Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
AS ALTERAÇÕES AMBIENTAIS E CULTURAIS EM COMUNIDADES DO CERRADO DO PANTANAL, POCONÉ, MATO GROSSO
Sr. Martine

Última alteração: 14-10-18

Resumo


Esta pesquisa de mestrado apresenta elementos do universo cultural em algumas comunidades localizadas em uma região autodenominada de Cerrado do Pantanal, no município de Poconé-MT. Escolhemos seis comunidades: duas quilombolas, duas tradicionais e dois assentamentos, conforme a autodenominação de seus representantes. Nos últimos anos, esta região de transição entre os biomas Cerrado e Pantanal vem sofrendo alterações em seu ambiente, provocadas essencialmente pelo avanço do agronegócio, que comprime o espaço destas comunidades. Usamos a perspectiva da Educação ambiental crítica para compreender estes processos de transformação no ambiente, e, especialmente, refletir sobre as relações sociais presentes neste processo, considerando as relações entre o ambiente (habitat), a sociedade (habitantes) e a cultura (hábitos). Isto posto, o objetivo desta pesquisa foi estudar estas transformações no ambiente e se estas mudanças estão influenciando no dinamismo da cultura de comunidades localizadas nesta região. Para tanto, usamos a metodologia do Mapa Social, cuja instrumentalização nos permitiu construir esta pesquisa junto às pessoas que vivem nestas comunidades, assim, considerou-se a autonarrativa e a autodenominação dos sujeitos de pesquisa, realizadas em procedimentos metodológicos como: pesquisas de campo, entrevistas, seminários de mapeamento social e processo formativo, possibilitando uma composição coletiva somada às minhas interpretações de pesquisador, considerando a não neutralidade da pesquisa. Fugindo da pretensão de postular, após o delineamento destes objetivos que realizados por meio do caminho metodológico do Mapa Social, proponho possíveis resultados, indicando alguns impactos ambientais provocados pela ação predatória do agronegócio no Cerrado do Pantanal como: desmatamento, assoreamento dos rios, queimadas, contaminação da terra, ar e água provocada pelo uso indiscriminado de agrotóxicos, desaparecimento da fauna e flora nativa. Estes impactos estão influenciando a alteração na cultura destas comunidades em um ritmo relativamente rápido.

Palavras-chave


Educação Ambiental. Cultura. Mapa Social. Cerrado do Pantanal.

Referências


AREVAL, Amanda. Entre linhas e nós: um olhar da educação ambiental sobre o currículo na comunidade quilombola de Mata Cavalo. Cuiabá: 2018, 129f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Educação, UFMT.

BARTH, Frederik. Grupos Étnicos e suas fronteiras. In: POUTIGNAT, Philippe. et al. Teorias da Etnicidade. Tradução de Élcio Fernandes. São Paulo: UNESP, 1998.

BARTH, Frederik. O Guru, iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2000.

BOFF, Leonardo. Ecologia, mundialização e espiritualidade. São Paulo: Ática, 1993.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A educação como cultura. Campinas: Mercado das letras, 2002.

__________________________________. Vocação de criar: anotações sobre a cultura e as culturas populares. Cadernos de Pesquisa, v. 39, n. 138, p. 715-746, 2009.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 6040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm >. Acesso em: 28 ago. 2018.

FERREIRA, João Carlos Vicente. SILVA, Pe. José de Moura e. Cidades de Mato Grosso: origem e significados de seus nomes. Cuiabá: J.C.V. Ferreira, 2008.

FREIRE, Paulo.  Ação cultural para a liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Coletivo Sabotagem, 2002.

FREIRE. Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

JABER-SILVA, Michelle Tatiane. O mapeamento dos conflitos socioambientais de Mato Grosso: denunciando injustiças ambientais e anunciando táticas de resistência. São Carlos, UFSCar, 2012. 253f. Tese (Doutorado em Ciências) - Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Recursos Naturais, UFSCar.

