Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
UM ESTUDO SOBRE O RITO DE OFICIALIZAÇÃO DO ACONTECIMENTO HISTÓRICO: OS DISCURSOS E INTERPRETAÇÕES SOBRE A ESCRAVIDÃO E ABOLIÇÃO NO BRASIL (SEGUNDA METADE DO SÉCULO XX)
Amauri Junior da Silva Santos

Última alteração: 22-11-18

Resumo


O presente trabalho busca sublinhar como um acontecimento histórico pode ser alvo de disputas em contextos diferentes e deste modo se lança mão de estratégias de fabricação e ressignificação do mesmo. Neste caso, nos centraremos nos discursos e interpretações forjados da segunda metade do século XX a respeito da abolição e da escravidão no Brasil e suas consequências. Sobretudo, os trabalhos de Gilberto Freyre (1900-1987) e Florestan Fernandes (1920-1995). Deste modo, o objetivo central deste projeto de doutoramento é demonstrar como ocorre o processo de fabricação e oficialização da narrativa histórica sobre a escravidão e abolição no Brasil por meio dos discursos e interpretações acadêmicos da segunda metade do século XX. Isto é, buscamos evidenciar o ritual prescrito para a fabricação e oficialização da narrativa historiográfica. Neste sentido, tal objetivo tem como intenção fornecer as bases empíricas que nos permitirão: a) questionar o conceito de história oficial que convencionamos utilizar dentro e fora da academia; b) propor a superação desse conceito pelo de história oficializada que acreditamos dar conta dos diferentes enredos históricos que não cabem nos scripts pré-formulados pelo Ocidente.

 


Palavras-chave


História oficializada; Abolição; Narrativa histórica

Referências


ANDREWS, G. R. Democracia racial brasileira (1900-1990): um contraponto americano. Estudos Avançados. São Paulo, v. 11, n. 30, p. 95-115, 1997.

AZEVEDO, C. M. M. “Para além das ‘relações raciais’: por uma história do racismo”. In: Josué Pereira da Silva et al. (Org.). Crítica contemporânea. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2002, p. 129-148.

_____. O Abolicionismo Transatlântico e a memória do paraíso racial brasileiro. Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro, n. 30, p. 151-162, dez. 1996.

_____. Para além das ‘relações raciais’: por uma história do racismo. In: SILVA, Josué Pereira da et al. Crítica contemporânea. São Paulo: Annablume, 2002, p. 129-148.

CONCEIÇÃO, M. T. Interrogando discursos raciais em livros didáticos de História: entre Brasil e Moçambique – 1950-1995. Tese (Doutorado em História). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2015.

FERNANDES, F. A integração do negro na sociedade de classes (v. 1: “O legado da raça branca” – v. 2: “No limiar de uma nova era”). 3 ed. São Paulo: Ática, 1978.

_____. Circuito Fechado: Quatro Ensaios sobre o “Poder Institucional”. São Paulo: Hucitec, 1976.

_____. O negro no mundo dos brancos. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1971.

 

FREYRE, G. Casa Grande & Senzala. 2 ed. Rio de Janeiro: Schmidt-Editor, 1936.

_____. Novo Mundo nos Trópicos. São Paulo: Ed. Nacional, 1971.

_____. Sobrados e Mucambos – Decadência do Patriarcado Rural e desenvolvimento urbano. São Paulo: Nacional, 1936

GILROY, P. Entre campos: nações, culturas e fascínio da raça. São Paulo: Annablume, 2007.

GROSFOGUEL, R. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos póscoloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p. 115-147, 2008.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 7 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.