Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Condutividade hidráulica e vulnerabilidade a cavitação em Hymenaea stigonocarpa Mart. ex Hayne
Magdiel Josias do Prado

Última alteração: 25-10-18

Resumo


As propriedades hidráulicas do xilema fornecem informações relevantes sobre a dinâmica de água na planta, sua influência na fotossíntese, crescimento sensibilidade ao estresse hídrico, afetando desta forma a distribuição das espécies no ambiente. A condutividade hidráulica do xilema é altamente variável seja na espécie ou entre espécies. A dinâmica para um determinado indivíduo pode ocorrer devido a ocorrência da embolia, concentração de íons e a fase de desenvolvimento. A condutância hidráulica do galho pode ser usada como uma medida comparativa da adaptação entre as espécies e para avaliar o impacto do estresse hídrico no transporte de água. Perspectiva que norteará este trabalho. A condutividade é o fluxo direcionado por uma força motriz (Q/ΔP), normalizado pelo comprimento do segmento e referenciado, quer para a área de secção transversal do xilema (Ks: condutividade específica do xilema), quer para a área foliar suportada pelo xilema (KL: condutividade específica da folha). As curvas de vulnerabilidade relacionam a porcentagem de perda de condutividade (PLC) às tensões do xilema (pressões do subambiente do xilema). Os pontos na curva são tipicamente gerados pela medição da condutividade depois de deixar a planta (ou ramo cortado) desidratar. Curvas de vulnerabilidade fornecem informações úteis sobre a sensibilidade do xilema à seca. A vulnerabilidade à cavitação é frequentemente resumida pela tensão que resulta em uma perda de 50% na condutividade hidráulica (P50); uma grande tensão é frequentemente correlacionada com potenciais mínimos de água na folha altamente negativos e tolerância à seca das espécies.


Palavras-chave


Tolerância à seca - Condutância - Embolismo

Referências


Brodersen, C.R., McElrone, A.J., Choat, B., Matthews, M.A. & Shackel, K.A. (2010) The dynamics of embolism repair in xylem: in vivo visualizations using high-resolution computed tomography. Plant Physiology, 154, 1088–1095.

Brodribb, T.J. (2009) Xylem hydraulic physiology: the functional backbone of terrestrial plant productivity. Plant Science, 177, 245–251.

Cochard, H., Herbette, S., Barigah, T., Badel, E., Ennajeh, M. & Vilagrosa, A. (2010a) Does sample length influence the shape of xylem embolism vulnerability curves? A test with the Cavitron spinning technique Plant Cell and Environment, 33, 1543–1552.

Cochard, H., Herbette, S., Hernandez, E., Holtta, T. & Mencuccini, M. (2010b) The effects of sap ionic composition on xylemvulnerability to cavitation. Journal of Experimental Botany, 61, 275–285.

Hacke, U.G. & Sperry, J.S. (2001) Functional and ecological xylem anatomy. Perspectives in Plant Ecology Evolution and Systematics, 4, 97–115.

Markesteijn, L., Poorter, L., Paz, H., Sack, L. & Bongers, F. (2011) Ecological differentiation in xylem cavitation resistance is associated with stem and leaf structural traits. Plant, Cell& Environment, 34, 137–148.

Melcher, P. J., Holbrook N. M, Burns, M. J., Zwieniecki, M. A., Cobb A. R., Brodribb, T. J., Choat, B and Sack, L., (2012) Measurements of stem xylem hydraulic conductivity in the laboratory and field, Methods in Ecology and Evolution 2012, 3, 685–694.