JABER-SILVA, Michelle. SILVA, Regina Ap. O mapa social e a educação ambiental: diálogos de um mapeamento participativo no Pantanal, Mato Grosso, Brasil. Revista de Educação Pública Cuiabá, V. 24, N. 55, P. 201-221. JAN-ABR 2015.

KAWAHARA, Lúcia S. I. Currículos festeiros de águas e outonos: fenomenologia da educação ambiental pós-crítica. Cuiabá: 2015, 287f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, UFMT.

LAGES, Vinicius Nobre. Agrobiodiversidade: entre natureza e cultura. In: BASTOS FILHO, Janner B.; AMORIM, Nadia F. M. de.; LAGES, Vinicius Nobre (Org). Cultura e desenvolvimento: a sustentabilidade cultural em questão. Maceió: PRODEMA/UFAL, 1999. p. 73.

MACONDES, Kathy Amorim. CÓ, Walter Luiz Oliveira. Gaia: uma semente: educação ambiental interdisciplinar. Vitória: Edufes/CEG Publicações, 1999.

MARTINS, Moisés. Pantanal ao Cosmo: um passeio poético! Cuiabá: Gráfica e Editora Futura, 2008.

MENDES, Marcos Amaral. História e geografia de Mato Grosso. Cuiabá: Cafarnaum, 2012.

NEVES, Camila Emanuella Pereira. A produção associada em Capão Verde: entre bananas, saberes e utopias. Cuiabá: EdUFMT, 2013.

OLIVEIRA, Herman Hudson. Dança do Congo: educação, expressão, identidade e territorialidade. Cuiabá: 2011, 147f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, UFMT.

PIGNATI, Wanderlei Antonio; MACHADO Jorge M. H.; CABRAL, James F. Acidente rural ampliado: o caso da “chuva” de agrotóxicos sobre a cidade de Lucas do Rio Verde – MT. Ciência & Saúde Coletiva, 12(1):105-114, 2007;

RAMMÊ, Rogério Santos. A Justiça Ambiental e sua contribuição para uma abordagem ecológica dos Direitos Humanos. Revista de Direito Ambiental, V. 69/2013, p. 85, jan. 2013.

MOREIRA, Déborah. Território, luta e educação: dimensões pulsantes nos enfrentamentos dos conflitos socioambientais mapeados no Quilombo de Mata Cavalo. Cuiabá: 2017, 161f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, UFMT.

SANTOS, José Luiz dos. O que é cultura? São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

SATO, Michèle. et al. Mapeando os territórios e identidades do Estado de Mato Grosso, Brasil. Cuiabá: EdUFMT, 2013.

SILVA, Regina Aparecida. Do invisível ao visível: o mapeamento dos grupos sociais do estado de Mato Grosso - Brasil. São Carlos: 2011, 222f. Tese (Doutorado em Ciências) - Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Recursos Naturais, UFSCar.

SILVA, Regina Aparecida; SATO, Michèle. Mapa social: mapeando os grupos sociais do Estado de Mato Grosso-Brasil. Cuiabá: EdUFMT, 2012.

SOARES, Cristiane C. A. Educação ambiental na comunidade quilombola de Mata Cavalo: diálogos da arte, cultura e natureza. Cuiabá: 2018, 193f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Educação, PPGE-UFMT.

SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de. Multiculturalismo e direitos coletivos. In: SOUZA SANTOS, Boaventura de (Org). Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

VALLES, Eronaldo A. Conflitos socioambientais que afetam a soberania alimentar de comunidades do Cerrado do Pantanal – MT. Cuiabá: 2018, 144f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Educação, UFMT.

VIERTLER, Renate Brigitte. A ideia de “sustentabilidade cultural”: algumas considerações críticas a partir da antropologia. In: BASTOS FILHO, Janner B.; AMORIM, Nadia F. M. de.; LAGES, Vinicius Nobre (Org). Cultura e desenvolvimento: a sustentabilidade cultural em questão. Maceió: PRODEMA/UFAL, 1999. p. 31.