Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Estrutura populacional de crocodilianos em áreas urbanas no estado de Mato Grosso - Brasil
Jessica Rhaiza Mudrek, Sarah Corey Rivas, Jesus Antonio Rivas, Paulo Cesar Venere

Última alteração: 25-10-18

Resumo


Em áreas urbanas, as mudanças ambientais são aceleradas e constantes, sendo consideradas como principais ameaças à conservação de quase todos os crocodilianos brasileiros. Embora existam alguns estudos sobre registros de crescimento, reprodução e distribuição de Paleosuchus palpebrosus e Caiman yacare, muitos aspectos biológicos sobre exigências ambientais e tolerância a poluentes ou outros distúrbios antrópicos permanecem desconhecidos. Os objetivos dessa parte do doutorado foram: 1) caracterizar a estrutura populacional de P. palpebrosus e C. yacare nas áreas urbanas, comparando com áreas naturais. Realizamos a coleta de dados entre 2015 e 2018, em cinco municípios do estado de Mato Grosso (Brasil), como os ambientais urbanos: Cuiabá, Várzea Grande e Barra do Bugres; e ambiental natural: Nobres e Cáceres. Nós procuramos pelos jacarés durante a noite, com auxílio de lanterna e barco (em rios de grande porte) os indivíduos foram capturados com o auxílio de Ketch-All ou manualmente. Medimos o comprimento do rostro-cloacal (CRC) e seu peso. Determinamos o gênero pelo exame cloacal visual, indivíduos com menos de 30 cm não possuem diferenciação sexual. Foram registrados 176 jacarés, sendo 98 jacarés-do-pantanal (C. yacare – área natural: 82, área urbana: 16) e 78 jacarés-paguá (P. palpebrosus – área natural: 20, área urbana: 58). A população de C. yacare apresenta média de 27,1 ± 15,1cm (desvio padrão) (mínimo de 12,2cm - máximo de 90,5cm) com razão sexual de 1:0 (machos: fêmeas) na área urbana e média de 41,6 ± 22,5cm (14,2 - 100,6 cm) com razão sexual de 1,6: 1 em área natural. A população de P. palpebrosus apresenta média de 37,7 ± 17 cm (11,7 - 90,5 cm) com razão sexual de 1,2: 1 na área urbana e média de 40,8 ± 23,6 cm (14,4 - 92,3 cm) com razão sexual de 1,7: 1 em área natural. A proporção de adultos e neonatos é maior em áreas naturais para ambas as espécies. Em ambientes com algum grau de perturbação humana, há predomínio de indivíduos com tamanho intermediário, embora haja eclosão não registramos grandes ninhadas. O resultado mais preocupante é a relação sexual de C. yacare na área urbana, porque não registramos nenhuma fêmea. Em crocodilianos, a relação sexual é determinada pela temperatura ambiental, com mais machos sendo gerados sob temperaturas de incubação mais altas. A urbanização proporciona microclimas mais quentes em comparação com os habitats naturais, logo à longo prazo, a alta proporção de machos e baixa proporção de adultos podem gerar extinção local.


Palavras-chave


Urbanização; Conservação; Jacaré; Herpetologia

Referências


CAMPOS, Z. et al. Avaliação do risco de extinçao do jacaré-paguá Paleosuchus palpebrosus (Cuvier, 1807) no Brasil. Biodiversidade Brasileira: Avaliaçao do Estado de Conservaçao dos Crocodilianos, v. 3, n. 1, p. 40–47, 2013.

CAMPOS, Z.; MAGNUSSON, W. E. Thermal relations of dwarf caiman, Paleosuchus palpebrosus, in a hillside stream: evidence for an unusual thermal niche among crocodilians. Journal of thermal biology, v. 38, n. 1, p. 20–3, jan. 2013.

FAGAN, W. F. Connectivity, fragmentation, and extinction risk in dendritic metapopulations. Ecology, v. 83, n. 12, p. 3243–3249, 2002.

FARIAS, I. P. et al. Conservation : Genetic diversity and population structure of Amazonian crocodilians Genetic diversity and population structure of Amazonian crocodilians. n. 2004, p. 265–272, 2016.

FEARN, S. et al. Pythons in the pergola: the ecology of “nuisance” carpet pythons (Morelia spilota) from suburban habitats in south-eastern Queensland. Wildlife Research, v. 28, p. 573–579, 2001.


RICE, A. N. et al. Alligator diet in relation to alligator mortality on Lake Griffin, FL. Southeastern Naturalist, v. 6, n. 1, p. 97–110, 2007.

ROSS, J. P. Crocodiles: Status survey and conservation action plan. Second ed. Gland, Switzerland and Cambridge, UK.: IUCN/SSC Crocodile Specialis Group, 1998.

RUSSO, D.; ANCILLOTTO, L. Sensitivity of bats to urbanization: a review. Mammalian Biology, v. 80, p. 205–212, 2015.

VASCONCELOS, W. R. et al. Population genetic analysis of Caiman crocodilus (Linnaeus, 1758) from South America. v. 230, p. 220–230, 2006.

WANG, L.; LYONS, J.; KANEHL, P. Impacts of urbanization on stream habitat and fish across multiple spatial scales. Environmental Management, v. 28, n. 2, p. 255–266, 2001.

WILSON, A. et al. Urbanisation versus agriculture: a comparison of local genetic diversity and gene flow between wood mouse Apodemus sylvaticus populations in human-modified landscapes. Ecography, v. 39, p. 87–97, 2016.