Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
MANIFESTAÇÕES POLÍTICAS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO DO CAMPO
Rosângela Pereira Oliveira

Última alteração: 14-10-18

Resumo


A problematização que orienta esta pesquisa de doutorado centra-se nas seguintes questões: Que manifestações políticas estão presentes no currículo da Educação do Campo? Que lentes percebemos nos textos, legislativos e/ou escolares e nas práticas cotidianas do currículo? Quais estratégias configuram a política de currículo? Para investigação do currículo da Educação do Campo elegemos como lócus a “Escola Nova Sociedade”, situada no assentamento Itapuí em Nova Santa Rita – Rio Grande do Sul. A possibilidade de tornar visíveis as manifestações políticas nos currículos da Educação do Campo justificam esta pesquisa. O suporte epistemológico está relacionado a abordagem decolonial, numa compreensão ontologicamente crítica, uma construção epistemológica aportada nos pensamentos de Aníbal Quijano (2005), José Carlos Mariátegui (2007) e em Enrique Dussel (1994), pois, se ancora na relevância da cultura e sua  relação consistente com a política sob uma perspectiva ampla, como possibilidade de construção contra hegemônica (GRAMSCI, 1984; 1989). Nesta direção a teoria crítica de currículo desenvolvida por Apple (1982) contribui na articulação das análises propostas por esta pesquisa mediante à realidade da escola do Campo. Consideramos como perspectiva de análise de dados a concepção do ciclo de políticas desenvolvida por Ball, Maguire; Braun (2016); Ball (2011) com a qual nos propomos a investigar caminhos, fatores socioculturais e históricos que se manifestam na construção e reconstrução para elaboração e reelaboração das políticas de currículo, considerando o movimento dos contextos de influência, produção de texto legais e da prática deste currículo. Para o desenvolvimento da pesquisa foram consideradas: o estudo exploratório bibliográfico com levantamento em repositórios no  banco de teses e dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD - ibct) como resultado parcial temos 25 teses e dissertações que se ligam a pesquisa com temas adjacentes: currículo, Educação do Campo, ciclo de políticas, mas nenhuma delas tem a perspectiva decolonial para olhar o currículo da educação do Campo. Nas fontes documentais temos o Projeto Político Pedagógico, planos de ensino da referida escola do campo, e, registro em caderno de campo, assim como entrevistas semiestruturadas com 17 protagonistas do currículo entre agricultores, educadores e gestores. Como critérios de seleção dos entrevistados foram considerados a atuação no processo de formação da escola e/ou construção e materialização do currículo. Como resultados parciais podemos perceber algumas manifestações políticas do currículo da Educação do Campo presentes nos textos escolares e na metodologia de ensino com ênfase na formação integral em uma perspectiva descolonizante das relações humanas.

 


Palavras-chave


Educação do Campo. Currículo. Decolonialidade. Ciclo de políticas.

Referências


APPLE, Michael. Ideologia e Currículo. São Paulo: Editora Brasiliense S.A. 1982.

BALL, Stephen J; MAINARDES, Jefferson. Políticas Educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011.

____, Stephen J., MAGUIRE, M., Braun, A. Como as escolas fazem as políticas. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2016

DUSSEL, Enrique, D. Filosofia da libertação na América Latina. Trad. Luiz João Gaio. São Paulo: Loyola, 1994

GRAMSCI, Antônio.  Concepção dialética da História. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1989.

_________, Antônio.  Maquiavel e o príncipe moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984.

MARIÁTEGUI, José Carlos. Mariátegui sobre Educação. Seleção de textos e tradução de Luiz Bernardo Pericás. São Paulo:Xamã, 2007.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do Poder, Eurocentrismo e América Latina. In: Lander, Edgardo (org). A colonialidade do saber. Eurocentrismo e ciências sociais, perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005, pp.227-278.