Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
O “cantinho do pensamento”: vivências de crianças na escola
Eliane Maria de Jesus, Silas Borges Monteiro

Última alteração: 07-10-18

Resumo


A Educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica se constitui em espaço rico para as pesquisas em educação, seja por abordar suas práticas, as instituições ou os sujeitos que ocupam o espaço escolar. Em muitas dessas pesquisas as fontes orais ocupam papel fundamental nas metodologias propostas, sendo, geralmente, ouvidos gestores, professores e mesmo as famílias das crianças que frequentam a Educação Infantil. A presente pesquisa intenciona investigar as vivências das crianças na escola, especificamente quando estiveram no “cantinho do pensamento”, prática que perpassa o cotidiano de várias instituições. Para isso, apostamos na investigação que toma a escuta das crianças, grupo que historicamente é silenciado nas pesquisas. Compreendendo a escola como espaço que efetiva práticas, onde há diretamente uma relação de saber e de poder, buscamos estudar esse fenômeno no cotidiano de uma creche no município de Porto dos Gaúchos, MT. Escolhemos este locus por ser um espaço de atuação da pesquisadora, o que motiva suas inquietações como profissional. Esta pesquisa opera com a filosofia da diferença, pois busca singularidades, num movimento de desconstrução, ao modo derridiano, do modo hegemônico de pensar a infância. Assim, afirmamos outra infância adotando uma concepção de criança e de infância não contínua, a criança como criadora, como potência de multiplicidades. Para a escuta das vivências das crianças sobre o cantinho do pensamento elegemos a otobiografia, método cunhado por Monteiro, a partir de sua leitura de Jacques Derrida como leitor de Nietzsche. A pesquisa é do tipo qualitativa; trabalharemos com a observação participante e diário de campo; como estratégia, fazemos uso de brincadeiras e dinâmicas (rodas de história e conversa) com intuito de registrar as narrativas produzidas pelas crianças. Ao apostarmos na narrativa delas, consideramos as crianças como produtoras autorais de seus discursos, pois nos interessa o ecoar de suas vozes, afinal, defendemos uma investigação que se faz com crianças e não sobre crianças. Deste modo, esta pesquisa investiga as narrativas infantis sobre suas vivências no “cantinho do pensamento” produzidas na multiplicidade do espaço-tempo da creche. É uma pesquisa em filosofia da educação que toma como aporte a filosofia da diferença.



Palavras-chave


Educação Infantil. Crianças. Cantinho do Pensamento. Vivências. Otobiografia.