Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
FÍSICA APLICADA AO ENSINO DE TÉCNICAS POLICIAIS – FAETP
Jefferson dos Santos Duca

Última alteração: 08-10-18

Resumo


O estado de Mato Grosso possui alto índice de criminalidade, uma capacitação e especialização de excelência, com significado e importância de mesmo peso à atividade de servir e proteger, exige ferramentas de ensino eficazes.

Esta pesquisa relaciona conhecimentos da Física com o ensino de técnicas policiais, buscando verificar se através da aprendizagem significativa e aprendizagem significativa crítica, facilita-se o processo de aprendizagem com vistas à melhoria na eficiência e segurança durante a execução de técnicas policiais que aplicam ou se baseiam em saberes físicos.

A pesquisa está sendo desenvolvida desde 2016, quando houve necessidade de incremento na grade de instrução de especialização e capacitação dos policiais do batalhão da ROTAM- MT.

Esta pesquisa se concretizou graças à atuação do autor, que se divide entre o exercício policial no referido batalhão, onde exerce também a função de instrutor, e a formação na Pós-graduação em Ensino de Ciências Naturais. A elaboração do material instrucional se deu face à real aplicação do mesmo, tornando-o potencialmente significativo.

O público da pesquisa são servidores públicos: policiais militares, agentes do sistema penitenciário, bombeiros militares, policiais civis e agentes de segurança pública de Mato Grosso e, eventualmente, outros estados.

A aplicação dos conhecimentos da Física, sintetizados no material instrucional, foi associada à técnica policial em três disciplinas:

- “Condução de veículo de urgência e emergência (viatura oficial)”;

- “Física aplicada à técnica de controle e submissão de infrator da lei”; e

- “Uso de arma de energia conduzida (SPARK)”.

A pesquisa se desenvolve à luz da aprendizagem significativa e significativa crítica, para tanto, como atividade inicial é aplicado um questionário prévio a fim de investigar os subssunçores dos aprendizes e, ao final das instruções, é oferecido um exercício em que os aprendizes devem aplicar o que foi estudado à técnica policial. Os resultados das avaliações servem de base de dados para pesquisa, além de entrevistas.

Sob uma analise simplificada, que considera dados estatísticos obtidos das notas das avaliações prévia e final, é possível afirmar que a  metodologia, de associar conceitos físicos à técnica policial, apresentou um aumento considerável na média dos aprendizes tanto na prova teórica quanto na prova prática.

Em turmas com características semelhantes, escolheu-se uma em que não foram abordados os conceitos físicos. O resultado das avaliações teóricas e prática desse grupo foi inferior ao das turmas que tiveram instrução associada à Física.

A aceitação do produto educacional é percebida, pois hoje compõe o currículo obrigatório nos seguintes cursos: “Curso de controle e submissão- ROTAM”; “Curso de comboio escolta e contra emboscada – SISPEN” e “Curso de intervenção rápida – SISPEN”.

Com a intenção de melhorar a formação e atuação dos agentes de segurança pública, os resultados sugerem a importância de agregar a Física como base teórica de muitos ensinamentos técnicos. Os resultados podem ainda fomentar outras propostas de aplicação do conhecimento científico a diferentes técnicas que ainda desconsideram o aporte teórico na facilitação do ensino aprendizagem.

Palavras-chave


ensino;física;técnica;policial

Referências


AUSUBEL, D.P.; NOVAK, J.D. e HANESIAN, H. (1980). Psicologia educacional. Rio de Janeiro, Interamericana. Tradução para português, de Eva Nick et al., da segunda edição de Educational psychology: a cognitive view

AUSUBEL, D.P. (1968). Educational psychology: a cognitive view. New York, Holt, Rinehart, and Winston.

AUSUBEL, D. P., The Acquisition and Retention of Knowledge: A Cognitive View. Nova York: B. V., 2000.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem Significativa Crítica - Instituto de Física UFRGS, Porto Alegre, 2005.

RADÉ, T. S., O Conceito de Força na Física – Evolução Histórica e Perfil Conceitual, 2005, 173f, Tese (Mestrado) – Universidade Luterana do Brasil, Canoas

Nussenzveig, H. M; Curso de física básica 1: Mecânica, Edgard Blucher

http://www.infoescola.com/fisica/forcas-no-plano-inclinado/. Acesso em 20/09/2017