Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Dinâmica de ocupação por Cercomacroides nigrescens (Cabanis & Heine, 1859) (Thamnophilidae) na região Amazônica
Tatiane Regina Arnhold, Lucia Mateus

Última alteração: 25-10-18

Resumo


Estimar variações na proporção de locais ocupados por uma espécie ao longo do tempo, é fundamental para realizar inferências do estado atual da população e ainda, ampliar o conhecimento sobre a relação espécie – habitat. Para as aves, que são animais que necessitam se deslocar de um local para o outro por diversos motivos, a dinâmica de ocupação é determinada principalmente pela disponibilidade de alimento, ausência de predadores e competidores. Para as espécies pertencentes a família Thamnophilidae, é descrito que a qualidade do habitat, densidade da vegetação no sub-bosque e isolamento de manchas são usados como importantes preditores no uso de manchas. Diante disso, o objetivo é avaliar a dinâmica de ocupação por Cercomacroides nigrescens na região Amazônica. As amostragens foram realizadas na região conhecida como Volta Grande do Xingu no estado do Pará., na região amazônica. Foram feitas amostragens entre os anos 2013 a 2017, durante a seca e cheia, totalizando 9 períodos e 89 sítios amostrados distribuídos em 8 módulos (cada módulo contém duas trilhas, com até seis sítios distanciados em 1km). Para registrar a presença ou ausência dos indivíduos, executamos duas metodologias: 1) três dias de amostragem por ponto e 2) dois dias de rede de neblina. Utilizamos o modelo de dinâmica de ocupação para estimar os parâmetros de detecção, ocupação inicial, colonização e extinção local. Ao estimar a probabilidade de detecção incluímos as covariáveis de campanha, chuva e métodos de amostragem; para estimar a probabilidade de ocupação inicial incluímos covariáveis de módulo e unidades de paisagem; para as probabilidades de colonização e extinção local incluímos campanha, distância do rio Xingu, EVI, módulo e sazonalidade. Para detecção as covariáveis que mais influenciaram foi incluído as covariáveis, campanha e metodologia de coleta. Nenhuma das covariáveis influenciou a probabilidade de ocupação inicial. As probabilidades de colonização e extinção local foram influenciadas pela sazonalidade. Ao estimar a proporção de locais ocupados em cada período de tempo, percebemos que a proporção de locais em que a espécie está ocupando se mantem estável e apesenta menor proporção de locais nos períodos de menor pluviosidade. A proporção de locais ocupados no período da seca ser menor, pode ser justificado pela alteração na disponibilidade de recurso disponível para a espécie nesse período, considerando que a mesma pertence a uma família reconhecida por possuírem alimentação insetívora.


Palavras-chave


Modelo de ocupação, dinâmica de ocupação, detectabilidade