, Pantanal, Mato Grosso do Sul, Brazil. In: Chernoff, B.; Alonso, L. E.; Montambault, J. R. & Lourival, R. (Eds). A biological assessment of the aquatic ecossystems of the Pantanal, Mato Grosso do Sul, Brazil. RAP Bulletin of Biological Assessment 18. Conservation International.

PINHEIRO, M. A. A. & TADDEI, F. G. 2005a. Crescimento do caranguejo Dilocarcinus pagei Stimpson, 1861 (Crustacea, Brachyura, Trichodactylidae). Revista Brasileira de Zoologia. 22(3): 522-528.

PINHEIRO, M.A.A. 1991. Distribuição e Biologia Populacional de Arenaeus cribrarius (Lamark, 1918) (Crustacea, Decapoda, Brachyura, Portunidae), na enseada da Fortaleza, Ubatuba, SP. 175 p. (Dissertação de Mestrado). Instituto de Biociências - UNESP Campus de Botucatu, São Paulo.

PINHEIRO, M; TADDEI. F. 2005b. Relação peso/largura da carapaça e fator de condição em Dilocarcinus pagei Stimpson (Crustacea, Trichodactylidae), em São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia. 22: 825-829.

SILVA-FILHO, M. I. 2004. Perturbação hidrológica, estabilidade e diversidade de macroinvertebrados em uma zona úmida (Lagoas intermitentes) do semi-árido brasileiro. 155p. (Tese de Doutorado). Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, São Paulo.

SILVA-JUNIOR, E. F.; SILVA-ARAÚJO, M.; MOULTON, T. P. Distribution and abundance of freshwater decapods in an Atlantic rainforest catchment with a dammed future. Brazillian Journal of Biology.

TADDEI, F. G.; DAVANSO, T. M.; CASTIGLIONI, L.; HERRERA, D. R.; FRANSOZO, A.; COSTA, R. C. 2015. Population structure, recruitment and mortality of the freshwater crab Dilocarcinus pagei Stimpson, 1861 (Brachyura, Trichodactylidae) in Southeastern Brazil. Invertebrate Reproduction & Development.

TADDEI, F. G.; HERRARA D.R. 2010. Crescimento do caranguejo Dilocarcinus pagei Stimpson. Boletim do Instituto de Pesca. São Paulo, 36(2): 99 – 110.

TADDEI, F.G. 1999. Biologia populacional e crescimento do caranguejo de água doce Dilocarcinus pagei Stimpson, 1861 (Crustacea, Brachyura,Trichodactylidae) da Represa Municipal de São José do Rio Preto, SP. 107p. (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual Paulista - UNESP. Botucatu.