Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Efeito da dispersão sobre a diversidade em metacomunidades de fitoplânctons em um experimento de microcosmos
Wilson Mamedes Leão Neto

Última alteração: 25-10-18

Resumo


Comunidades de fitoplâncton são de extrema importância para ambientes aquáticos. Alguns grupos como as Cyanophytas, especialmente aquelas possuidoras de heterocistos, são fixadoras biológicas de nitrogênio em lagos. Esses organismos são também constituintes de parte da produtividade primária e biomassa nos meios aquáticos, o que serve de base para cadeias alimentares (ESTEVES, 1998). A dispersão desses organismos é um importante fenômeno, que pode influenciar vários processos, tanto localmente quanto os que estruturam suas metacomunidades. Esse processo pode representar um dos principais fatores de perda de espécies locais e é fundamental para entender os padrões de presença e ausência de espécies em determinados locais, podendo leva a um efeito de dinâmica de massas, ou turnover e aninhamento (LEIBOLD et al, 2004; GUISAN & THUILLER, 2005; REYNOLDS, 2006). O entendimento dos diferentes padrões ocasionados pela dispersão na estruturação das comunidades, é essencial para analisar os processos que fundamentam a biodiversidade e isso pode auxiliar em decisões importantes (NOGUEIRA et al; 2008; BASELGA, 2009; ANDERSON et al, 2010).  Contudo, em situações naturais, a dispersão pode acontecer como eventos raros, os quais são muito difíceis ou mesmo impossíveis de se detectar. Para isso podem ser realizados experimentos que servem de modelo para ilustrar as situações reais (RUTH & HANNON, 2001; FRIGG & HARTMANN, 2018). Assim, neste trabalho investigarei como a dispersão afeta a diversidade de metacomunidades de fitoplâncton em sistema artificial (microcosmos). Mais especificamente, serão realizados três tratamentos. O primeiro  tratamento terá dispersão unilateral, através da transferência de água, entre comunidades de mesma origem. O segundo entre comunidades de origens diferentes. O terceiro tratamento, controle, que não receberá migrantes, sem dispersão. Serão realizadas análises dos efeitos da dispersão sobre a diversidade entre réplicas dos tratamentos através dos índices de diversidade beta, que consiste na variação de espécies entre comunidades ao longo de um gradiente. A diversidade beta será obtida com índice de Jaccard (binário e quantitativo). Espero que a diversidade beta entre das unidades experimentais com dispersão de comunidades parcialmente distintas seja alta decorrente da substituição de espécies. Isto pois, cada caixa recebe migrantes de de origens distintas e apresentarão espécies raras, portanto alta diversidade. A diversidade beta entre as caixas de comunidades que recebem migrantes da mesma origem apresentará baixa diversidade beta devido a um aninhamento provocado pela dinâmica de massas.  Nestas, a diversidade beta deverá ser baixa, devido ao efeito resgate que deverá homogeneizar as caixas. Finalmente, a diversidade beta entre as caixas que não receberem dispersores será alta, devido às extinções isoladas que deverão ser diferentes em cada caixa.

Palavras-chave


Metacomunidades, dispersão, microcosmos

Referências


Anderson, M. et al. Navigating the multiple meanings of diversity: a roadmap for practicing ecologist. Ecology Letters. 2010.

Baselga, A. Partitioning the turnover and nesteness components of beta diversity. Journal of Macroecology. 2009. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/j.1466-8238.2009.00490.x. Acesso em: 03/09/2018.

Carrara, F. et al. 2012. Dendritic connectivity controls biodiversity patterns in experimental metacommunities. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America 109: 5761-5766.

Chase, J. M. 2010. Stochastic community assembly causes higher biodiversity in more productive environments. Science 328: 1388-1391.

Esteves, F. 1998. Fundamentos em Limnologia. ed, 2. Interciência. Rio de Janeiro. 1998.

Forbes, A & Chase, J. The role of habitat connectivity and landscape geometry  in  experimental  zooplankton metacommunities. OIKOS. Vol, 96. Pag, 433-440. 2002.

Frigg, R & Hartmann, S. Models in Science. The Stanford Encyclopedia of Philosophy. 2018 . Disponível em: https://plato.stanford.edu/archives/sum2018/entries/models-science/. Acesso em: 03/09/2018.

Gonzalez, A. 2009. Metacommunities: Spatial community ecology. Wiley, Hoboken, NJ.

Guisan, A. et al. Predicting species distribution: offering more than simple habitat models. Ecology Letters. Vol, 8. Pag, 993-1009. 2005.

Legendre, P. et al. Analyzing Beta Diversity: Patitioning the spatial variation of community composition data. Ecology Society of America. 2005. Disponível em: https://esajournals.onlinelibrary.wiley.com/doi/pdf/10.1890/05-0549. Acesso em: 03/09/2018.

Leibold M. A. et al. 2004. The metacommunity concept: a framework for multi-scale community ecology. Ecology Letters, 7, 601–613.

Nogueira, I. et al. Diversidade (alfa, beta, gama) da comunidade fitoplanctônica de quatro lagos artificiais urbanos do município de Goiânia, GO. Hoehnea. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/hoehnea/v35n2/v35n2a05.pdf. Acesso em: 03/09/2018.

Rego, R. et al. Aninhamento e substituição de espécies: o que promove a diversidade beta ao longo de um gradiente de dessecação em um costão rochoso?. Ecologia da Mata Atlântica. 2012. Disponível em: http://ecologia.ib.usp.br/curso/2012/PDF/PO1-2.pdf. Acesso em: 03/09/2018.

Reynolds. C. The Ecology of Phytoplankton. Cambridge University Press. Ecology Biodiversity and Conservation. New York. 2006.

Ruth, M & Hannon, B. Dynamic Modeling. Springer Science+Business Media LLC. ed, 2. 2001.

Schluter, D. & Ricklefs, R. E. 1993. Species diversity: an introduction to the problem. University of Chicago Press. In: Schluter, D. & Ricklefs, R. E. Species Diversity in Ecological Communties, historical and geographical perspectives.. p. 416.

Vellend, M. et al. 2014. Assessing the relative importance of neutral stochasticity in ecological communities. Oikos, 123, 1420–1430.